Artigos
  • VINÍCIUS SEGATTO
    Você já se questionou por qual razão ele existe, qual a sua verdadeira aplicabilidade ou, até mesmo, qual é ou será o seu destino?
J. Estadual / CONDENAÇÃO

Tamanho do texto A- A+
10.04.2018 | 09h58
Juiz manda delator de esquema na Seduc pagar dívida de aluguel
Luiz Fernando da Costa Rondon deverá pagar sete meses de aluguel, acrescidos de juros e multa
Reprodução
O juiz Luiz Octavio Saboia Ribeiro, que mandou delator pagar dívida
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O juiz Luiz Octávio Saboia Ribeiro, da 4ª Vara Cível de Cuiabá, condenou o empresário Luiz Fernando da Costa Rondon e sua empresa, a Construtora Panamericana Ltda, a pagarem sete meses de alugueis devidos à empresa Viviane Lima – ME.

A decisão é do último dia 27 e cabe recurso.

A dívida é de aproximadamente R$ 22 mil, e deve ser paga com acréscimo de juros, multa de 10%, mais R$ 3 mil de multa rescisória, e 15% do valor da dívida a título de honorários, sendo descontados os R$ 6 mil já pagos pelo empreiteiro.

Luiz Rondon é delator da Operação Rêmora, que apura esquema de fraudes em diversas licitações na Seduc para construção e reforma de escolas, por meio da exigência de propina aos empresários que formavam o cartel.

Na ação de cobrança, a empresa Viviane Lima afirmou que locou um imóvel para a construtora, mas a partir de setembro de 2013 não houve mais os pagamentos dos alugueis devidos, situação que durou até março de 2014.

Tem-se que a parte ré deve à autora os alugueis de setembro de 2013 a março de 2014, pois por se tratarem de prestações periódicas

Apesar de ter notificado extrajudicialmente a construtora e o dono Luiz Rondon, a locadora disse que não teve êxito em receber o que lhe era devido, sendo que a dívida já havia ultrapassado a faixa dos R$ 40 mil.

Em 2014, a Justiça atendeu o requerimento liminar (provisório) e determinou que a construtora fosse despejada do imóvel. Antes da decisão ser cumprida, o local foi desocupado.

Por sua vez, a Construtora Panamericana afirmou que teve problemas financeiros, mas chegou a fazer um acordo com a empresa Viviane Lima após a desocupação do imóvel, “efetuando inclusive um depósito de R$ 6.000,00 à parte autora”.

A empreiteira ainda requereu que esses R$ 6 mil fossem abatidos da dívida, que não fossem aplicadas multas e que a empresa que locou o imóvel fosse condenada por litigância de má-fé (mentir no processo), em razão de não ter citado que parte do valor tinha sido quitado.

Já o empresário Luiz Rondon não se manifestou na ação.

Dívida confirmada

De acordo com o juiz Luiz Ribeiro, a Lei do Inquilinato prevê que a falta de pagamento de alugueis é motivo suficiente para a rescisão do contrato de aluguel e o direito de ter o crédito recebido.

“De tal sorte, a cessação do pagamento dos alugueres pelos requeridos autoriza o acolhimento da pretensão de cobrança dos débitos existentes”.

O magistrado citou que a construtora e o empresário não comprovaram o pagamento dos alugueis cobrados pela empresa Viviane Lima –ME.

luiz rondon e forum de cuiabá

O empresário Luiz Rondon (detalhe), delator da Rêmora

“Note-se ainda, que o contrato de locação existente entre as partes estabelece na cláusula 3º, em seu parágrafo segundo, que durante a locação, os locatários se obrigavam ao pagamento dos tributos incidentes sobre o imóvel, inclusive o IPTU, além das taxas municipais, despesas com o consumo de água e luz, o que torna pertinente e devido o pleito dos valores cobrados”.

Luiz Ribeiro disse também que outras duas cláusulas do contrato preveem multa de três vezes o valor do aluguel em caso de inadimplência, além de outra multa de 10%.

“Assim, tem-se que a parte ré deve à autora os alugueis de setembro de 2013 a março de 2014, pois por se tratarem de prestações periódicas, em que incide sobre o débito as prestações que venceram e não foram pagos até a data da efetiva desocupação do imóvel, entendida, no caso dos autos, como sendo março de 2014”.

O juiz ainda determinou que o empresário comprove o pagamento das contas de água, luz e IPTU do imóvel, sob pena de que possível débitos em relação a essas faturas sejam incluídas na ordem de pagamento.

“Ante todo o exposto, com fulcro no que estabelece o art. 487, inc. I, do CPC, julgo parcialmente procedentes os pedidos vertidos na presente ação de despejo, para declarar rescindido o contrato de locação mantido entre as partes, bem como para condenar os requeridos Construtora Panamericana LTDA e Luiz Fernando da Costa Rondon a efetuar o pagamento de todos os alugueis vencidos e não pagos, desde setembro/203 a março/2014, corrigidos pelo INPC a partir data de vencimento dos alugueres, acrescidos de juros de 1% e multa de 10%, tendo, como norte que o valor do aluguel de R$ 3.050,00. Devendo, ser abatido do montante atualizado o valor já pago a autora de R$ 6.000,00”, decidiu.

Leia mais sobre o assunto:

"Sistema já estava montado, ou pagava a propina ou não recebia"

Delator confessa propina e diz que esquema ocorria desde 2013


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2018
12.12.18 17h17 » TJ mantém condenação por morte de criança eletrocutada em VG
10.12.18 17h16 » TJ libera Paulo Taques para baile de formatura do filho
10.12.18 14h45 » Juiz determina retorno de prefeita ao citar irregularidade em afastamento
10.12.18 11h00 » TJMT adquire detectores de metal para as 79 comarcas
07.12.18 15h25 » TJ vê culpa de passageira que perdeu o braço e reduz indenização
06.12.18 17h30 » Ex-vereador de Cuiabá e mais oito são condenados à prisão
03.12.18 13h55 » Juiz nega inclusão de 2 empresas em recuperação de grupo
03.12.18 13h02 » Deputados devem se defender contra decisão que aceitou denúncia
Novembro de 2018
30.11.18 17h15 » TJ mantém condenação de mãe que fez filha comer fezes em MT
29.11.18 16h03 » TJ impõe multa a Romoaldo após condenação por improbidade



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet