Artigos
  • VINÍCIUS SEGATTO
    O ato de licitar refere-se à oferta de algum bem ou serviço à coletividade, para que se atinja o valor mais adequado e plausível, mediante lances
  • EMANUEL BEZERRA JUNIOR
    Será que o momento atual é o mesmo de 1996, quando a Lei Kandir foi criada? Será que o modelo interessa?
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
J. Estadual / RISCO DE FUGA

Tamanho do texto A- A+
24.05.2018 | 16h43
Juiz nega liberdade para os acusados de matar personal trainer
Dupla esta presa desde o dia 16 de março na Penitenciária Central do Estado (PCE); dupla em São Paulo
Montagem/ MidiaNews
Walison Magno de Almeida e Guilherme Dias de Miranda são acusados de serem executor e mandante do crime
CÍNTIA BORGES
DA REDAÇÃO

O juiz Flávio Miraglia, da 12ª Vara de Criminal de Cuiabá, negou a soltura do empresário Guilherme Dias de Miranda, 35 anos, e de seu amigo de Wallisson Magno de Almeida, de 27, acusados pelo assassinato do personal trainer Danilo Campos, respectivamente. 

Na decisão, o magistrado também marca a audiência de instrução para o dia 29 de junho, às 14h. A decisão é desta quarta-feira (23). 

A dupla está detida na Penitenciária Central do Estado  (PCE) desde o dia 16 de março, quando chegaram de São Paulo (SP), onde foram presos. 

No pedido de soltura, a defesa dos acusados pediu a revogação da prisão preventiva alegando que ambos possuem residência fixa, emprego e que não há provas de que em liberdade os dois ameaçariam a ordem pública.

Entendo que o fato de os acusados possuírem residência fixa e ocupação lícita não são suficientes para suas liberdades, notadamente pelo fato de ambos terem fugido por quase três meses para outro Estado

O magistrado entendeu que pelos dois acusados terem fugido de Cuiabá após o decreto da prisão temporária (posteriormente convertida em preventiva), a restrição de liberdade deve ser mantida. 

“Entendo que o fato de os acusados possuírem residência fixa e ocupação lícita não são suficientes para suas liberdades, notadamente pelo fato de ambos terem fugido por quase três meses para outro Estado dificultando a investigação”.

Na decisão, Flávio Miraglia lembra que, no caso do empresário Guilherme, há indícios de que ele, dentre outro crimes, praticava estelionato. Já Walisson responde por homicídio em Várzea Grande.

“Aliado a isso, extrai-se do relatório da autoridade policial às fls. 579/597 que os acusados fugiram do distrito da culpa por quase três meses e mudaram-se para o Estado de São Paulo fazendo uso de identificação falsa”, diz trecho de decisão.

No pedido para soltura, a defesa alega que o medo de sofrer retaliação e agressão física, como relatado pelos acusados, não justifica a fuga empreendida, até porque, se há tal receio, o risco de nova tentativa de ocultação é evidente.

A dupla foi encontrada em um imóvel alugado em São Paulo (SP), no dia 9 de março. À época, a Polícia Civil informou que Guilherme foi flagrado usando documento falso.

Busca e apreensão

Reprodução

Flavio Miraglia

Juiz Flávio Miraglia

A defesa do capoeirista Wallisson pediu para que o decreto de busca e apreensão realizado na casa do capoeirista e que culminou na apreensão de seu celular fosse anulada. O argumento é de que que há “decisão fundamentada”.

O magistrado, no entanto, citou um trecho do entendimento do Superior Tribunal de Justiça, que diz que, “se o telefone celular foi apreendido em busca e apreensão determinada por decisão judicial, não há óbice para que a autoridade policial acesse o conteúdo armazenado no aparelho, inclusive as conversas do whatsapp. Para a análise e a utilização desses dados armazenados no celular não é necessária nova autorização judicial”.

O caso

O crime ocorreu no dia 8 de novembro de 2017, no Bairro Duque de Caxias, em Cuiabá.

O corpo do personal foi encontrado caído ao lado do carro, na Rua General Ramiro de Noronha. 

Testemunhas informaram que a vítima estacionou o carro e, ao descer, foi atingida por tiros efetuados pelo garupa de uma motocicleta, que posteriormente seguiu em direção à Avenida Miguel Sutil.

De acordo com as investigações da Delegacia de Homícidios e Proteção à Pessoa (DHPP), Guilherme Miranda acompanhou a execução da vítima de dentro do próprio carro, um Honda Civic preto.

Leia mais sobre o assunto:

Justiça manda investigar vazamento de informação de inquérito

Acusado de matar personal fica em silêncio em depoimento

Delegada indicia acusados e tenta estender prazo de prisão


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
22.10.18 16h00 » Juiz nega tirar tornozeleira e proíbe procurador de viajar para o RJ
20.10.18 11h44 » Desembargador manda soltar investigadores suspeitos de tortura
20.10.18 11h38 » Juiz afirma que cabo da PM "não merece qualquer credibilidade"
19.10.18 18h45 » Cabo Gerson tem nova prisão decretada após ir a casa noturna
19.10.18 18h18 » Juiz fixa fiança de R$ 10 mil e solta empresário preso pela PF
19.10.18 18h02 » Desembargador do TJ manda soltar delegado acusado de tortura
19.10.18 15h16 » TJ suspende eleição para corregedor-geral da Defensoria
19.10.18 10h10 » Taxa de condomínio deve ser igual para morador de cobertura de prédio
18.10.18 15h45 » Juiz manda desocupar área que será revitalizada em Cuiabá
17.10.18 17h21 » Juiz condena dentista por morte de gerente após extração do siso



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet