Artigos
  • JUNIOR MACAGNAM
    Em mais de 30 anos de democracia, de que valeu o foro especial? Apenas para a corrupção
  • VICTOR MAIZMAN
    Pela iniciativa popular, podem ser criadas não somente leis, como também, revogá-las
  • CARLOS RAFAEL DE CARVALHO
    Medida deve ser avaliada com ressalvas porque pode beneficiar mais aos bancos do que aos consumidores
J. Estadual / AUDIÊNCIA DOS GRAMPOS

Tamanho do texto A- A+
09.02.2018 | 16h57
"Diante da repercussão do caso, temi pela minha vida", diz PM
Sargento da PM Andréia Pereira Cardoso prestou depoimento na Justiça
Alair Ribeiro/MidiaNews
A sargento da Polícia Militar, Andréia Pereira de Moura Cardoso, que depõem nesta sexta
THAIZA ASSUNÇÃO
DA REDAÇÃO

A sargento da Polícia Militar Andréia Pereira Cardoso, que atuou nas interceptações clandestinas comandadas por policiais militares, está depondo agora à tarde ao juiz Murilo Moura Mesquita, da 11ª Vara Criminal Especializada da Justiça Militar da Comarca de Cuiabá, na ação penal sobre o caso.

A audiências da ação investiga a conduta de policiais militares começaram nesta sexta-feira (9), após o magistrado levantar o sigilo dos autos.

Ela revelou que, diante da repercussão que o caso teve, temeu pela própria vida. "Diante da repercussão que teve na imprensa, meu nome foi divulgado, eu temi pela minha vida sim", afirmou, ao ser questionada pelo juiz. 

Em seu depoimento, ela garantiu que, em nenhum momento, desconfiou que as interceptações pudessem ser criminosas, ou seja, sem o embasamento do Judiciário.

São réus do esquema o ex-comandante da Polícia Militar, coronel Zaqueu Barbosa; os coronéis Evandro Alexandre Lesco e Ronelson Barros, ex-chefe e ex-adjunto da Casa Militar, respectivamente; o coronel Januário Batista; e o cabo Gérson Correa Júnior. Dos cinco, apenas Zaqueu e Gérson continuam presos.

A policial militar contou que começou a trabalhar nas escutas, que funcionavam em um escritório na região central de Cuiabá, no início 2014, ficando no posto até julho de 2015.

Ela revelou que seu papel era ouvir as conversas, transcrevê-las e entregar o conteúdo ao cabo Gerson. “Os trabalhos lá no escritório foi até julho de 2015 mas depois continuou por 40 dias na minha casa”, afirmou. Ela também contou que, em nenhum momento, teve acesso às decisões judiciais e que apenas recebia uma lista com os nomes de quem estava sendo grampeado. 

“Em nenhum momento desconfiei que eram escutas ilegais, afirmou. “Por ter sido um trabalho designado pelo comandante Zaqueu, nunca imaginei que fosse irregular”.

A sargento afirmou ainda que, depois quando passou a ouvir as gravações de sua casa, o fazia através de um aplicativo de celular, instalado pelo cabo Euclides Torezan, que também foi citado nas investigações.

Barros diz que Sentinela não poderia aparecer, diz cabo (atualizada às 15 horas)

O cabo da Polícia Militar Euclides Torezan, que chegou a ser preso pelo caso dos grampos clandestinos operado por policiais militares em Mato Grosso, também prestou depoimento.

Ele disse que, logo após o caso vir à tona, foi procurado pelo coronel Ronelson Barros, ex-secretário adjunto da Casa Militar.

“Em uma sexta eu fui procurado pelo coronel Barros após a divulgação do escandalo na mídia. Ele disse que eu ia ser chamado a prestar esclarecimentos já que meu nome havia sido citado pela sargento Andrea”, relatou.

“O Barros disse que o sistema Sentinela não poderia aparecer, afirmou o policial.

Torezan havia sido citado no depoimento espontâneo da sargento Andrea Cardoso prestado à Corregedoria da corporação. Ela confessou ter trabalhado na central de escutas telefônicas montada pelo Núcleo de Inteligência da PM num apartamento no Centro da capital sob a justificativa de investigar tráfico de drogas com envolvimento de policiais da instituição.

 

Torezan reclamou que teve o nome "jogado no lixo", mesmo ele não tendo conhecimento de qualquer irregularidade. "Meu interesse era apenas e extremamente desenvolver o sistema para vender e me desligar da PM", afirmou. 

 


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Maio de 2018
18.05.18 18h04 » TJ desobriga nova administração de pagar aluguel de R$ 1 milhão
18.05.18 17h38 » Justiça afasta PMs que fizeram sexo com jovens em viatura
18.05.18 09h21 » Juiz impede Zaqueu de comparecer ao casamento da sobrinha
17.05.18 11h18 » Defesa pede soltura e diz que crimes imputados são antigos
16.05.18 17h31 » Juiz suspende projeto que permite reeleição para presidente
16.05.18 17h10 » Juiz determina retirada da tornozeleira de dois alvos da Rêmora
16.05.18 15h27 » TJ nega ação da AL e mantém proibição da soltura de deputado
16.05.18 11h28 » Desembargador nega HC a advogado acusado por morte de sócio
16.05.18 09h12 » Tribunal nega pedido da EIG e mantém intervenção em contrato
15.05.18 15h10 » Zuquim diz que não proibiu AL de votar, mas sim a soltura



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet