Artigos
  • JUNIOR MACAGNAM
    Em mais de 30 anos de democracia, de que valeu o foro especial? Apenas para a corrupção
  • VICTOR MAIZMAN
    Pela iniciativa popular, podem ser criadas não somente leis, como também, revogá-las
  • CARLOS RAFAEL DE CARVALHO
    Medida deve ser avaliada com ressalvas porque pode beneficiar mais aos bancos do que aos consumidores
J. Estadual / APOLOGIA AO CRIME

Tamanho do texto A- A+
31.01.2018 | 09h55
Advogado faz acordo para não ser denunciado pelo MPE
Ministério Público Estadual entendeu que comentários feitos em rede social incentivavam violência
Arquivo/MidiaNews
Prefeito Esvandir Mendes (detalhe) foi assassinado dia 15 de dezembro
CÍNTIA BORGES
DA REDAÇÃO

Um advogado de Colniza (1.065 Km de Cuiabá) assinou uma transação penal com o Ministério Público Estadual para não ser denunciado por apologia ao crime.

A transação foi proposta pelo promotor William Aguido Ogama, nesta terça-feira (30), ao advogado Robson Medeiros.

O MPE entendeu que comentários feitos pelo advogado em um grupo de WhatsApp celebrava o assassinato do prefeito Esvandir Antonio Mendes, de 61 anos, em dezembro.

"Cada dia Colniza fica melhor! Esse mês mais limpa como a virada de estação novos ares! (sic)", disse o advogado em um grupo da cidade.

Em outra postagem, o advogado escreveu que “justiça ilegal” foi feita.

"Parabéns aos guerreiros deste lugar! Afinal já que a resposta em nome de justiça vem por diferentes meios! De uma forma ou de outra o equilíbrio a de se instalar afinal depois de tanta covardia que se viu diante da indiferença da dita justiça em fim a justiça ilegal! Mas eficaz (sic)", disse em outra postagem.

O Ministério Público propôs que Robson Medeiros pague o valor de R$ 20 mil a ser revertido para projetos sociais em Colniza.

Na proposta de transação penal, caso o advogado não cumpra com os termos do acordo, o MPE pode oferecer denúncia contra ele. 

O crime

O prefeito Esvandir Mendes conduzia uma Toyota SW4, quando foi interceptado por criminosos, que estavam em um veículo SUV preto, a cerca de sete quilômetros da entrada de Colniza.

O veículo foi ao encontro da caminhonete do prefeito e vários disparos foram feitos contra ele, que ainda conseguiu dirigir, mas morreu no perímetro urbano da cidade. 

Outros dois disparos feriram o secretário de Finanças, Admilson Ferreira, de 41 anos, sendo um na perna esquerda e outro nas costas.

Pelo crime, foram denunciados o empresário Antonio Pereira Rodrigues Neto, sua esposa, a médica Yana Fois Coelho Alvarenga, além de Zenilton Xavier de Almeida e Welison Brito Silva.

Veja os comentários abaixo: 

MPE

documento

 


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Maio de 2018
18.05.18 18h04 » TJ desobriga nova administração de pagar aluguel de R$ 1 milhão
18.05.18 17h38 » Justiça afasta PMs que fizeram sexo com jovens em viatura
18.05.18 09h21 » Juiz impede Zaqueu de comparecer ao casamento da sobrinha
17.05.18 11h18 » Defesa pede soltura e diz que crimes imputados são antigos
16.05.18 17h31 » Juiz suspende projeto que permite reeleição para presidente
16.05.18 17h10 » Juiz determina retirada da tornozeleira de dois alvos da Rêmora
16.05.18 15h27 » TJ nega ação da AL e mantém proibição da soltura de deputado
16.05.18 11h28 » Desembargador nega HC a advogado acusado por morte de sócio
16.05.18 09h12 » Tribunal nega pedido da EIG e mantém intervenção em contrato
15.05.18 15h10 » Zuquim diz que não proibiu AL de votar, mas sim a soltura



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet