Artigos
  • JUNIOR MACAGNAM
    Em mais de 30 anos de democracia, de que valeu o foro especial? Apenas para a corrupção
  • VICTOR MAIZMAN
    Pela iniciativa popular, podem ser criadas não somente leis, como também, revogá-las
  • CARLOS RAFAEL DE CARVALHO
    Medida deve ser avaliada com ressalvas porque pode beneficiar mais aos bancos do que aos consumidores
J. Estadual / CASO OLVEPAR

Tamanho do texto A- A+
06.02.2018 | 13h25
Falência de empresa é concluída; dívidas somam R$ 551 milhões
Processo durou 17 anos; é o mais complexo e maior falência empresarial do Estado
Reprodução
A juíza Anglizey Solivan de Oliveira(detalhe)
DIEGO FREDERICI
FOLHAMAX

A síndica do processo de falência da Olvepar Indústria e Comércio apresentou na última quinta-feira o quadro de credores, que é um passo importante para aqueles que ainda possuem dívidas com a empresa, que até 2002 possuia uma fábrica esmagadora de soja além de 9 armazéns espalhados em Mato Grosso. Os débitos débitos da empresa somam R$ 551.327.313,96 milhões.

A juíza Anglizey Solivan de Oliveira homologou a lista dos valores apresentados após um trabalho de reorganização do processo de falência. A decretação da falência ocorreu em 2002, porém, o processo já se arrasta na justiça há 17 anos.

Segundo os advogados que atuam no processo, com a consolidação do quadro geral de credores, a esperança é que a ação possa ser concluída. “Com a consolidação do Quadro Geral de Credores, após o julgamento de eventuais impugnações, conclui-se importante etapa do processo, com o fim de encaminhar ao encerramento da falência, que se arrasta há mais de 17 anos desde o ajuizamento do pedido de concordata preventiva”, diz o documento.

A falência da Olvepar é conhecida como a “maior” e mais “complexa” em Mato Grosso. A empresa foi considerada falida pela Justiça em agosto de 2002 por não ter honrado compromissos firmados em seu pedido de concordata, no ano 2000, que estabelecia o pagamento de 75% de sua dívida, mais juros de 12% ao mês e correção monetária, num período de 12 meses.

Na época, a dívida da empresa era de R$ 225,2 milhões. Apesar da conclusão da perícia, os credores ainda podem solicitar impungações.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Maio de 2018
18.05.18 18h04 » TJ desobriga nova administração de pagar aluguel de R$ 1 milhão
18.05.18 17h38 » Justiça afasta PMs que fizeram sexo com jovens em viatura
18.05.18 09h21 » Juiz impede Zaqueu de comparecer ao casamento da sobrinha
17.05.18 11h18 » Defesa pede soltura e diz que crimes imputados são antigos
16.05.18 17h31 » Juiz suspende projeto que permite reeleição para presidente
16.05.18 17h10 » Juiz determina retirada da tornozeleira de dois alvos da Rêmora
16.05.18 15h27 » TJ nega ação da AL e mantém proibição da soltura de deputado
16.05.18 11h28 » Desembargador nega HC a advogado acusado por morte de sócio
16.05.18 09h12 » Tribunal nega pedido da EIG e mantém intervenção em contrato
15.05.18 15h10 » Zuquim diz que não proibiu AL de votar, mas sim a soltura



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet