Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
J. Estadual / “DESCONHEÇO MENSALINHO”

Tamanho do texto A- A+
07.08.2017 | 14h12
“Muitas delações são forçadas, mal negociadas ou falsificadas”
Guilherme Maluf nega saber de repasses a deputados, conforme denúncia de Silval Barbosa
Arquivo
O deputado estadual Guilherme Maluf, que negou ter recebido delação
DOUGLAS TRIELLI E KARINA CABRAL
DA REDAÇÃO

O deputado estadual Guilherme Maluf (PSDB) disse desconhecer o pagamento de mensalinho nas gestões dos ex-governadores Blairo Maggi (PP) – hoje ministro da Agricultura – e Silval Barbosa (PMDB) para apoio da Assembleia Legislativa.

A denúncia deve constar na delação premiada de Silval, segundo revelou reportagem do jornal Folha de São Paulo na semana passada.

“Eu desconheço isso. Talvez tenha ocorrido alguns acordos políticos, que é diferente de mensalinho. Acordo político é favorecimento em cargos, emendas parlamentares, entre outros. Mas mensalinho, não”, disse o tucano, que estava na Assembleia à época em que teriam ocorrido os pagamentos.

O tucano disse que irá esperar que o ex-governador apresente as provas de suas denúncias. Segundo a Folha, o peemedebista teria um vídeo que mostra parlamentares recebendo dinheiro em espécie.

Deve haver uma harmonização nessas delações. Muitas delas são forçadas, mal negociadas, muitas são falsificadas para terem benefício

“É o que tenho dito. As pessoas estão falando muito para se salvar, para jogar responsabilidade sobre os outros. Vamos ver as provas que ele tem para apresentar contra os deputados da Assembleia”, afirmou.

Maluf ainda criticou o instituto da colaboração premiada. Para ele, alguns usam de mentiras para se beneficiar.

“Deve haver uma harmonização nessas delações. Muitas delas são forçadas, mal negociadas, muitas são falsificadas para terem benefício. Por isso que digo que essa harmonização tem que acontecer. O Poder Judiciário deve entrar em uma fase de discussão dessas delações”, afirmou.

“O Legislativo do Brasil inteiro está sendo denunciado. O que está arranhando é o sistema político. E eu defendo uma completa transformação do sistema político do Brasil. Todos nós que estamos em mandato fomos frutos de um modo de fazer política que, acredito, não cabe mais”, completou.

A delação

Reportagem da Folha de S. Paulo, publicada na sexta-feira (4), revelou tópicos da delação premiada do ex-governador Silval Barbosa.

Segundo a publicação, são alvos o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, os senadores Wellington Fagundes e Cidinho Santos (suplente de Maggi), ambos do PR de Mato Grosso, pelo menos três deputados federais com mandatos em curso, cujos nomes a reportagem não identificou.

O ex-governador também cita repasses a conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT).

Segundo o jornal paulista, Blairo Maggi participou de um esquema na época em que era governador de Mato Grosso, para liberar dinheiro de precatórios (dívidas decorrentes de sentenças judiciais) em troca do apoio de parlamentares do Estado.

Segundo a reportagem, Silval entregou ainda um vídeo que mostra parlamentares recebendo dinheiro em espécie.

Leia mais sobre o assunto:

Silval delata Maggi e entrega vídeo com repasses a deputados


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
14.12.17 15h05 » TJ rejeita denúncia contra promotor acusado de agredir ex-mulher
14.12.17 14h30 » Oito votam por aposentar e seis por absolver juiz de Cuiabá
14.12.17 10h00 » Ex-secretário é condenado a quatro anos de prisão por esquema
13.12.17 16h23 » TJ-MT determina soltura de agente do Gaeco acusado de extorsão
13.12.17 14h00 » Empresa terá que indenizar passageira que ficou sem braço
12.12.17 16h02 » Escritório cobra R$ 151,8 mil de deputado, que nega ter dívida
12.12.17 14h18 » Decolar é condenada por "encurtar" férias de turista de MT
12.12.17 10h40 » Juíza manda ação contra agente do Gaeco para Vara Militar
11.12.17 17h24 » TJ-MT lança projeto para plantar 300 mil árvores em Cuiabá
11.12.17 15h41 » Defaz lista 20 empresas "laranjas" em esquema que sonegou R$ 140 mi



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet