Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Muitos usuários têm se utilizado dessa plataforma de forma descompromissada
J. Estadual / DESVIOS

Tamanho do texto A- A+
28.05.2018 | 12h01
Juiz se declara suspeito em denúncia contra ex-assessor de colega
Jorge Tadeu diz que foi ele quem alertou Geraldo Fidelis das irregularidades contra o servidor
MidiaNews
O juiz Jorge Tadeu Rodrigues, que se declarou suspeito em investigação
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O juiz Jorge Luiz Tadeu Rodrigues, da Vara Contra o Crime Organizado da Capital, se declarou suspeito para julgar a denúncia contra o ex-assessor do juiz Geraldo Fidelis, Pitágoras Pinto de Arruda, preso desde o dia 25 de abril por conta da Operação Regressus.

A decisão foi dada na segunda-feira (22). A operação apura esquema de fraudes em processos de progressão de regime de presos, lavagem de dinheiro e desvio de recursos judiciais.

Além de Pitágoras, também foram presos o ex-golpista Marcelo Nascimento da Rocha, conhecido por "Marcelo Vip", e Márcio Batista da Silva, o "Dinho Porquinho".

Ao se declarar suspeito, o juiz Jorge Tadeu explicou que Pitágoras foi assessor do juiz Geraldo Fidelis, da Vara de Execuções Penais, unidade na qual ele também atuou de 2015 até o dia 16 de abril deste ano, antes de ser designado para a 7ª Vara Criminal.

“Desta forma, considerando que alertei o colega Geraldo Fernandes Fidelis acerca da possível conduta irregular do acusado do processo, conforme declaração do próprio colega (fls. 190), dou-me por suspeito e determino a remessa do feito ao próximo Magistrado tabelar, nos termos do art. 254, inciso IV, do Código de Processo Penal”, decidiu.

pitagoras

O ex-assessor Pitágoras Arruda, alvo de denúncia

Com a suspeição, a denúncia deverá ser remetida ao juiz Marcos Faleiros, que terá a tarefa de decidir se recebe ou rejeita a denúncia do Ministério Público Estadual (MPE) contra Pitágoras Arruda.

Operação Regressus

Conforme as investigações, o servidor desviou cerca de R$ 26 mil do dinheiro que seria para pagar por exames psiquiátricos, destinando a uma conta no nome da mãe dele.

Os exames custam R$ 2 mil e, segundo a Polícia, ele cobrava R$ 6 mil, ficando com a diferença.

Para cometer os desvios, ele teria usado a senha pessoal do juiz Geraldo Fidelis. O magistrado fornecia a senha a servidores de confiança para trabalhos menores, em razão da carga elevada de processos.

Na audiência de custódia, o ex-assessor de Fidelis confessou o desvio de valores e alegou possuir problemas psiquiátricos.

Porém, ele nega participação no esquema de venda de progressão de pena.

Leia mais sobre o assunto: 

Justiça nega pedido de liberdade para ex-assessor de magistrado

"Eu tinha confiança nele; fechou o mundo para mim", afirma juiz

Polícia investiga se ex-golpista usava empresas para lavar dinheiro

PC prende ex-golpista famoso, traficante e ex-assessor de juiz


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2019
20.02.19 17h31 » Construtora terá que ressarcir Governo em R$ 18,2 mil
20.02.19 17h10 » Justiça acata recuperação judicial de empresa de ex-deputado
20.02.19 08h36 » Presidente do TJ assina termo de cooperação com o CNJ
20.02.19 08h29 » Disputa pela diretoria da Unimed se tranforma em guerra jurídica
20.02.19 08h19 » Juiz descobre irregularidades e afasta cartorária em MT
20.02.19 08h09 » Juiz declara incompetência e manda ação para a Justiça Federal
20.02.19 07h59 » Justiça manda empresa indenizar passageira que caiu em ônibus
18.02.19 16h14 » Juiz determina o retorno de delegado e agentes à Polícia Civil
18.02.19 15h41 » Avianca terá que indenizar adolescente que perdeu festa surpresa
18.02.19 14h39 » TJ condena NET e revendedora pelo uso ilegal do nome de mulher



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet