Artigos
  • GONÇALO ANTUNES DE BARROS
    Sabemos que há individualidade por haver uma historicidade vivida por cada qual
J. Estadual / DANOS MORAIS

Tamanho do texto A- A+
03.02.2018 | 11h24
Justiça condena operadora por negativar nome de juiz de Cuiabá
Oi colocou nome de Paulo Brescovici no cadastro negativo da Serasa, mesmo sem haver débito
MidiaNews/Montagem
O juiz Paulo Brescovici (no detalhe), que será indenizado por cobrança ilegal
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

A juíza Olinda de Quadros Altomare Castrillon, da 11ª Vara Cível de Cuiabá, condenou a operadora Oi Móvel S/A a indenizar, em R$ 6,5 mil, por danos morais, o juiz trabalhista Paulo Roberto Brescovici, que atua na Capital.

A decisão é do dia 26 de janeiro, e ainda cabe recurso.

Na ação, o juiz contou que, em agosto de 2014, foi surpreendido com a negativação de seu nome, por conta de um débito de R$ 241,93.

Conforme o magistrado, a dívida não existia, pois era oriunda de contrato de prestação de serviço telefônico que ele já havia cancelado anteriormente mediante ligação.

O juiz também ressaltou que não era possível a ele ficar inadimplente, uma vez que os valores do contrato que ele tinha eram debitados automaticamente de seu cartão de crédito.

A requerida devidamente citada, não apresentou qualquer documento que justificasse o débito e a inclusão do nome do autor no Serasa

Paulo Brescovici disse que notificou extrajudicialmente a operadora para retirar seu nome dos sistemas de proteção ao crédito, mas “mesmo assim, continuou com seu nome negativado”.

Desta forma, além da retirada da negativação, o juiz pediu indenização por danos morai no valor de R$ 35 mil.

Em junho de 2015, a juíza determinou, em caráter liminar (provisório), que a Oi retirasse o nome do Serasa.

Dano moral

A juíza Olinda Castrillon registrou que a Oi tinha o dever de comprovar a legalidade do débito cobrado, mas não o fez.

“A requerida devidamente citada, não apresentou qualquer documento que justificasse o débito e a inclusão do nome do autor no Serasa”.

A magistrada disse que ficou “patente” a negligência e o ilícito cometido pela operadora.

“Todos os requisitos necessários para o cabimento da indenização estão presentes, pois a inexistência de baixa da negativação contestada resultou danos de natureza moral, os quais, nos termos da jurisprudência uníssona, são presumidos, pois decorrem do próprio fato”.

“Por esta razão, considerando o valor indevidamente inscrito, fixo a condenação do requerido em R$ 6,5 mil”, decidiu. 


Voltar   

1 Comentário(s).
Se fosse um simples mortal a condenação não ultrapassaria os 2 mil reais.
enviada por: MATHEUS     Data: 06/02/2018 10:10:36
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Novembro de 2018
13.11.18 16h58 » Romoaldo nega acusação e diz que servidora estava de licença
13.11.18 16h49 » Ex-prefeito é condenado por desvio de R$ 480 mil em previdência
13.11.18 16h10 » Juiz condena ex-secretário e mais 12 por fraude de R$ 44 milhões
12.11.18 11h33 » TJ bloqueia 30% do salário de Pátio para pagar dívida com Botelho
12.11.18 11h25 » Ex-secretário tem delação homologada e devolverá R$ 1,5 mi
09.11.18 15h02 » Juiz absolve empresário acusado de estuprar e explorar menores
09.11.18 14h55 » Homem que matou esposa com 6 facadas em Cuiabá é condenado
08.11.18 17h02 » Juiz suspende licitação do Governo avaliada em cerca de R$ 300 mi
08.11.18 16h59 » Deputado lembra absolvição de 2 réus e pede prescrição
07.11.18 18h12 » Justiça cita "risco de fuga" e proíbe viagem de procurador ao RJ



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet