Artigos
  • RENATO GOMES NERY
    O Brasil é o paraíso para se levar vantagem em tudo; tudo é negociado
  • VICTOR MAIZMAN
    De forma absurda é preciso criar órgãos para fiscalizar os órgãos de fiscalização
J. Estadual / R$ 5 MILHÕES EM DÍVIDAS

Tamanho do texto A- A+
29.01.2018 | 14h35
Empresa citada por delator da Rêmora entra em recuperação
Complexx Tecnologia culpou Estado por crise; Secretaria de Educação rescindiu contrato em 2017
MidiaNews
O empresário Giovani Guizardi, que acusou a Complexx de pagar propina
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O juiz Cláudio Zeni, da Vara de Falência e Recuperação Judicial de Cuiabá, autorizou a recuperação judicial da empresa Complexx Tecnologia Ltda, que declarou dívidas na ordem de R$ 5,5 milhões.

A decisão é da última quinta-feira (25). A Complexx Tecnologia foi citada na delação premiada do empresário Giovani Guizardi, réu da Operação Rêmora, que apura esquema de fraudes e propina na Secretaria de Estado de Educação (Seduc).

De acordo com o delator, a Complexx era uma das empresas que pagava propina ao grupo criminoso em troca da manutenção de contratos com a Seduc. Os contratos da empresa foram rescindidos em 2016, após uma auditoria que demonstrou ausência da execução dos serviços.

Na ação de recuperação, a empresa relatou que iniciou suas atividades em 1996, sendo que a partir de 2014 passou a sofrer com inadimplência dos contratantes, tantos os particulares quanto por parte dos órgãos públicos.

“Os constantes atrasos de pagamento e alta taxa de inadimplência começaram a afetar o fluxo de caixa da empresa”.

A Complexx ainda culpou a inadimplência do Governo do Estado, “seu maior cliente”, pelo agravamento da situação da empresa.

“Em janeiro de 2015, com a decretação de moratória por parte deste [Governo] suspendeu os pagamentos por serviços já realizados nos meses de novembro e dezembro de 2014”.  

Defiro o processamento da Recuperação Judicial da empresa Complexx Tecnologia Ltda., objetivando a preservação da sua função social e o estímulo à atividade econômica

Ainda segundo a empresa, a inadimplência de sete meses do Governo forçou o aumento do endividamente bancário, com fornecedores e tributos, “o que impediu a renovação das certidões negativas de débito juntos aos órgãos da receita federal, estadual e municipal, documentos imprescindíveis para receber dos contratos do governo”.

O juiz Cláudio Zeni nomeou uma perita para verificar se a empresa atende ou não os requisitos para a concessão da recuperação.

Exigências cumpridas

De acordo com o magistrado, a perícia detectou que a situação da empresa corresponde com os documentos apresentados pela mesma.

Cláudio Zeni registou que a Complexx apresentou a exposição das causas concretas da sua situação patrimonial e as razões da sua crise econômico-financeira; fez as demonstrações contábeis referentes ao período de 2014 até a data do pedido; listou os credores, funcionários e relação de bens; dentre outros documentos obrigatórios.

“Assim, diante do exposto e nos termos do art. 52 da Lei nº 11.101/05, defiro o processamento da Recuperação Judicial da empresa Complexx Tecnologia Ltda., objetivando a preservação da sua função social e o estímulo à atividade econômica, ressalvando que o processamento da demanda não poderá inviabilizar o recebimento de importâncias e créditos oriundos de negócios e contratos que não se submetem aos efeitos da ação recuperacional”.

Com a autorização, ficam suspensas por seis meses todas as ações e execuções contra a empresa. A Complexx terá 60 dias corridos, a partir da publicação da decisão, para apresentar o plano de recuperação judicial, a ser posteriormente aprovado ou não pelos credores.

O juiz nomeou a advogada Aline Pongelupi Nobrega Borges como administradora judicial da empresa, pelo valor de R$ 220 mil, a ser pago mediante parcelas mensais de R$ 5 mil, “quantia que está dentro do limite previsto no §1º do art. 24 da LRF [Lei de Recuperação e Falência] e mostra-se compatível com o trabalho a ser realizado, levando-se em conta as especificidades da causa, notadamente a quantidade de credores envolvidos, inclusive trabalhistas, bem como a área de atuação da empresa requerente”.

Leia mais sobre o assunto:

Empresa citada em delação na Rêmora é investigada pela Sefaz


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2019
15.02.19 17h18 » Desembargador nega liminar a novato e valida rito da Assembleia
15.02.19 16h51 » Juiz manda site excluir matéria contra presidente da Unimed
15.02.19 10h33 » TJ adia por um mês o julgamento que pode decidir futuro do VLT
15.02.19 10h25 » Voto de minerva no TJ evita afastamento de Maluf do mandato
15.02.19 10h17 » Por unanimidade, TJ acata denúncia do MPE e Maluf vira réu
14.02.19 16h32 » TJ mantém sentença de ex-vice que falsificou assinatura de ex-prefeito
14.02.19 16h10 » Gol terá que indenizar passageira em R$ 12 mil por atraso em voo
14.02.19 15h56 » TJ arquiva sindicância contra juiz acusado de grampos em MT
13.02.19 11h10 » Ex-panicat não vai a evento e terá que indenizar organizadores
13.02.19 09h18 » Juíza se diz impedida de julgar ação porque filha é advogada de réu



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet