Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    É recorrente a insatisfação e inconformismo da sociedade quanto à elevada carga tributária
  • RENATO NERY
    A imprensa diariamente notícia novos casos de apropriação do espólio da viúva
J. Estadual / DUODÉCIMOS ATRASADOS

Tamanho do texto A- A+
30.12.2017 | 17h00
"Não é fácil para o governador; temos que entender", diz Ramos
Presidente do Tribunal de Justiça, desembargador nega que Poder seja complacente com o Executivo
Alair Ribeiro/MidiaNews
Desembargador Rui Ramos negou que TJ-MT seja complacente com Executivo
VINÍCIUS LEMOS
DA REDAÇÃO

O presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Rui Ramos, negou que seja complacente com os atrasos do Executivo estadual no pagamento dos duodécimos do Poder.

Os atrasos no duodécimo dos Poderes acontecem desde o ano passado. Logo que assumiu o cargo de presidente do TJ-MT, Ramos adotou uma postura mais tranquila em relação às críticas ao Executivo estadual.

Diferente de outros representantes de Poderes – como o chefe do Ministério Público Estadual (MPE), procurador-geral de Justiça, Mauro Curvo, que tem feito críticas aos atrasos –, o representante do TJ tem adotado uma postura menos combativa e tem evitado criticar a gestão do tucano.

Ao ser questionado se estaria sendo complacente com o Executivo estadual, em razão da relação de amizade que mantém com Taques, Ramos negou.

“Tem nada de complacência. Tem o que é possível. A reserva do que é possível”, limitou-se a dizer.

O presidente do TJ-MT destacou que o passivo do Estado com o Tribunal está sendo tratado da forma mais adequada possível.

“Não é fácil também para o governador. Nós temos que entender isso. Temos que falar a verdade, temos que ser sinceros e honestos”, pontuou.

Tem nada de complacência. Tem o que é possível. A reserva do que é possível

Ele ainda mencionou que os atrasos nos repasses aos Poderes ocorrem em razão das dificuldades financeiras enfrentadas pelo Estado desde o início da gestão de Taques.

“Não é uma tarefa que o governador assumiu agora, no seu quadriênio que termina no ano que vem. Ele experimentou um tribunal, um Estado em dificuldades reais. Não era nada de brincadeira, não era ficção, não. Nós temos compartilhado isso diariamente e sabemos que são dificuldades reais. Não vou atribuir a ninguém, mas a realidade é essa”.

“Então, ter que reconstruir uma boa parte do sentido econômico e financeiro do Estado, não é uma tarefa que se resolve em três anos. É preciso falar a verdade. Isso não se resolve em três anos, não. Isso se resolve ao longo do tempo, com trabalho muito assíduo e com muita técnica”, acrescentou.

O desembargador optou por não revelar quanto é o valor total devido pelo Executivo estadual em razão dos atrasos no duodécimo.

“Não há necessidade de falar valores, já falamos sobre isso muitas vezes “, declarou.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça, que também não informou sobre os valores atrasados.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Junho de 2018
20.06.18 16h50 » Juiz desmembra ação contra “falso chinês” acusado de golpes
19.06.18 15h13 » Defesa diz que dono de grupo "nunca recebeu nada de Nadaf”
19.06.18 14h57 » Engeglobal culpa a Copa de 2014 e entra com recuperação judicial
19.06.18 09h37 » Réu acusado de ameaçar ex-Seduc tem nova prisão decretada
19.06.18 08h11 » Supermercado deve indenizar cliente por vender torta estragada
18.06.18 18h18 » Juiz diz que só não afastou Taques porque não houve pedido
18.06.18 15h31 » Justiça manda servidor apagar comentário ofensivo contra juiz
15.06.18 15h27 » Perri afirma que não se pode condenar por “mera suposição“
15.06.18 11h46 » Através de ex-juiz Julier, vereador tenta revogar escolta de Selma
15.06.18 11h38 » Tribunal condena deputado por peculato na Assembleia em 1996



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet