Artigos
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    Barroso e Marco Aurélio repugnam ato de Toffoli. Há duas iniciativas contra esse absurdo chamado foro privilegiado
  • RENATO GOMES NERY
    Parece que estamos fadados ao cruel destino de continuar a conviver com edificações malfeitas!
J. Estadual / COBALT

Tamanho do texto A- A+
31.01.2018 | 08h55
Financiadora é condenada por vender carro apreendido
Empresa Aymoré deverá pagar R$ 10 mil a titulo de danos morais a dono de veículo
Reprodução
DA REDAÇÃO

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) manteve a condenação da empresa Aymoré Crédito, Financiamento e Investimento S.A., por ter revendido o carro GM Cobalt depois de cumprir decisão liminar (provisória) de busca e apreensão.

Logo em seguida o comprador pagou a mora, todavia descobriu que seu carro havia sido repassado para outra pessoa.

Por conta disso, a Quarta Câmara de Direito Privado decidiu que a Aymoré deverá pagar R$ 10 mil a titulo de danos morais, além de ter o valor do carro bloqueado em suas contas.

De acordo com a relatora, Serly Marcondes Alves, o caso analisado ainda pendia o direito à purga da mora, o que foi prontamente realizado pelo cliente.

“Cabendo-lhe o direito de ver restituído do veículo, sem qualquer restrição. Assim, considerando que a instituição bancária retirou o veículo da Comarca e vendeu-o a terceiro, antes mesmo da citação do ora Apelado, não há como afastar a ilicitude do ato praticado, o que enseja o dever de indenizar”, ponderou o magistrado.

O caso aconteceu em Cuiabá, em 2016, quando o comprador do carro atrasou as parcelas do seu Cobalt. A financiadora requereu junto à justiça a liminar de busca e apreensão.

O magistrado de piso concedeu a ordem provisória para a empresa reaver o veículo, que foi cumprida. Todavia após ter sido citado o cliente pagou pela mora e tentou reaver o veiculo, mas a financiadora já havia retirado o carro de Cuiabá e revendido para outra pessoa.

A partir dessa atitude da financiadora, o comprador do carro requereu o bloqueio do valor do automóvel (de acordo com a tabela Fipe – um total de R$ 34.119), além de ingressar com ação de indenização por dano moral. A Aymoré discordou da decisão e argumentou que o caso não comportava dano moral.

Mas a desembargadora explicou que a instituição deveria devolver o veículo assim que foi quitada a mora. “Com o aludido pagamento, deveria a instituição financeira restituir o veículo apreendido.

Porém, observa-se do caderno processual em apenso, que o ora réu/Apelante retirou o veículo da Comarca e vendeu-o a terceiro (fls. 88/88-v), antes mesmo da citação do ora Apelado, não havendo como afastar a ilicitude do ato praticado pelo Apelante, o que enseja o dever de indenizar.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2018
22.02.18 16h31 » Diretor da EIG tentou acessar inquérito após delação; STF negou
21.02.18 17h20 » Juiz atende pedido e afasta vereador que tentou cassar prefeito
21.02.18 17h03 » CPI do Paletó pode ter acareação entre delator e ex-secretário
21.02.18 16h48 » Juíza adita delação e manda retirar tornozeleira de ex-secretário
21.02.18 14h30 » Zanatta nega obstrução e diz que gravou Sílvio para se resguardar
21.02.18 10h02 » TJ mantém sentença que assegura segurança privada em policlínicas
21.02.18 09h59 » Alvo do Gaeco, empresa depositou R$ 4,2 milhões para consultor
20.02.18 17h48 » Eder cita “espetáculo midiático” e diz que vai acionar promotores
20.02.18 15h29 » Alvos de operação, advogado e irmão movimentaram R$ 4 milhões
20.02.18 15h13 » Sargento chora e nega grampos: "Eu dava o sangue pelo Gaeco"



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet