Artigos
  • SÂMYA SANTAMARIA E CLAUDINÉIA SIMON
    Se o seu tataravô praticou um dano ambiental na área rural que agora é de sua propriedade, você irá responder pelo dano
  • IRAJÁ REZENDE DE LACERDA
    A relação dos indivíduos com a terra não estacionou na subsistência e tomou características econômicas
J. Estadual / ATRASO NO DIPLOMA

Tamanho do texto A- A+
28.12.2017 | 09h51
Universidade é condenada a indenizar ex-aluno em R$ 20 mil
A apelante alegou que o trâmite processual do MEC foi o motivo pelo qual demorou tanto para fornecer o diploma
Alair Ribeiro
Fachada do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT)
DA REDAÇÃO
A Segunda Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) arbitrou o pagamento de indenização de R$ 20 mil a uma instituição de nível superior que entregou o diploma de um ex-aluno três anos após a conclusão do curso.
 
Conforme consta nos autos, o ex-aluno concluiu o curso superior de Gerenciamento de Redes de Computadores em 2009, mas só recebeu seu diploma em 2012, quando o curso foi reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC).
 
A apelante alegou que o trâmite processual do MEC foi o motivo pelo qual demorou tanto para fornecer o diploma. No entanto, ficou constatado no processo que a faculdade protocolizou pedido para o reconhecimento do referido curso em 2006 e o pleito foi arquivado em 2008. Só em 2010 foi realizado novo pedido, caracterizando a negligência que justifica a indenização.
 
“Assim, apesar da Instituição de Ensino afirmar que o atraso na entrega do diploma se deu por ato do MEC, vê-se que os autos apontam situação diversa, já que demonstram que houve negligência da faculdade em realizar o protocolo do pedido de reconhecimento de curso em tempo hábil”, proferiu a desembargadora-relatora, Clarice Claudino da Silva, no acórdão.
 
A magistrada assinalou o defeito na relação de consumo, no qual se enquadra o disposto no art. 14 do Código de Defesa do Consumidor. O dano causado teria excedido o plano do vício, haja vista que não é algo inerente apenas ao serviço, mas que ocasionou abalos e angústia que ultrapassaram o mero dissabor cotidiano.
 
“É incontestável que houve falha na prestação de serviço pela Apelante (...) que, de forma injustificável, atrasou na entrega do diploma de conclusão de curso, prejudicando consideravelmente o Recorrente (...), que criou expectativa de que, com a graduação e o registro definitivo do diploma no CREA, sua colocação no mercado de trabalho e sua subsistência melhorariam, sem, contudo, obter êxito”.
 
Todos os membros da Segunda Câmara acompanharam o voto da relatora por unanimidade.

Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Junho de 2018
15.06.18 15h27 » Perri afirma que não se pode condenar por “mera suposição“
15.06.18 11h46 » Através de ex-juiz Julier, vereador tenta revogar escolta de Selma
15.06.18 11h38 » Tribunal condena deputado por peculato na Assembleia em 1996
15.06.18 10h51 » Ex-PM pega 24 anos de prisão pela morte dos "irmãos Araújo"
15.06.18 10h18 » Sonegação na Ararath atingiu R$ 1,5 bilhão, diz Receita Federal
14.06.18 17h35 » Por 21 a 2, TJ-MT nega recurso e mantém deputado na prisão
14.06.18 17h18 » “Braço-direito” teria intimidado ex-Seduc pelo WhatsApp; veja
14.06.18 17h02 » "Maníaco da Lanterna" é condenado a mais 62 anos de prisão
14.06.18 15h27 » Seis desembargadores votam por absolver juiz; 12 querem punição
13.06.18 17h00 » TJ nega suspeição de coronéis e ação penal volta a tramitar



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet