Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
J. Estadual / "MÁ-FÉ"

Tamanho do texto A- A+
07.08.2017 | 17h10
Mulher processa Sky por ter nome negativado e acaba condenada
A empresa de TV por assinatura anexou aos autos áudio que provava débito da consumidora
Marcus Mesquita/MídiaNews/Reprodução
A decisão é da juíza Lúcia Peruffo (detalhe), do Juizado Especial Cível de Cuiabá
KARINA CABRAL
DA REDAÇÃO

Uma consumidora de Cuiabá terá que indenizar a operadora de tevê fechada Sky por tê-la acusado de negativar seu nome indevidamente.

A decisão é da juíza Lúcia Peruffo, do 1º Juizado Especial Cível da Capital.

A mulher entrou com uma ação pedindo indenização por danos morais no valor de R$ 17 mil, dizendo que não possuía contrato nenhum com a empresa.

Porém a Sky afirmou que estava exercendo seu direito e provou o contrato e o débito.

“A parte promovida, por sua vez, juntou aos autos áudios em que a parte promovente confirma seu nome completo, informa o número de seu CPF e afirma que não quitou seu débito no valor de R$ 86,80, com vencimento na data de 25/09, porque não havia utilizado o serviço de internet durante o período cobrado na fatura, uma vez que ficou sem sinal, tendo inclusive que trocar o aparelho”, disse a juíza na sentença.

Segundo consta na decisão, na mesma ligação a assinante foi informada pela atendente que constava no sistema que o sinal de internet dela havia sido cortado por falta de pagamento e explicou o motivo do debito.

“Por fim, restou acordado que a parte promovente realizaria o pagamento do valor de R$ 78,12 no dia seguinte, ônus que lhe incumbia, nos termos do artigo 373, II, do Código de Processo Civil”, consta na decisão.

Com o áudio, a juíza afirmou que ficou comprovado que a assinante tinha contratado o serviço e não pago, justificando a negativação de seu nome. A mulher não contestou a decisão da juíza e ainda pediu a desistência da ação.

Lúcia Peruffo decidiu que a assinante usou a Justiça de forma indevida e sem fundamento justo e legal, visto que ela só desistiu da ação quando foi comprovada a existência de seu débito com a empresa.

Peruffo condenou a assinante por litigância de má fé, que é quando uma das partes age de forma imprudente causando dano processual à parte contrária, já que a assinante assumiu a dívida e mesmo assim quis ingressar com ação judicial.

“Portanto, havendo provas da existência de débito que foi veementemente negada na inicial, o pedido deve ser julgado improcedente, com a consequente condenação em litigância de má-fé pela alteração da verdade dos fatos”.

A assinante terá que pagar à Sky 5% do valor da causa, um total de R$ 850.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
14.12.17 15h05 » TJ rejeita denúncia contra promotor acusado de agredir ex-mulher
14.12.17 14h30 » Oito votam por aposentar e seis por absolver juiz de Cuiabá
14.12.17 10h00 » Ex-secretário é condenado a quatro anos de prisão por esquema
13.12.17 16h23 » TJ-MT determina soltura de agente do Gaeco acusado de extorsão
13.12.17 14h00 » Empresa terá que indenizar passageira que ficou sem braço
12.12.17 16h02 » Escritório cobra R$ 151,8 mil de deputado, que nega ter dívida
12.12.17 14h18 » Decolar é condenada por "encurtar" férias de turista de MT
12.12.17 10h40 » Juíza manda ação contra agente do Gaeco para Vara Militar
11.12.17 17h24 » TJ-MT lança projeto para plantar 300 mil árvores em Cuiabá
11.12.17 15h41 » Defaz lista 20 empresas "laranjas" em esquema que sonegou R$ 140 mi



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet