Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Quem exige tributo deve apontar o seu exato valor, com critérios objetivos
  • GISELE NASCIMENTO
    É assustador o tanto de mulheres que têm sido assassinadas em Mato Grosso nos últimos tempos
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    Não agir com igualdade perante todos significa um torpedo contra a própria noção de justiça
J. Estadual / TRANSPORTE ESCOLAR

Tamanho do texto A- A+
16.04.2018 | 15h32
Justiça manda bloquear R$ 6 milhões da Prefeitura de Chapada
De acordo com os autos, os estudantes estavam sendo transportados em veículos considerados inaptos pelo Detran,
Alair Ribeiro/MídiaNews
A prefeita de Chapada dos Guimarães, Thelma de Oliveira
DA REDAÇÃO

A Justiça acatou o pedido do Ministério Público Estadual e mandou bloquear, via Sistema Bacenjud, R$ 6.350.707,92 das contas da Prefeitura de Chapada dos Guimarães para a contratação imediata de empresa responsável pelo fornecimento do transporte escolar no município.

O bloqueio visa, ainda, fazer os reparos e manutenção nos veículos que estão impossibilitados de uso.

A Promotoria de Chapada dos Guimarães ingressou com ação civil pública em razão da precariedade do transporte escolar ofertado pela prefeitura às crianças e adolescentes residentes na zona rural do município.

De acordo com os autos, os estudantes estavam sendo transportados em veículos considerados inaptos pelo Detran, colocando em risco a integridade física dos alunos.

Conforme vistoria realizada nos veículos que fazem o transporte escolar, os mesmos estavam em péssimas condições mecânicas, faltando faróis, estepes, espelhos, retrovisor, para choques, limpador de para-brisas, lanternas, pneus, placas, cinto de segurança, entre outros equipamentos, fazendo com que o MPE requeresse que os mesmos fossem retirados de circulação.

“O poder público, ora executado, não deve ficar alheio às irregularidades apresentadas, muito menos esperar que o pior aconteça, assim como ocorreu no município de Itapetininga/SP, onde um acidente com o ônibus escolar deixou mortos e feridos”, diz trecho da ação.

Na decisão, o magistrado pontuou que “que causa espécie ao juízo o descaso do requerido para com a ação civil pública, porque não há possibilidade de desenvolvimento social, de toda espécie, sem o implemento de políticas públicas que garantam ao cidadão, principalmente ao em formação, o acesso à educação.

Percebo, desta forma, que garantir o acesso à educação através do transporte é tão basilar quanto o próprio ensino em si, não havendo como dissociar um serviço público do outro”.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Abril de 2018
21.04.18 17h00 » TJ nega novo recurso e obriga Bezerra e Teté a pagar engenheiro
20.04.18 15h39 » Juiz acata pedido do MPE e condena Wilson a ressarcir o erário
19.04.18 17h18 » Justiça manda investigar vazamento de informação de inquérito
19.04.18 17h01 » Juíza condena servidores e empresários por fraude na Sefaz
19.04.18 11h37 » Juíza anula efetivação dada a ex-secretário de Finanças da AL
19.04.18 11h29 » TJ-MT volta a negar férias e auxílio-moradia a juiz afastado
19.04.18 11h06 » Juiz autoriza ex-secretário a participar de evento agropecuário
19.04.18 10h42 » Acusação prescreve e deputado se livra de ação de improbidade
18.04.18 11h02 » Alvo da Bereré, EIG vai ao TJ para tentar derrubar intervenção
18.04.18 10h47 » Justiça acata ação da Fazenda Pública contra família Riva



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet