Artigos
  • SÂMYA SANTAMARIA E CLAUDINÉIA SIMON
    Se o seu tataravô praticou um dano ambiental na área rural que agora é de sua propriedade, você irá responder pelo dano
  • IRAJÁ REZENDE DE LACERDA
    A relação dos indivíduos com a terra não estacionou na subsistência e tomou características econômicas
J. Estadual / HOLERITE

Tamanho do texto A- A+
24.12.2017 | 12h15
“Não vou dizer que temos supersalários; temos um salário justo”
Polêmica dos vencimentos dos magistrados veio à tona com o caso de juiz de MT que recebeu R$ 500 mil
Alair Ribeiro/MidiaNews
A corregedora-geral de Justiça, Maria Aparecida Ribeiro, que defendeu salários de magistrados
DOUGLAS TRIELLI
DA REDAÇÃO

A corregedora-geral de Justiça, Maria Aparecida Ribeiro, negou que os magistrados do Estado tenham “supersalários”. Para ela, os valores são “justos” por conta da carga de trabalho.

“Eu não vou dizer que temos supersalários. Temos um salário justo pelo que nós trabalhamos”, disse.

Segundo portal do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Maria Aparecida teve um dos maiores salários do mês de setembro.

O total de seus rendimentos foi de R$ 78,1 mil, assim como a vice-presidente do Tribunal de Justiça, Marilsen Andrade Addario.

Entretanto, pouco mais de R$ 11 mil ficaram retidos justamente por conta do teto constitucional.

Já o presidente do Judiciário, Rui Ramos, aparece com R$ 77,7 mil, mas também teve valores retidos (veja planilha AQUI).

Segundo Maria Aparecida, os valores não são referentes a salários, mas, sim, a outros benefícios que os magistrados ganham pela função.

Isso não é salário, são direitos que temos a receber, como férias e outros benefícios

“Isso não é salário, são direitos que temos a receber, como férias e outros benefícios. Mas nenhum de nós recebe supersalário. Isso pode ter certeza”, afirmou.

Supersalário

A questão dos “supersalários” no Judiciário veio à tona na metade do ano, quando foi divulgado que o juiz Mirko Vincenzo Giannotte, titular da 6ª Vara de Sinop, teve holerite de R$ 503.928,79 no mês de julho.

Em nota à imprensa, o TJMT havia informado que fez os pagamentos amparados em uma decisão do corregedor nacional de Justiça, ministro João Otávio de Noronha, de janeiro deste ano, em que foi autorizado o pagamento de R$ 29.593,08 a uma juíza referente a diferenças de substituição de entrância.

Porém o CNJ rebateu e disse, à época, que a decisão era específica e não extensiva a outros casos.

Em agosto, Noronha determinou suspensão de "supersalários" de juízes em Mato Grosso.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Junho de 2018
15.06.18 15h27 » Perri afirma que não se pode condenar por “mera suposição“
15.06.18 11h46 » Através de ex-juiz Julier, vereador tenta revogar escolta de Selma
15.06.18 11h38 » Tribunal condena deputado por peculato na Assembleia em 1996
15.06.18 10h51 » Ex-PM pega 24 anos de prisão pela morte dos "irmãos Araújo"
15.06.18 10h18 » Sonegação na Ararath atingiu R$ 1,5 bilhão, diz Receita Federal
14.06.18 17h35 » Por 21 a 2, TJ-MT nega recurso e mantém deputado na prisão
14.06.18 17h18 » “Braço-direito” teria intimidado ex-Seduc pelo WhatsApp; veja
14.06.18 17h02 » "Maníaco da Lanterna" é condenado a mais 62 anos de prisão
14.06.18 15h27 » Seis desembargadores votam por absolver juiz; 12 querem punição
13.06.18 17h00 » TJ nega suspeição de coronéis e ação penal volta a tramitar



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet