Artigos
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
  • LUIZ GONÇALO DA SILVA
    O posicionamento do STF amplia a possibilidade de surgimento de novas empresas e de ampliação de postos de trabalho
  • LEONARDO CAMPOS
    Impôs derrotas acachapantes, renovou na medida de sua vontade e deixou claro suas prioridades mais imediatas
J. Estadual / "ISTO É VERGONHOSO"

Tamanho do texto A- A+
05.02.2018 | 18h05
Tribunal nega pensão para netas com mais de 30 anos
Uma das netas tem 33 anos de idade, já possui mestrado e é sócia de uma empresa, diz relator
Reprodução
Fachada do Tribunal de Justiça de Mato Grosso
DA REDAÇÃO

Conceder pensão alimentícia para netas capazes e com mais de 30 anos de idade seria oficializar o ócio. Com esse entendimento, a Segunda Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso negou recurso interposto por duas mulheres que ingressaram com ação de alimentos contra a avó na tentativa de manter a pensão que recebiam por força de liminar.

“Isto é vergonhoso, maiores, capazes, pretenderem continuar sugando sua avó, não havendo, por mais que se tente, qualquer prova capaz de constituir o seu direito e, neste aspecto, este fato superveniente, bem definido na sentença de piso, é o quanto basta para concluir que, mantendo a pensão contra as apelantes, estaria indo contra o próprio estatuto do idoso e até oficializando o ócio”, considerou o relator no acórdão.
 
De acordo com o relator do recurso, desembargador Sebastião de Moraes Filho, uma das netas tem 33 anos de idade, já possui mestrado e é sócia de uma empresa. A outra tem 30 anos e ainda não concluiu curso superior, fato que buscou justificar a necessidade de continuar recebendo a pensão.

Isto é vergonhoso, maiores, capazes, pretenderem continuar sugando sua avó, não havendo, por mais que se tente, qualquer prova capaz de constituir o seu direito

 
Conforme consta dos autos, elas ajuizaram ação de alimentos contra o pai em 2005, no Estado de São Paulo, e obtiveram parecer favorável em caráter liminar para receber a pensão. O feito foi enviado para o juízo de Sinop (500 km ao norte de Cuiabá), onde o mérito da ação foi julgado improcedente somente em 2016, por não comprovar a situação extraordinária em que a avó, pensionista, deveria responder pela inadimplência do pai.
 
Naquela oportunidade, as apelantes eram menores e, desde então, beneficiadas pela liminar concedida, estavam recebendo a pensão, até que o magistrado de piso, recebendo o recurso tão somente no seu efeito devolutivo, determinou que a fonte pagadora excluísse da pensão esse encargo, situação que perdurou por quase 15 anos.
 
O magistrado mencionou na decisão que o caso não se aplica ao art. 1.694 do Código Civil, que trata da necessidade de percepção dos alimentos, “tratando-se, em verdade, de atitudes condenáveis sob todos os aspectos, de retirarem de sua avó parte da pensão que percebe, numa situação que afronta a lei, a moral, os bons costumes, legítimas litigantes de má fé”.
 
Além do recurso negado, a Câmara majorou o valor das custas processuais e dos honorários advocatícios, passando de R$ 3 mil para R$ 5 mil.
 
Acompanharam o voto do relator a desembargadora Nilza Maria Pôssas de Carvalho (1ª vogal convocada) e desembargadora Clarice Claudino da Silva (2ª vogal).
 
O processo tramita em segredo de justiça.

Voltar   

1 Comentário(s).
Um processo tão simples e ainda há recursos para serem manejados pelas partes, podemos aceitar que embora acertava e correta, houve Justiça?, isso tendo em vista estar tramitando há 15 anos. Os magistrados de primeiro grau, há um pelo menos punido correicionalmente
enviada por: Maurílio Rodrigues de Mattos    Data: 05/02/2018 23:11:21
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
16.10.18 15h01 » Consórcio pede que Justiça proíba eventos na Arena Pantanal
16.10.18 14h33 » Juiz proíbe Arcanjo de dormir nos finais de semana em fazenda
16.10.18 14h05 » Juiz quer saber se Chico Lima viajou para o Rio de Janeiro
16.10.18 11h31 » TJ vai implantar câmeras e detectores de metal em fóruns de MT
16.10.18 08h25 » Assassino de mulher e enteada é condenado a 40 anos de prisão
15.10.18 17h46 » Justiça determina que tarifa volte a custar R$ 4; Governo recorre
15.10.18 16h58 » PM que desviou verba de combustível é condenado por peculato
15.10.18 16h51 » Juiz condena dois servidores por compra "absurda" de gasolina
15.10.18 16h42 » Juiz dá 10 dias para ex-secretário colocar tornozeleira eletrônica
15.10.18 15h57 » Juíza não vê provas e nega afastar secretário de Saúde de Cuiabá



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet