Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Quem exige tributo deve apontar o seu exato valor, com critérios objetivos
  • GISELE NASCIMENTO
    É assustador o tanto de mulheres que têm sido assassinadas em Mato Grosso nos últimos tempos
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    Não agir com igualdade perante todos significa um torpedo contra a própria noção de justiça
J. Federal / RELATÓRIO

Tamanho do texto A- A+
16.11.2016 | 14h47
Moro diz que PF fez “afirmação leviana” ao citar Toffoli em investigação
A decisão foi proferida após quebra do sigilo telefônico do empresário Maurício Bumlai
Fabio Rodrigues/Agência Brasil
O juiz federal em Curitiba, Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato
ANDRÉ RICHTER
DA AGÊNCIA BRASIL

O juiz federal Sérgio Moro determinou na última segunda-feira (14) que a Polícia Federal (PF) refaça um relatório de inteligência no qual o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli foi citado. Na decisão, Moro classificou a menção como “afirmação leviana”.

A decisão foi proferida após Moro receber relatório da quebra do sigilo telefônico do empresário Maurício Bumlai, filho do pecuarista José Carlos Bumlai, ambos investigados na Operação Lava Jato.

Ao analisar a agenda do aparelho celular que foi apreendido, a PF encontrou contatos de diversas autoridades e concluiu que a família Bumlai “tinha influência no PT” e sobre outros agentes da administração pública. No documento, a polícia reconheceu que a mera citação não significa o envolvimento dos acusados com os fatos investigados na Lava Jato.

“A influência não era somente em agentes políticos da administração pública, mas também na Suprema Corte, na pessoa do ministro Toffoli”, diz o documento da PF.

Ao tomar conhecimento da citação, Moro determinou que o relatório seja refeito em três dias e pediu que PF esclareça o ocorrido. Para o juiz, a citação ao ministro do STF “não tem base empírica e é temerária”.

“O fato de algum investigado possuir, em sua agenda, números de telefone de autoridades públicas não significa que ele tem qualquer influência sobre essas autoridades. Assim, o relatório, sem base qualquer, contém afirmação leviana e que, por evidente, deve ser evitada em análises policiais que devem se resumir aos fatos constatados”, decidiu Moro.

Foro privilegiado

Apesar de o juiz não mencionar na decisão, a citação de um ministro do STF no processo de Bumlai poderá gerar uma contestação sobre a validade da investigação. Os advogados poderão alegar que, ao citar um detentor de foro privilegiado, Moro não pode continuar investigando os acusados.

Em setembro, Moro condenou Bumlai a nove anos e dez meses de prisão em uma das ações penais oriundas da Lava Jato.

PF

Após ser notificado sobre a decisão de Moro, o delegado Felipe Pace informou ao juiz que a decisão será cumprida e que houve “erro material” no relatório.

Pace reconheceu que "é faticamente e probatoriamente impossível" atribuir suposta influência de José Carlos Bumlai sobre Dias Toffoli.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Abril de 2018
13.04.18 15h35 » Juiz compartilha provas para MPE investigar ex-deputado Eliene
05.04.18 18h21 » Juiz Sérgio Moro determina a prisão do ex-presidente Lula
Março de 2018
29.03.18 17h50 » Criança que ficou com paralisia após tomar vacina será indenizada
27.03.18 15h18 » TRF-4 publica íntegra da decisão que negou recurso a Lula e manteve condenação
19.03.18 17h25 » Moro ordena prisão de executivo condenado na 2ª instância
07.03.18 17h44 » Sérgio Moro condena ex-presidente do BB e da Petrobras
Fevereiro de 2018
16.02.18 11h52 » Justiça condena Eder Moraes pela terceira vez em ação da Ararath
13.02.18 16h56 » Dnit deve indenizar filho de vítima de acidente em R$ 187,4 mil
13.02.18 08h56 » Justiça Federal pede intervenção em MT por desrespeito a decisão
07.02.18 17h32 » Recibos de aluguel de Lula 'não são materialmente falso', diz Moro



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet