Artigos
  • VILSON NERY
    Li as propostas dos três candidatos, e separei as palavras “agricultura” e agronegócio” em seu contexto no plano de governo, para dar qualidade à minha pretensão
  • JOÃO PAULO OLIVEIRA
    No processo eleitoral atual há uma enorme preocupação com relação a informações falsas que são passadas no que tange a uma série de situações e candidatos
J. Estadual / RETROSPECTIVA 2017

Tamanho do texto A- A+
31.12.2017 | 14h30
Membros de esquema de grampos bolaram trama para afastar Perri
Câmera-espiã foi acoplada na farda de um militar que tentou gravar desembargador
Alair Ribeiro/MidiaNews
O desembargador Orlando Perri; no destaque, equipamento espião acoplado em farda
CAMILA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

Manhã de 27 de setembro de 2017. Dois secretários de Estado e outras duas pessoas que já tinham ocupado o alto escalão do Governo estavam entre os alvos de mandados de prisão cumpridos pela Polícia Civil, na Operação Esdras.

Com a ação, veio à tona uma trama que tinha o objetivo de afastar o desembargador Orlando Perri, do Tribunal de Justiça, das investigações relativas aos grampos ilegais operado em Mato Grosso.

Naquele dia, foram presos os então titulares das pastas de Justiça e Direitos Humanos, coronel PM Airton Siqueira e da Segurança Pública, Rogers Jarbas.

Além deles, foram parar atrás das grades os ex-secretários Evandro Lesco (Casa Militar) e Paulo Taques (Casa Civil), a esposa de Lesco, a personal trainer Helen Christy, o sargento PM Ricardo Soler, o empresário José Marilson e o major PM Michel Ferronato, do setor de Inteligência da Sesp.

À época da deflagração da operação, a delegada Ana Cristina Feldner destacou a “audácia” dos membros do grupo que, segundo ela, não mediu esforços para buscar o afastamento de Perri da chamada “Grampolândia”.

Reprodução

Tenente-Coronel Soares

O tenente-coronel Henrique Soares, que confessou participação em esquema

A trama teve início após o aliciamento do tenente-coronel José Henrique Costa Soares, que atuava como escrivão no Inquérito Policial Militar (IPM), no âmbito da Corregedoria da PM, para apurar a participação de militares no esquema dos grampos.

Por ser escrivão do IPM, Soares teria que se reunir, em algumas ocasiões, com o desembargador Orlando Perri, até então, responsável pela condução dos inquéritos.

A ideia do grupo era que Soares gravasse declarações de Perri para tirá-las do contexto, com o propósito de alegar a sua suspeição em relação às investigações.

Mais tarde, quando ainda estava preso, o próprio coronel Evandro Lesco admitiu ter sido o mentor da trama.

Mudança de farda

Para colocar em prática o plano, o grupo não hesitou em determinar a troca de fardamento dos policiais com funções no Corregedoria da PM, para que não pairassem suspeitas sobre o equipamento de captação de imagem e áudio que foi instalado no uniforme no tenente-coronel Soares.

Tal informação estava contida na decisão do desembargador Perri, que resultou nos mandados de prisão da Esdras.

evandro alexandre ferraz lesco

O coronel Evandro Lesco confirmou ter sido mentor de trama contra desembargador

A determinação para mudança de farda teria partido do corregedor-geral da Polícia Militar, coronel Carlos Eduardo Pinheiro, que chegou a ser alvo de condução coercitiva, naquela ocasião.

O coronel Soares afirmou que os policiais da Corregedoria usam, conforme a doutrina, o uniforme de passeio. Mas, como nesse uniforme não seria possível a instalação da câmera, em "razão da sua costura", o aparelho foi colocado na farda de operações.

No dia seguinte à instalação, segundo o tenente-coronel, houve a determinação verbal do corregedor, e depois inserida na escala de serviço de que, a partir daquele dia, o uniforme seria o de operação, justamente o uniforme que foi instalado o equipamento de monitoramento audiovisual.

Câmera-espiã

A pequena câmera de vídeo, também conhecida com câmera espiã, foi acoplada à farda que era utilizada por Soares. Ele chegou a entregar o uniforme à Polícia Civil.

Na ocasião, Soares afirmou à delegada Ana Cristina Feldner que o coronel Evandro Lesco e a sua esposa é que o orientaram a fazer as gravações. Já as orientações para o uso do equipamento teriam sido repassadas a Soares pelo sargento João Ricardo Soler.

A gravação em audiovisual, porém, nunca ocorreu. Conforme depoimento, depois que acoplou os equipamentos na farda, Soares resolveu procurar a Polícia Civil e revelar o episódio.

Vídeo mostra câmera instalada em farda para gravar Perri:

Leia mais sobre o assunto:

Delegada confirma que Lesco confessou trama para afastar Perri

Delegado confirma cumprimento de oito mandados; veja o vídeo

Tenente diz que foi "coagido" por major, Lesco e sua esposa

Tenente-coronel iria gravar Perri com câmera escondida na farda

Corregedor da PM é acusado de mudar farda para acoplar câmera


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Setembro de 2018
21.09.18 11h10 » Conselheiro afastado terá que indenizar cabo eleitoral em R$ 10 mil
20.09.18 10h22 » Processo, que corre em Cuiabá, vai parar em Várzea Grande
19.09.18 17h20 » Juiz recebe denúncia e médica vira ré por morte de verdureiro
19.09.18 17h10 » Processo de ex-golpista some e impede julgamento de HC no TJ
19.09.18 14h27 » Ex-deputado Riva é condenado a 17 anos e 9 meses de prisão
19.09.18 09h57 » Réus citam deputados, mas juiz nega enviar processo para o TJ
19.09.18 09h30 » Servidor terá que indenizar juiz por ofensa em página do Facebook
19.09.18 08h59 » Justiça condena ex-auditor do TCE de MT, que perde salário de R$ 33 mil
18.09.18 17h16 » TJ suspende sentença que poderia impedir candidatura de Fabris
18.09.18 17h02 » Juiz absolve ex-secretário da AL acusado de participar de desvio



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet