Artigos
  • LUIZ GONÇALO DA SILVA
    O posicionamento do STF amplia a possibilidade de surgimento de novas empresas e de ampliação de postos de trabalho
  • LEONARDO CAMPOS
    Impôs derrotas acachapantes, renovou na medida de sua vontade e deixou claro suas prioridades mais imediatas
  • VICTOR MAIZMAN
    Para que o Executivo possa exigir a taxa do pagador de tributos, tal cobrança deve estar respaldada em lei
  • RITA DE CASSIA BUENO
    Na atualidade, é comum a ocorrência de erros de empresas que não realizam a devida atualização realizando cobranças de forma indevida
J. Estadual / R$ 8 MIL

Tamanho do texto A- A+
08.01.2018 | 17h11
Banco é condenado por firmar contrato com assinatura falsa
Empresa terá ainda que restituir em dobro os valores cobrados, decidiu TJMT
Reprodução
Autora da ação identificou o desconto indevido de parcelas de empréstimo diretamente no seu benefício previdenciário
DA REDAÇÃO
O Banco Pan S.A. foi condenado a pagar indenização de R$ 8 mil por danos morais e materiais a uma aposentada por firmar contrato de empréstimo mediante assinatura falsa e, consequentemente, realizar descontos em folha referentes ao mesmo.
 
De acordo com a decisão da Segunda Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, a empresa terá ainda que restituir em dobro os valores cobrados.
 
No caso em questão, a aposentada autora da ação identificou o desconto indevido de parcelas de empréstimo diretamente no seu benefício previdenciário. Ao analisar os contratos, que totalizavam mais de R$ 15 mil, notou que as assinaturas lançadas eram falsas, fato confirmado por laudo pericial grafotécnico.
 
O Juízo da 5ª Vara Cível da Comarca de Cuiabá já havia determinado que o banco restituísse à aposentada o valor descontado indevidamente e fixado indenização de R$ 4 mil, acrescido de juros de mora de 1% ao mês, valor considerado irrisório pela apelante. A instituição financeira também recorreu, alegando a não caraterização do dever de indenizar e que também foi vítima de fraude praticada por terceiros.
 
No entanto, de acordo com a relatora do processo, desembargadora Clarice Claudino da Silva, a negligência da instituição financeira está plenamente caracterizada no caso, já que “o próprio banco apelante reconheceu a ocorrência de fraude promovida por terceiro, o que reforça que os descontos ocorreram de forma indevida”. Nesse sentido, o valor da indenização foi majorado para R$ 8 mil.
 
“Levando em consideração que a cobrança é indevida, não há dúvida que o ato do banco apelante causou prejuízos à recorrente, eis que em decorrência dos descontos, teve parte dos seus proventos comprometidos, o que justifica o dever de indenizar, diante da falha na prestação de serviços por parte da instituição financeira.”
 
A decisão foi unânime com a participação dos desembargadores João Ferreira Filho e Maria Helena Gargaglione Póvoas.
 
Leia AQUI a íntegra do acórdão 10411/2017.

Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
15.10.18 17h46 » Justiça determina que tarifa volte a custar R$ 4; Governo recorre
15.10.18 16h58 » PM que desviou verba de combustível é condenado por peculato
15.10.18 16h51 » Juiz condena dois servidores por compra "absurda" de gasolina
15.10.18 16h42 » Juiz dá 10 dias para ex-secretário colocar tornozeleira eletrônica
15.10.18 15h57 » Juíza não vê provas e nega afastar secretário de Saúde de Cuiabá
15.10.18 15h38 » Assassinos de dentista pegam mais de 100 anos de prisão
15.10.18 15h03 » Acusado de matar esposa e enteada a golpes de martelo vai a júri
13.10.18 11h49 » Corregedor-geral eleito garante continuidade do trabalho
13.10.18 11h25 » Justiça absolve ex-secretário e servidor da Assembleia
11.10.18 18h01 » Presidente do TJ pede vistas e julgamento contra juiz é adiado



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet