Artigos
  • FRANCISCO BRITO JUNIOR
    Os partidos pequenos precisam traçar estratégias para continuar sua existência por meio de registro de candidatos com força eleitoral
  • ANTONIO SÉRGIO PITOMBO
    Este tipo de profissional do Direito engana a si mesmo e a seus clientes
  • JOSÉ RENATO CORDOVEZ
    MT e outros Estados erraram ao instituir tarifas sobre a base de cálculo da energia elétrica
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    Depois de uma devastadora recessão econômica e uma série de instabilidades políticas, vivemos uma ressaca dramática
J. Federal / FALTA DE URBANIDADE

Tamanho do texto A- A+
28.10.2016 | 16h23
Juiz oficia OAB após advogada xingar operadora de telefonia em petição inicial
Advogada teria insultado operadora em ação, juiz considerou infração ética
Divulgação
o juiz enviou ofício à OAB-PR para que esta tomasse as medidas cabíveis devido a uma possível infração ética
DO CONSULTOR JURÍDICO

A revolta de uma advogada contra uma operadora de telefonia, expressada com ofensas na petição inicial na qual pede indenização por danos morais, levou o juiz Rodrigo Domingos Peluso Junior, do 3º Juizado Especial Cível da Curitiba, a enviar ofício à Ordem dos Advogados do Brasil do Paraná para tomar as medidas cabíveis devido a uma possível infração ética.

Ao dizer qual tipo de ação estava apresentando a advogada escreveu: "Ação de foda-se Vivo, não pago porra nenhuma e ainda quero uma indenização pela palhaçada". No despacho, o juiz reconhece que o advogado tem imunidade profissional assegurada. Todavia, continua o juiz, esta imunidade não é absoluta, cabendo ao profissional responder por eventuais danos decorrentes de excessos cometidos.

No caso, o juiz diz acreditar que esses excessos foram ultrapassados.  "Isso porque, a reclamante advoga em causa própria, faltando com o princípio processual da urbanidade e respeito com a parte adversa e para com o Judiciário, utilizando-se de vernáculo inapropriado para um processo judicial", explicou.

O juiz determinou ainda a extinção do processo, diante de um pedido feito pela própria advogada. Ao portal G1 a advogada explicou que redigiu a peça em momento de nervosismo, utilizando termos inapropriados. A peça foi revisada em seu escritório, contudo, o título passou desapercebido. Assim que foi verificado o erro, ela própria solicitou o arquivamento do processo. A ConJur não conseguiu entrar em contato com a advogada.

A OAB-PR informou que não pode se pronunciar sobre o caso pois não foi oficiada. Mas que, assim que receber, deve abrir um procedimento administrativo para apurar se houve a infração ética.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2018
16.02.18 11h52 » Justiça condena Eder Moraes pela terceira vez em ação da Ararath
13.02.18 16h56 » Dnit deve indenizar filho de vítima de acidente em R$ 187,4 mil
13.02.18 08h56 » Justiça Federal pede intervenção em MT por desrespeito a decisão
07.02.18 17h32 » Recibos de aluguel de Lula 'não são materialmente falso', diz Moro
06.02.18 17h00 » TRF-4 publica íntegra da decisão que condenou Lula a 12 anos de prisão
Janeiro de 2018
23.01.18 14h35 » Juiz parcela em quatro vezes fiança de R$ 80 mil de João Arcanjo
22.01.18 09h56 » Juiz nega absolvição sumária a Eder e ex-dirigente de banco
19.01.18 16h52 » Juiz condena ex-gestora de universidade a 13 anos de prisão
18.01.18 11h55 » Após pedido, Moro determina a transferência de Sérgio Cabral
15.01.18 11h01 » Juiz cita ações e diz temer que toda operação seja anulada



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet