Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    O Judiciário dará solução imediata ao cidadão ou à pessoa jurídica, quando houver ameaça à violação de direito
  • EDUARDO MAHON
    Há nomes que merecem permanecer na memória da Cultura de Mato Grosso; já outros...
J. Estadual / “MANOBRA” NOS GRAMPOS

Tamanho do texto A- A+
30.10.2017 | 10h40
Delegada diz suspeitar que secretário também integra esquema
Ana Feldner afirmou que Gustavo Garcia cooptou delegada para depoimento e tem ligação com Rogers
Alair Ribeiro/MidiaNews
O secretário Gustavo Garcia, alvo de suspeitas de delegada
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

A delegada Ana Cristina Feldner, que atuou nas investigações relativas ao esquema de escutas clandestinas no Estado, disse suspeitar que o delegado Gustavo Garcia, atual secretário de Segurança Pública, também integra a organização criminosa investigada.

A informação está contida em documento enviado por ela em setembro ao desembargador Orlando Perri, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, que presidia a investigação. O caso agora tramita sob a relatoria do ministro Mauro Campbell, do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Na época em que a representação foi enviada, Gustavo Garcia era secretário-adjunto de Inteligência da Sesp, então chefiada pelo delegado Rogers Jarbas.

“A participação do delegado Gustavo Garcia tem se revelado diferente, iniciando as suspeitas de que também integra a organização criminosa, e não somente mantém vínculo de amizade e subordinação”, afirmou a delegada.

Rogers foi preso no dia 27 de setembro, durante a deflagração da Operação Esdras, acusado de ter ajudado a montar uma estratégia para atrapalhar as investigações relacionadas aos grampos ilegais e obter a suspeição do desembargador Orlando Perri.

O esquema dos grampos era viabilizado pela prática da “barriga de aluguel”, quando números de telefones de cidadãos comuns, sem conexão com uma investigação, são inseridos em um pedido de quebra de sigilo telefônico à Justiça.

Uma das suspeitas contra Garcia foi a participação dele na obtenção do depoimento da delegada Alana Cardoso, que contou ter sido constrangida em uma oitiva ilegal feita por Gustavo e pelo então secretário Rogers Jarbas, no dia 26 de maio.

O depoimento teria sido motivado pelo fato de ela ter conduzido a Operação Forti, que interceptou a publicitária Tatiana Sangalli Padilha, ex-amante do ex-secretário da Casa Civil, Paulo Taques, e a ex-assessora dele, Caroline Mariano dos Santos, pela suspeita de que haveria um plano contra a vida do governador Pedro Taques (PSDB).

Alana Cardoso contou que foi até a Sesp depois de ter recebido várias ligações de Gustavo Garcia, que, nos telefonemas, dizia que queria reatar a amizade que tinha com ela. Porém, ela disse que acabou sendo coagida a depor sobre os “grampos” de forma ilegal, mesmo sem nenhum procedimento, e que a convocação de Gustavo, na verdade, foi uma “cilada”.

Alair Ribeiro/MidiaNews

Ana Cristina Feldner 18-10-2017

A delegada Ana Cristina Feldner, que conduzia as investigações

“Hoje analisando os fatos friamente percebo que o referido telefonema do Dr. Gustavo foi fundamental e imprescindível para que eu fosse até a secretaria de Segurança Pública de forma tão desarmada e vulnerável. Estes telefonemas do Dr. Gustavo ocorreram quatro ou três dias antes de minha convocação e oitiva realizada pelo secretário Rogers Jarbas. O Dr. Gustavo tem amplo conhecimento na área de Inteligência, tendo realizado inclusive a Escola Superior de Guerra, um curso ministrado no Estado do Rio de Janeiro, com duração aproximada de quatro meses.  Dentro da inteligência policial o Dr. Gustavo utilizou a técnica aprendida em curso de inteligência, quando realizou os telefonemas pré-ordenados e em dias consecutivos.  o nome dessa ferramenta de inteligência utilizada comigo chama-se recrutamento”.

Alana relatou que durante a oitiva na Sesp, Gustavo Garcia chegava a tremer as mãos e pedia para ela falar baixo “porque as paredes têm ouvidos”.

“Ela [Alana] fala que recebeu telefonemas do Dr. Gustavo Garcia na semana em que foi convocada a ir à Sesp prestar “esclarecimentos” (precedentes a esta convocação), deixando claro que havia uma manobra dos dois secretários de Estado para cooptá-la para o que aconteceu na sede daquela secretaria [...] Esse fato reforça a ação de recrutamento feita pelo Gustavo Garcia em desfavor de Alana Derlene”, disse a delegada Ana Feldner.

Feldner também citou que Gustavo Garcia é “homem de confiança” de Rogers Jarbas, “com quem mantém grande laço de amizade”.

“Tendo Rogers Jarbas, enquanto presidente do Detran-MT [Departamento Estadual de Trânsito], nomeado a esposa do Dr. Gustavo Garcia, Talita Peske Rodrigues, para ser diretora de veículos no Detran”.

“A participação do delegado Gustavo Garcia tem se revelado diferente, iniciando as suspeitas de que também integra a organização criminosa, e não somente mantém vínculo de amizade e subordinação”, afirmou a delegada.

Outra situação mencionada por Ana Feldner foi a transferência, a mando de Rogers Jarbas, de uma policial para atuar na Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), local onde estavam sendo feitas as oitivas das testemunhas e investigados nos grampos.

A participação do delegado Gustavo Garcia tem se revelado diferente, iniciando as suspeitas de que também integra a organização criminosa, e não somente mantém vínculo de amizade e subordinação

A suspeita é de que a policial teria sido inserida no local para fornecer informações privilegiadas ao então secretário.

“Informamos que as pessoas citadas pelo suspeito Rogers Jarbas como testemunhas não foram oitivadas por terem tido participação direta no embaraço das investigações, levantando-se suspeitas preliminares acerca dos mesmos também integrarem a organização criminosa, vez que o Dr. Gustavo Garcia tentou recrutar a Dra Alana Derlene, tomou suas declarações... enquanto Hozan, seu subordinado, assinou diretamente o ofício encaminhando uma policial para as dependências da GCCO, coincidentemente enquanto esta subscritora exercia suas funções naquela unidade policial”.

Curso sob suspeita

A delegada Ana Feldner ainda registrou que o Curso Superior de Polícia, necessário para avançar na carreira, passou a ser realizado na Sesp neste ano, sem motivo específico.

Feldner explicou que Rogers e Gustavo estão na Classe C da carreira e, para serem promovidos para a Classe Especial, onde há aumento de salário, precisavam concluir tal curso.

“Estranhamente esse curso está sendo promovido nas dependências da Secretaria de Segurança Pública, ocorrendo em uma semana por mês, em período integral”.

De acordo com a delegada, nem Rogers nem Gustavo nomearam qualquer substituto para as funções na Secretaria enquanto ambos, em tese, faziam o curso.

“Resta nítido que algumas das atividades não estão sendo desempenhadas, ou não estão em sala de aula, ou não estão desempenhando as funções de secretário de Segurança Pública e Secretário Adjunto de Inteligência”.

“Inclusive, no ano de 2015, salvo engano, Rogers Jarbas foi convidado para participar do CSP [Curso Superior de Polícia] realizado pela Polícia Militar, porém na época exercia o cargo de presidente do Detran, e, como não gostaria de ausentar da função, recusou o convite para o curso. Porém, ao se tornar secretário de Segurança Pública, organizou um curso de forma que atendesse suas necessidades pessoais”, disse ela. 

 

Outro lado

O secretário Gustavo Garcia afirmou que só se pronunciará sobre o caso no processo.

Veja fac-símile de trecho do documento:

 

print delegada diz suspeitar de gustavo garcia

 

 

Leia mais sobre o assunto:

Delegada acusa Jarbas de armar “cilada” para atingir Mauro Zaque


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Novembro de 2017
17.11.17 17h45 » Adjunta nega acusação e diz que deixou carro na sede do PDT
17.11.17 16h58 » TJ nega recurso do Estado e mantém reposição de 11% a policiais
17.11.17 16h47 » Juiz condena quatro ex-servidores da Sefaz a seis anos de prisão
17.11.17 15h59 » Adjunta da Casa Civil é intimada a devolver Mitsubishi ao PDT
16.11.17 17h39 » TJ nega pedido do MPE para afastar prefeita de Juara e deputado
16.11.17 17h26 » Tribunal nega liminar para obrigar Taques a aposentar conselheiro
16.11.17 15h41 » Empresa vai indenizar cuiabano por cobrança ilegal de R$ 0,60
16.11.17 11h13 » Dono de concessionária terá que devolver R$ 115,1 mil ao Estado
15.11.17 12h39 » Juíza aposentada consegue isenção de ICMS em conta de energia
15.11.17 11h49 » TJ arquiva investigação sobre suposta propina a Nininho e Maluf



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet