Artigos
  • VINÍCIUS SEGATTO
    Você já se questionou por qual razão ele existe, qual a sua verdadeira aplicabilidade ou, até mesmo, qual é ou será o seu destino?
J. Estadual / DEZESSETE ANOS

Tamanho do texto A- A+
13.06.2018 | 16h11
Homem que matou a namorada e jogou corpo no rio é condenado
Corpo de jovem de 20 anos foi encontrado com corda no pescoço, às margens do Rio Coxipó
MidiaNews
Fachada do Fórum de Cuiabá, local onde ocorreu o júri de "Louco"
DA REDAÇÃO

Em júri popular realizado nesta terça-feira (12), o réu Odilson dos Santos Silva, 31, conhecido como “Louco”, foi condenado a 17 anos de prisão, em regime fechado, pelo feminicídio de Carol Ramos de Almeida, que completaria 25 anos nesta semana.

O crime ocorreu no dia 15 de outubro de 2015, por volta das 17 horas, na região da Ponte de Ferro, no Rio Coxipó do Ouro, em Cuiabá.

A tese de acusação do Ministério Público Estadual, apresentada pelo promotor de Justiça Jaime Romaquelli foi acatada pelos jurados, que condenaram Odilson por homicídio qualificado, motivo torpe, com emprego de asfixia, mediante recurso que impossibilitou a defesa da vítima e ocultação de cadáver.

Odilson não aceitava o fim do relacionamento com Carol e a matou asfixiada por ciúmes. O corpo da vítima foi localizado em decomposição, quase um mês após o fato.

Logo após o assassinato, “Louco” fugiu com a ex-mulher e a filha do casal para São Luís (MA), onde foi preso no dia 20 de setembro de 2016, por policiais civis da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

No dia do crime, a vítima enviou uma mensagem de texto no celular de uma amiga, afirmando que estaria indo para a residência dela e pediu que deixasse o portão aberto, pois estava na presença de “Louco”, se referindo a Odilson.

Depois de asfixiar a vítima com uma corda que utilizava para o trabalho e que estava no bagageiro da moto, Odilson voltou para a casa da ex-mulher, com quem voltou a conviver após separar-se de Carol. A mulher disse que foi coagida a fugir com ele. O condenado cumpre pena na Penitenciária Central do Estado, em Cuiabá.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2018
10.12.18 17h16 » TJ libera Paulo Taques para baile de formatura do filho
10.12.18 14h45 » Juiz determina retorno de prefeita ao citar irregularidade em afastamento
10.12.18 11h00 » TJMT adquire detectores de metal para as 79 comarcas
07.12.18 15h25 » TJ vê culpa de passageira que perdeu o braço e reduz indenização
06.12.18 17h30 » Ex-vereador de Cuiabá e mais oito são condenados à prisão
03.12.18 13h55 » Juiz nega inclusão de 2 empresas em recuperação de grupo
03.12.18 13h02 » Deputados devem se defender contra decisão que aceitou denúncia
Novembro de 2018
30.11.18 17h15 » TJ mantém condenação de mãe que fez filha comer fezes em MT
29.11.18 16h03 » TJ impõe multa a Romoaldo após condenação por improbidade
29.11.18 15h55 » Juiz condena oficial de justiça por reter citação de réu por 540 dias



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet