Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Quem exige tributo deve apontar o seu exato valor, com critérios objetivos
  • GISELE NASCIMENTO
    É assustador o tanto de mulheres que têm sido assassinadas em Mato Grosso nos últimos tempos
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    Não agir com igualdade perante todos significa um torpedo contra a própria noção de justiça
J. Estadual / R$ 8 MIL

Tamanho do texto A- A+
08.01.2018 | 17h11
Banco é condenado por firmar contrato com assinatura falsa
Empresa terá ainda que restituir em dobro os valores cobrados, decidiu TJMT
Reprodução
Autora da ação identificou o desconto indevido de parcelas de empréstimo diretamente no seu benefício previdenciário
DA REDAÇÃO
O Banco Pan S.A. foi condenado a pagar indenização de R$ 8 mil por danos morais e materiais a uma aposentada por firmar contrato de empréstimo mediante assinatura falsa e, consequentemente, realizar descontos em folha referentes ao mesmo.
 
De acordo com a decisão da Segunda Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, a empresa terá ainda que restituir em dobro os valores cobrados.
 
No caso em questão, a aposentada autora da ação identificou o desconto indevido de parcelas de empréstimo diretamente no seu benefício previdenciário. Ao analisar os contratos, que totalizavam mais de R$ 15 mil, notou que as assinaturas lançadas eram falsas, fato confirmado por laudo pericial grafotécnico.
 
O Juízo da 5ª Vara Cível da Comarca de Cuiabá já havia determinado que o banco restituísse à aposentada o valor descontado indevidamente e fixado indenização de R$ 4 mil, acrescido de juros de mora de 1% ao mês, valor considerado irrisório pela apelante. A instituição financeira também recorreu, alegando a não caraterização do dever de indenizar e que também foi vítima de fraude praticada por terceiros.
 
No entanto, de acordo com a relatora do processo, desembargadora Clarice Claudino da Silva, a negligência da instituição financeira está plenamente caracterizada no caso, já que “o próprio banco apelante reconheceu a ocorrência de fraude promovida por terceiro, o que reforça que os descontos ocorreram de forma indevida”. Nesse sentido, o valor da indenização foi majorado para R$ 8 mil.
 
“Levando em consideração que a cobrança é indevida, não há dúvida que o ato do banco apelante causou prejuízos à recorrente, eis que em decorrência dos descontos, teve parte dos seus proventos comprometidos, o que justifica o dever de indenizar, diante da falha na prestação de serviços por parte da instituição financeira.”
 
A decisão foi unânime com a participação dos desembargadores João Ferreira Filho e Maria Helena Gargaglione Póvoas.
 
Leia AQUI a íntegra do acórdão 10411/2017.

Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Abril de 2018
21.04.18 17h00 » TJ nega novo recurso e obriga Bezerra e Teté a pagar engenheiro
20.04.18 15h39 » Juiz acata pedido do MPE e condena Wilson a ressarcir o erário
19.04.18 17h18 » Justiça manda investigar vazamento de informação de inquérito
19.04.18 17h01 » Juíza condena servidores e empresários por fraude na Sefaz
19.04.18 11h37 » Juíza anula efetivação dada a ex-secretário de Finanças da AL
19.04.18 11h29 » TJ-MT volta a negar férias e auxílio-moradia a juiz afastado
19.04.18 11h06 » Juiz autoriza ex-secretário a participar de evento agropecuário
19.04.18 10h42 » Acusação prescreve e deputado se livra de ação de improbidade
18.04.18 11h02 » Alvo da Bereré, EIG vai ao TJ para tentar derrubar intervenção
18.04.18 10h47 » Justiça acata ação da Fazenda Pública contra família Riva



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet