Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Quando o valor do dólar aumenta frente o real, a Petrobras majora o preço dos combustíveis junto às refinarias
  • ROSANA LEITE DE BARROS
    A Câmara aprovou legislação estabelecendo medidas de combate à discriminação contra transgêneros
  • VINÍCIUS SEGATTO
    O ato de licitar refere-se à oferta de algum bem ou serviço à coletividade, para que se atinja o valor mais adequado e plausível, mediante lances
  • EMANUEL BEZERRA JUNIOR
    Será que o momento atual é o mesmo de 1996, quando a Lei Kandir foi criada? Será que o modelo interessa?
J. Estadual / PALETÓ

Tamanho do texto A- A+
12.04.2018 | 15h34
Desembargadora nega pedido da Câmara e mantém CPI suspensa
Suspensão havia sido determinada pelo juiz Márcio Soares de Carvalho, atendendo um pedido de vereador
Arquivo/MidiaNews
A desembargadora Helena Maria Bezerra Ramos, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso
LEONARDO HEITOR
DO FOLHAMAX

A desembargadora Helena Maria Bezerra Ramos, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, negou um pedido de efeito suspensivo protocolado pela Câmara Municipal de Cuiabá.

Com isso, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) continua suspensa.

A suspensão da “CPI do Paletó” foi determinada pelo juiz Márcio Soares de Carvalho, atendendo um pedido do vereador Diego Guimarães (PP). O parlamentar ingressou com a ação alegando que, após a oposição conseguir as 9 assinaturas necessárias para abertura da CPI, diversos parlamentares da base aliada do prefeito também assinaram o requerimento. 

O objetivo, segundo a ação, era garantir que aliados do prefeito ocupassem maioria na comissão. Guimarães alega que os vereadores Adevair Cabral (PSDB) e Mário Nadaf (PV), relator e membro da CPI, só assinaram o requerimento após ele ter sido protocolado já com objetivo de compor a comissão.

Os argumentos foram acatados pelo magistrado de 1º grau e reforçado pela desembargadora. Ela aponta que o erro na composição pode “macular” o trabalho investigativo.  

“Ademais, a não suspensão do procedimento da Comissão Parlamentar de Inquérito conforme determinada pelo Magistrado Singular poderá implicar em dano ou em risco ao resultado útil do processo, ante a continuidade do procedimento de forma aparentemente irregular e com composição, em tese, viciada”, diz trecho da decisão de Helena Maria Bezerra Ramos.

A Câmara alegou que o apontamento de Diego Guimarães não procedia, tendo em vista que, segundo a Casa de Leis, o vereador Adevair Cabral (PSDB) não seria da base aliada do prefeito Emanuel Pinheiro, usando as eleições de 2016 como argumento.

“Destacam, ainda, que o PSDB, agremiação à qual o vereador Adevair Cabral pertence, não é da base aliada do Prefeito Emanuel Pinheiro, tendo inclusive lançado candidato próprio à eleição de 2016 (Wilson Santos), o qual disputou o segundo turno com o investigado”, diz a justificativa da Câmara.

A desembargadora aponta ainda que o regimento interno da Câmara Municipal de Cuiabá prevê que as CPIs podem ser criadas independentemente de deliberação do Plenário da Casa, mediante apenas o protocolo de um requerimento assinado por no mínimo nove vereadores. Ela também destaca que o regimento não prevê assinaturas posteriores ao protocolo.

“Ressalto, ainda, que não se vislumbra dos demais dispositivos do Regimento Interno da Câmara Municipal de Cuiabá relativos ao procedimento das Comissões Parlamentares de Inquérito, a autorização de aposição de assinatura dos demais vereadores em momento posterior ao protocolo do requerimento”.

Com este entendimento, os vereadores Adevair Cabral e Mário Nadaf, respectivamente relator e membro da comissão, não poderiam integrar a referida CPI, já que assinaram o requerimento somente após ele ter sido protocolado.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
23.10.18 11h35 » Juiz condena ex-conselheiro a 28 anos de prisão por desvios na AL
22.10.18 16h00 » Juiz nega tirar tornozeleira e proíbe procurador de viajar para o RJ
20.10.18 11h44 » Desembargador manda soltar investigadores suspeitos de tortura
20.10.18 11h38 » Juiz afirma que cabo da PM "não merece qualquer credibilidade"
19.10.18 18h45 » Cabo Gerson tem nova prisão decretada após ir a casa noturna
19.10.18 18h18 » Juiz fixa fiança de R$ 10 mil e solta empresário preso pela PF
19.10.18 18h02 » Desembargador do TJ manda soltar delegado acusado de tortura
19.10.18 15h16 » TJ suspende eleição para corregedor-geral da Defensoria
19.10.18 10h10 » Taxa de condomínio deve ser igual para morador de cobertura de prédio
18.10.18 15h45 » Juiz manda desocupar área que será revitalizada em Cuiabá



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet