Artigos
  • VINÍCIUS SEGATTO
    A improbidade no Brasil tem feito com que cada vez mais pessoas se afastem da prestação de serviços públicos
  • RITA DE CASSIA BUENO
    Vale ressaltar que a prisão não extingue o débito alimentar, não isentando o devedor de pagar os valores vencidos e vincendos
J. Estadual / DEZESSETE ANOS

Tamanho do texto A- A+
13.06.2018 | 16h11
Homem que matou a namorada e jogou corpo no rio é condenado
Corpo de jovem de 20 anos foi encontrado com corda no pescoço, às margens do Rio Coxipó
MidiaNews
Fachada do Fórum de Cuiabá, local onde ocorreu o júri de "Louco"
DA REDAÇÃO

Em júri popular realizado nesta terça-feira (12), o réu Odilson dos Santos Silva, 31, conhecido como “Louco”, foi condenado a 17 anos de prisão, em regime fechado, pelo feminicídio de Carol Ramos de Almeida, que completaria 25 anos nesta semana.

O crime ocorreu no dia 15 de outubro de 2015, por volta das 17 horas, na região da Ponte de Ferro, no Rio Coxipó do Ouro, em Cuiabá.

A tese de acusação do Ministério Público Estadual, apresentada pelo promotor de Justiça Jaime Romaquelli foi acatada pelos jurados, que condenaram Odilson por homicídio qualificado, motivo torpe, com emprego de asfixia, mediante recurso que impossibilitou a defesa da vítima e ocultação de cadáver.

Odilson não aceitava o fim do relacionamento com Carol e a matou asfixiada por ciúmes. O corpo da vítima foi localizado em decomposição, quase um mês após o fato.

Logo após o assassinato, “Louco” fugiu com a ex-mulher e a filha do casal para São Luís (MA), onde foi preso no dia 20 de setembro de 2016, por policiais civis da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

No dia do crime, a vítima enviou uma mensagem de texto no celular de uma amiga, afirmando que estaria indo para a residência dela e pediu que deixasse o portão aberto, pois estava na presença de “Louco”, se referindo a Odilson.

Depois de asfixiar a vítima com uma corda que utilizava para o trabalho e que estava no bagageiro da moto, Odilson voltou para a casa da ex-mulher, com quem voltou a conviver após separar-se de Carol. A mulher disse que foi coagida a fugir com ele. O condenado cumpre pena na Penitenciária Central do Estado, em Cuiabá.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Agosto de 2018
21.08.18 14h53 » Ex-defensor geral é condenado por compra "absurda" de gasolina
21.08.18 11h01 » Juiz nega suspender ação na campanha e marca reinterrogatório
20.08.18 17h10 » Cabo quer quebrar sigilo de Paulo Taques e coronel Lesco
20.08.18 16h48 » Médica pede desbloqueio de veículo que comprou de coronel
20.08.18 15h57 » Juíza manda exonerar servidor da Assembleia Legislativa
20.08.18 15h32 » TJ manda para 1ª instância ação contra prefeita cassada em MT
17.08.18 17h14 » TJ determina expulsão de capitão da PM condenado por estupro
17.08.18 17h03 » Juiz acata denúncia e tenente-coronel vira réu por assédio a PMs
17.08.18 16h38 » TJMT lança concurso para juiz; inscrições começam na segunda
16.08.18 17h28 » Juíza determina perícia em áudios de processo contra ex-GCom



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet