Artigos
  • VINÍCIUS SEGATTO
    Você já se questionou por qual razão ele existe, qual a sua verdadeira aplicabilidade ou, até mesmo, qual é ou será o seu destino?
J. Estadual / MANDADO DE SEGURANÇA

Tamanho do texto A- A+
26.10.2017 | 17h51
Conselheiro vai ao TJ para que Taques assine sua aposentadoria
O conselheiro quer obrigar chefe do Executivo a assinar aposentadoria
Alair Ribeiro/MidiaNews
O conselheiro Antonio Joaquim, que vai acionar o governador Pedro Taques
DA REDAÇÃO

O conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado, Antonio Joaquim, afirmou que irá protocolar nesta sexta-feira (27), às 14h, no Tribunal de Justiça de Mato Grosso, um mandado de segurança contra o governador Pedro Taques (PSDB).

O objetivo, segundo ele, é obrigar o governador a assinar sua aposentadoria.

De acordo com Joaquim, o pedido de aposentadoria está protocolado desde o dia 19 de outubro e ainda não foi assinado por Taques.

“Acho que o governador não tem o direito de conduzir a minha vida”, disse Joaquim, ao MidiaNews.

Acho que o governador não tem o direito de conduzir a minha vida

Ele preferiu não dar mais detalhes sobre o assunto e disse que irá se posicionar sobre os fatos amanhã.

Joaquim decidiu deixar o TCE para fazer uma pré-campanha ao Governo do Estado. A ideia, segundo ele, é tentar viabilizar sua candidatura até maio do próximo ano.

Ele decidiu que irá se filiar ao PTB e um evento de filiação com a participação do presidente nacional da sigla, Roberto Jeferson, está marcado para o próximo dia 8.

A filiação pode, no entanto, não ocorrer, caso o governador não assine sua aposentadoria do TCE.

Críticas ao Governo

Enquanto trabalha para viabilizar sua candidatura, Joaquim já tem feito uma série de críticas à gestão Taques, a aquele ele classificou como um “fracasso ético e administrativo”.

Ainda conforme Joaquim, os problemas enfrentados pelo governador seriam fruto de sua inexperiência política.

“É uma gestão inábil, que vive em conflitos inúteis. Você vê o governo direto batendo boca com poderes, com funcionários públicos, com desembargador, com promotor. É uma crise infindável e inútil, que atrapalha qualquer governo. Então, o governo tem essa dificuldade de harmonizar o governo, função que deveria ter como representante do poder Executivo”, disse o conselheiro, em uma coletiva de imprensa concedida na última semana.

“O dever do chefe do poder Executivo não é fazer bravatas. É um governo que não tem aptidão para fazer gestão”, declarou.

Leia mais sobre o assunto:

Conselheiro: "Gestão Taques é fracasso ético e administrativo"


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2018
10.12.18 17h16 » TJ libera Paulo Taques para baile de formatura do filho
10.12.18 14h45 » Juiz determina retorno de prefeita ao citar irregularidade em afastamento
10.12.18 11h00 » TJMT adquire detectores de metal para as 79 comarcas
07.12.18 15h25 » TJ vê culpa de passageira que perdeu o braço e reduz indenização
06.12.18 17h30 » Ex-vereador de Cuiabá e mais oito são condenados à prisão
03.12.18 13h55 » Juiz nega inclusão de 2 empresas em recuperação de grupo
03.12.18 13h02 » Deputados devem se defender contra decisão que aceitou denúncia
Novembro de 2018
30.11.18 17h15 » TJ mantém condenação de mãe que fez filha comer fezes em MT
29.11.18 16h03 » TJ impõe multa a Romoaldo após condenação por improbidade
29.11.18 15h55 » Juiz condena oficial de justiça por reter citação de réu por 540 dias



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet