Artigos
  • JUNIOR MACAGNAM
    Em mais de 30 anos de democracia, de que valeu o foro especial? Apenas para a corrupção
  • VICTOR MAIZMAN
    Pela iniciativa popular, podem ser criadas não somente leis, como também, revogá-las
  • CARLOS RAFAEL DE CARVALHO
    Medida deve ser avaliada com ressalvas porque pode beneficiar mais aos bancos do que aos consumidores
J. Estadual / "ISTO É VERGONHOSO"

Tamanho do texto A- A+
05.02.2018 | 18h05
Tribunal nega pensão para netas com mais de 30 anos
Uma das netas tem 33 anos de idade, já possui mestrado e é sócia de uma empresa, diz relator
Reprodução
Fachada do Tribunal de Justiça de Mato Grosso
DA REDAÇÃO

Conceder pensão alimentícia para netas capazes e com mais de 30 anos de idade seria oficializar o ócio. Com esse entendimento, a Segunda Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso negou recurso interposto por duas mulheres que ingressaram com ação de alimentos contra a avó na tentativa de manter a pensão que recebiam por força de liminar.

“Isto é vergonhoso, maiores, capazes, pretenderem continuar sugando sua avó, não havendo, por mais que se tente, qualquer prova capaz de constituir o seu direito e, neste aspecto, este fato superveniente, bem definido na sentença de piso, é o quanto basta para concluir que, mantendo a pensão contra as apelantes, estaria indo contra o próprio estatuto do idoso e até oficializando o ócio”, considerou o relator no acórdão.
 
De acordo com o relator do recurso, desembargador Sebastião de Moraes Filho, uma das netas tem 33 anos de idade, já possui mestrado e é sócia de uma empresa. A outra tem 30 anos e ainda não concluiu curso superior, fato que buscou justificar a necessidade de continuar recebendo a pensão.

Isto é vergonhoso, maiores, capazes, pretenderem continuar sugando sua avó, não havendo, por mais que se tente, qualquer prova capaz de constituir o seu direito

 
Conforme consta dos autos, elas ajuizaram ação de alimentos contra o pai em 2005, no Estado de São Paulo, e obtiveram parecer favorável em caráter liminar para receber a pensão. O feito foi enviado para o juízo de Sinop (500 km ao norte de Cuiabá), onde o mérito da ação foi julgado improcedente somente em 2016, por não comprovar a situação extraordinária em que a avó, pensionista, deveria responder pela inadimplência do pai.
 
Naquela oportunidade, as apelantes eram menores e, desde então, beneficiadas pela liminar concedida, estavam recebendo a pensão, até que o magistrado de piso, recebendo o recurso tão somente no seu efeito devolutivo, determinou que a fonte pagadora excluísse da pensão esse encargo, situação que perdurou por quase 15 anos.
 
O magistrado mencionou na decisão que o caso não se aplica ao art. 1.694 do Código Civil, que trata da necessidade de percepção dos alimentos, “tratando-se, em verdade, de atitudes condenáveis sob todos os aspectos, de retirarem de sua avó parte da pensão que percebe, numa situação que afronta a lei, a moral, os bons costumes, legítimas litigantes de má fé”.
 
Além do recurso negado, a Câmara majorou o valor das custas processuais e dos honorários advocatícios, passando de R$ 3 mil para R$ 5 mil.
 
Acompanharam o voto do relator a desembargadora Nilza Maria Pôssas de Carvalho (1ª vogal convocada) e desembargadora Clarice Claudino da Silva (2ª vogal).
 
O processo tramita em segredo de justiça.

Voltar   

1 Comentário(s).
Um processo tão simples e ainda há recursos para serem manejados pelas partes, podemos aceitar que embora acertava e correta, houve Justiça?, isso tendo em vista estar tramitando há 15 anos. Os magistrados de primeiro grau, há um pelo menos punido correicionalmente
enviada por: Maurílio Rodrigues de Mattos    Data: 05/02/2018 23:11:21
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Maio de 2018
18.05.18 18h04 » TJ desobriga nova administração de pagar aluguel de R$ 1 milhão
18.05.18 17h38 » Justiça afasta PMs que fizeram sexo com jovens em viatura
18.05.18 09h21 » Juiz impede Zaqueu de comparecer ao casamento da sobrinha
17.05.18 11h18 » Defesa pede soltura e diz que crimes imputados são antigos
16.05.18 17h31 » Juiz suspende projeto que permite reeleição para presidente
16.05.18 17h10 » Juiz determina retirada da tornozeleira de dois alvos da Rêmora
16.05.18 15h27 » TJ nega ação da AL e mantém proibição da soltura de deputado
16.05.18 11h28 » Desembargador nega HC a advogado acusado por morte de sócio
16.05.18 09h12 » Tribunal nega pedido da EIG e mantém intervenção em contrato
15.05.18 15h10 » Zuquim diz que não proibiu AL de votar, mas sim a soltura



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet