Artigos
  • EMANUEL BEZERRA JUNIOR
    Será que o momento atual é o mesmo de 1996, quando a Lei Kandir foi criada? Será que o modelo interessa?
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
J. Estadual / ALVO DA “IMPERADOR”

Tamanho do texto A- A+
08.04.2018 | 16h25
Tribunal nega recurso e não devolve Hilux a ex-secretário da AL
Djalma Ermenegildo é acusado de ajudar o ex-deputado Riva em desvio de R$ 62 milhões
MidiaNews
O desembargador Paulo da Cunha, relator do recurso
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT) negou recurso interposto pelo ex-secretário de Administração da Assembleia, Djalma Ermenegildo, que pedia a restituição de sua Toyota Hilux, que foi sequestrada pela Justiça.

A decisão é do dia 27 de março e foi dada pela 1ª Câmara Criminal do TJ-MT.

Djalma Ermenegildo é réu da ação penal derivada da Operação Imperador, que apura suposto esquema que desviou mais de R$ 62 milhões dos cofres da Assembleia Legislativa, por meio de empresas fornecedoras de materiais do Legislativo.

A fraude, segundo o MPE, ocorreu no período de 2005 a 2009 e tinha como base o suposto fornecimento de material de expediente para o Parlamento. Foi apurado que os materiais não existiam, mas eram atestados para justificar pagamentos milionárias a gráficas “fantasmas”.

O sequestro de bens previsto na legislação especial pode alcançar, em tese, qualquer bem do indiciado ou acusado por crime que implique prejuízo à Fazenda Pública

O ex-secretário chegou a ser preso em 2015 pelos fatos, após a suspeita de que ele teria extraviado documentos da Assembleia que poderiam esclarecer fatos relativos às investigações.

Em outra ação sobre o mesmo esquema, Riva (que é réu confesso) foi condenado a 26 anos, sete meses e 20 dias de prisão por peculato e associação criminosa, além da devolução de R$ 37,2 milhões aos cofres públicos.

O pedido para a devolução da Toyota Hilux aprendida durante o cumprimento do sequestro de bens foi feito para a juíza Selma Arruda (hoje aposentada), em janeiro de 2016.

Na ocasião, Djalma alegou que necessitava do veículo, especialmente por ter um filho tetraplégico. Todavia, a magistrada afirmou que não poderia restituir a Toyota, pois o carro foi sequestrado, e não apenas apreendido.

“O sequestro de que foi objeto o bem é medida cautelar que visa o ressarcimento do dano ao erário público em caso de procedência da denúncia e, por este motivo, independe de prova de que tenha sido adquirido com o produto do crime”, disse a juíza.

Sequestro mantido

Djalma então recorreu sob o argumento de que a juíza não indicou de forma pormenorizada quais bens teriam sido adquiridos com verba pública supostamente desviada, “bem como não apontou de forma individualizada as condutas supostamente perpetradas pelo apelante e demais corréus, o que vai de encontro aos princípios da adequação e da proporcionalidade”.

djalma ermenegildo

O ex-secretário de Administração da Assembleia, Djalma Ermenegildo

O relator do recurso, desembargador Paulo da Cunha, discordou da tese. Ele mencionou que a decisão que determinou o sequestro de bens foi “proferida de maneira fundamentada e apontou detalhadamente os indícios de materialidade e autoria das condutas ilícitas supostamente praticadas pelo recorrente e demais corréus”.

“Com efeito, o sequestro de bens previsto na legislação especial pode alcançar, em tese, qualquer bem do indiciado ou acusado por crime que implique prejuízo à Fazenda Pública, diferentemente das idênticas providências cautelares previstas no Código de Processo Penal, que atingem somente os bens resultantes do crime ou adquiridos com o proveito da prática delituosa. Tem-se, portanto, um tratamento mais rigoroso para o autor de crime que importa dano à Fazenda Pública, sendo irrelevante, na hipótese, o exame em torno da licitude da origem do bem constrito”.

Desta forma, o magistrado votou por manter o sequestro do veículo, sendo acompanhado de forma unânime pelos desembargadores Marcos Machado e Orlando Perri.

Leia mais sobre o assunto:

Juíza condena Riva a 26 anos e devolução de R$ 37,2 milhões

TJ manda soltar ex-secretário da AL acusado de destruir provas


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
20.10.18 11h44 » Desembargador manda soltar investigadores suspeitos de tortura
20.10.18 11h38 » Juiz afirma que cabo da PM "não merece qualquer credibilidade"
19.10.18 18h45 » Cabo Gerson tem nova prisão decretada após ir a casa noturna
19.10.18 18h18 » Juiz fixa fiança de R$ 10 mil e solta empresário preso pela PF
19.10.18 18h02 » Desembargador do TJ manda soltar delegado acusado de tortura
19.10.18 15h16 » TJ suspende eleição para corregedor-geral da Defensoria
19.10.18 10h10 » Taxa de condomínio deve ser igual para morador de cobertura de prédio
18.10.18 15h45 » Juiz manda desocupar área que será revitalizada em Cuiabá
17.10.18 17h21 » Juiz condena dentista por morte de gerente após extração do siso
17.10.18 17h10 » Réu por desvio na Assembleia, ex-secretário perde aposentadoria



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet