Artigos
  • LUIZ HENRIQUE LIMA
    Órgão é essencial para a democracia e melhor desempenho da administração pública
  • LUIZ GONÇALO DA SILVA
    Só agora se vê a efetiva possibilidade de uma compensação financeira
  • RENATO GOMES NERY
    Temos um presidente cercado de militares que namora com o autoritarismo
J. Estadual / APÓS CONDENAÇÃO

Tamanho do texto A- A+
30.05.2018 | 09h37
Justiça desbloqueia pensão de ex-deputada estadual de MT
Ela recebe no total R$ 4.656,04 de aposentadoria por ser filha de ex-combatente militar
DIEGO FREDERICI
DO FOLHAMAX

A juíza da Vara de Execução Fiscal Municipal de Cuiabá, Flavia Catarina Oliveira de Amorim Reis, determinou a suspensão do bloqueio de verbas de pensão e de aposentadoria da ex-deputada estadual e ex-presidente da Câmara da Capital, Francisca Emilia Santana Nunes, também conhecida como “Chica Nunes”.

Os valores sofreram a restrição após a constituição de uma certidão de dívida ativa do município de Cuiabá no montante de R$ 6.460.096,41 milhões.

A decisão é do dia 16 de maio. Para desbloquear os valores, Chica Nunes alegou que tratavam-se de verbas consideradas impenhoráveis utilizadas para a própria sobrevivência do indivíduo, incluindo-se nessa categoria as pensões e aposentadorias.

A ex-presidente da Câmara de Cuiabá recebe no total R$ 4.656,04 mil de aposentadoria por ser filha de ex-combatente militar. A juíza citou que, frente ao valor cobrado pelo município de Cuiabá, “seria necessário quase 100 anos de penhora mensal para quitar o débito.

“Dessa forma, constato que os valores acima auferidos pela executada estão bem aquém do valor executado, que na verdade representa mais de mil por cento daqueles, o que significa para a Fazenda Pública Municipal exequente que será necessário quase 100 anos de penhora mensal sobre tais proventos para a executada poderá significar, em tese, falta de meios para pagar seu plano de saúde e prover sua subsistência mínima no período mais crítico de um ser humano, na terceira idade que se avizinha”, diz trecho da decisão.

A juíza, no entanto, lembrou que o processo ainda está no início e que restrições sobre bens imóveis, além de semoventes (gado e outras culturas) poderão ser determinados a ex-presidente da Câmara. Chica Nunes chegou a sofrer um bloqueio de recursos.

Porém, a medida encontrou apenas R$ 9,3 mil em suas contas. O desbloqueio atingirá apenas as parcelas referentes a sua pensão e aposentadoria  ou os R$ 4.656,04 mil.

“Ressalto também que esta execução fiscal encontra-se apenas iniciando, cumprindo à Fazenda Pública Municipal exequente buscar a satisfação do seu crédito com penhora sobre bens móveis, semoventes ou imóveis da Executada, sem olvidar dos ativos financeiros já contristados”, diz outro trecho de sua decisão.

Segundo denúncia do Ministério Público Estadual (MPE), Chica Nunes é suspeita de clonar notas fiscais falsas, de empresas fantasmas, simulando licitações que na verdade não existiam. As notas eram utilizadas para a ex-presidente da Câmara de Cuiabá se apossar dos valores. Chica Nunes é apontada ainda como a responsável por fraudar 107 processos licitatórios entre os anos de 2005 e 2006, quando era presidente da Câmara Municipal de Cuiabá.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Janeiro de 2019
18.01.19 17h15 » Justiça bloqueia R$ 4 mi de construtora por asfalto de "péssima qualidade"
18.01.19 16h42 » Endividada, Geosolo tem pedido de recuperação aceito na Justiça
17.01.19 17h36 » Tribunal nomeia juíza para Vara em que atuou Selma Arruda
16.01.19 15h10 » Temendo contaminação, juiz realiza audiências em sala protegida
16.01.19 14h47 » Ex-presidente da Câmara continua substituindo o prefeito, decide TJ
14.01.19 17h48 » TJ manda banco indenizar cliente por desconto indevido na folha
11.01.19 17h59 » Com mudança de Governo, TJ manda soltar ex-diretor da Sema
10.01.19 17h02 » Sem foro, ex-Sema responderá a ação na 1ª instância da Justiça
08.01.19 17h00 » Operação Zaqueus: juiz encerra instrução e agentes voltam à Sefaz
07.01.19 15h09 » TJ diz que vítima foi culpada por acidente e nega indenização



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet