Artigos
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    Barroso e Marco Aurélio repugnam ato de Toffoli. Há duas iniciativas contra esse absurdo chamado foro privilegiado
  • RENATO GOMES NERY
    Parece que estamos fadados ao cruel destino de continuar a conviver com edificações malfeitas!
J. Estadual / "ISTO É VERGONHOSO"

Tamanho do texto A- A+
05.02.2018 | 18h05
Tribunal nega pensão para netas com mais de 30 anos
Uma das netas tem 33 anos de idade, já possui mestrado e é sócia de uma empresa, diz relator
Reprodução
Fachada do Tribunal de Justiça de Mato Grosso
DA REDAÇÃO

Conceder pensão alimentícia para netas capazes e com mais de 30 anos de idade seria oficializar o ócio. Com esse entendimento, a Segunda Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso negou recurso interposto por duas mulheres que ingressaram com ação de alimentos contra a avó na tentativa de manter a pensão que recebiam por força de liminar.

“Isto é vergonhoso, maiores, capazes, pretenderem continuar sugando sua avó, não havendo, por mais que se tente, qualquer prova capaz de constituir o seu direito e, neste aspecto, este fato superveniente, bem definido na sentença de piso, é o quanto basta para concluir que, mantendo a pensão contra as apelantes, estaria indo contra o próprio estatuto do idoso e até oficializando o ócio”, considerou o relator no acórdão.
 
De acordo com o relator do recurso, desembargador Sebastião de Moraes Filho, uma das netas tem 33 anos de idade, já possui mestrado e é sócia de uma empresa. A outra tem 30 anos e ainda não concluiu curso superior, fato que buscou justificar a necessidade de continuar recebendo a pensão.

Isto é vergonhoso, maiores, capazes, pretenderem continuar sugando sua avó, não havendo, por mais que se tente, qualquer prova capaz de constituir o seu direito

 
Conforme consta dos autos, elas ajuizaram ação de alimentos contra o pai em 2005, no Estado de São Paulo, e obtiveram parecer favorável em caráter liminar para receber a pensão. O feito foi enviado para o juízo de Sinop (500 km ao norte de Cuiabá), onde o mérito da ação foi julgado improcedente somente em 2016, por não comprovar a situação extraordinária em que a avó, pensionista, deveria responder pela inadimplência do pai.
 
Naquela oportunidade, as apelantes eram menores e, desde então, beneficiadas pela liminar concedida, estavam recebendo a pensão, até que o magistrado de piso, recebendo o recurso tão somente no seu efeito devolutivo, determinou que a fonte pagadora excluísse da pensão esse encargo, situação que perdurou por quase 15 anos.
 
O magistrado mencionou na decisão que o caso não se aplica ao art. 1.694 do Código Civil, que trata da necessidade de percepção dos alimentos, “tratando-se, em verdade, de atitudes condenáveis sob todos os aspectos, de retirarem de sua avó parte da pensão que percebe, numa situação que afronta a lei, a moral, os bons costumes, legítimas litigantes de má fé”.
 
Além do recurso negado, a Câmara majorou o valor das custas processuais e dos honorários advocatícios, passando de R$ 3 mil para R$ 5 mil.
 
Acompanharam o voto do relator a desembargadora Nilza Maria Pôssas de Carvalho (1ª vogal convocada) e desembargadora Clarice Claudino da Silva (2ª vogal).
 
O processo tramita em segredo de justiça.

Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2018
22.02.18 16h31 » Diretor da EIG tentou acessar inquérito após delação; STF negou
21.02.18 17h20 » Juiz atende pedido e afasta vereador que tentou cassar prefeito
21.02.18 17h03 » CPI do Paletó pode ter acareação entre delator e ex-secretário
21.02.18 16h48 » Juíza adita delação e manda retirar tornozeleira de ex-secretário
21.02.18 14h30 » Zanatta nega obstrução e diz que gravou Sílvio para se resguardar
21.02.18 10h02 » TJ mantém sentença que assegura segurança privada em policlínicas
21.02.18 09h59 » Alvo do Gaeco, empresa depositou R$ 4,2 milhões para consultor
20.02.18 17h48 » Eder cita “espetáculo midiático” e diz que vai acionar promotores
20.02.18 15h29 » Alvos de operação, advogado e irmão movimentaram R$ 4 milhões
20.02.18 15h13 » Sargento chora e nega grampos: "Eu dava o sangue pelo Gaeco"



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet