Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Se agente público pode agir de forma discricionária, Constituição censura atitudes incoerentes
J. Estadual / OPERAÇÃO VENTRÍLOQUO

Tamanho do texto A- A+
11.04.2017 | 17h27
Justiça manda delator pagar dívida de aluguel
Júlio Cesar Domingues Rodrigues havia feito acordo judicial com imobiliária
Marcus Mesquita/MidiaNews
Júlio Cesar Rodrigues já possui dívida de R$ 340 mil, oriunda de acordo de delação
LAURA NABUCO
DA REDAÇÃO

A juíza Ana Paula da Veiga Carlota Miranda, da Quinta Vara Cível de Cuiabá, deu prazo de 15 dias para que o advogado Júlio Cesar Domingues Rodrigues, delator da segunda fase da Operação Ventríloquo, pague uma dívida de aluguel com a CVL Imóveis LTDA.

A decisão é datada do último dia 3 e tem como base um acordo de conciliação firmado em novembro do ano passado. Nele, Rodrigues se comprometia a quitar uma dívida de R$ 80,6 mil de forma parcelada.

Conforme o acordo, o advogado pagaria à imobiliária uma entrada de pouco mais de R$ 8 mil em dezembro de 2016 e o montante remanescente seria parcelado em 12 vezes de R$ 6.046. As parcelas deveriam ser depositadas até o dia 10 de cada mês, a partir de janeiro deste ano.

Porém, tal acordo não teria sido cumprido em sua totalidade pelo advogado. Desta forma, a juíza Ana Paula da Veiga - que não especificou qual o montante atual da dívida - decidiu que se a dívida não for quitada em 15 dias, será acrescida de multa de 10%, além de honorários advocatícios no mesmo percentual.

"Em caso de pagamento parcial, a multa e honorários recairá somente sobre o saldo remanescente. Por fim, se o devedor não efetuar tempestivamente o pagamento voluntário, expeça-se mandado de penhora e avaliação, seguindo-se os atos de expropriação", diz trecho da determinação.

Dívida de delação

Júlio César Rodrigues é réu confesso de suposto esquema que teria desviado R$ 9,4 milhões da Assembleia Legislativa, em 2014, por meio de pagamentos indevidos e superfaturados ao então advogado do HSBC e primeiro delator da Operação Ventríloquo, Joaquim Fabio Mielli Camargo.

Como parte de seu acordo de colaboração premiada, Julio César Rodrigues se comprometeu com o Ministério Público Estadual (MPE) a devolver R$ 340 mil aos cofres do Estado. O pagamento foi parcelado e a primeira parte, no valor de R$ 42,5 mil, venceu no último dia 30. 

A princípio, a dívida seria quitada em cinco parcelas anuais, que se encerrariam em 2021. O advogado, no entanto, alegou “dificuldades econômicas”, o que fez o MPE ampliar o prazo até 2024, dividindo o débito em oito prestações.

Em sua delação, além de confessar os crimes, Julio César entregou vídeos à em que ele aparece conversando sobre o esquema com o deputado estadual Romoaldo Júnior (PMDB). Em outra, ele conversa com o então assessor de Romoaldo, Francisvaldo Pacheco e, no terceiro vídeo, a conversa foi com Joaquim Mielli, cuja delação pode ser anulada por, em tese, ter ocultado a participação do parlamentar e do assessor (veja os vídeos AQUI).

A operação

De acordo com a denúncia do Ministério Público, entre 2013 e 2014, os deputados Romoaldo Júnior e Mauro Savi, em parceria com o ex-deputado José Riva e os demais acusados, - Francisvaldo Mendes Pacheco, Julio Cesar Domingues Rodrigues, Anderson Flavio de Godoi , Luiz Marcio Bastos Pommot e Joaquim Fábio Mielli Camargo - teriam constituído "organização criminosa" estruturalmente ordenada com objetivo de "saquear os cofres" da Assembleia.

Com a colaboração de outras pessoas ainda não identificadas, "teriam se apropriado ilicitamente de recursos do Legislativo em proveito próprio". No período compreendido entre fevereiro e abril de 2014, R$ 9.480.547,69 teriam sido desviados da Assembleia Legislativa.

Ainda segundo o MPE, no mesmo período os acusados teriam ocultado e dissimulado a natureza e a origem dos valores, contando com o auxílio dos empresários e assessores parlamentares José Antonio Lopes, Ana Paula Ferrari Aguiar, Claudinei Teixeira Diniz, Marcelo Henrique Cini, Cleber Antônio Cini, Valdir Daroit, Leila Clementina Sinigaglia Daroit, Odenil Rodrigues de Almeida e Edilson Guermandi de Queiroz, todos denunciados na ação.

Foi requerida a condenação do grupo ao pagamento de indenização pelos prejuízos materiais sofridos pelo erário, além da condenação pelos danos morais coletivos sofridos pelo Estado. A indenização foi fixada no montante de R$ 10 milhões, cujo valor deverá ser investido em prol das áreas de saúde e educação.

Leia mais sobre o assunto:

Perícia comprova autenticidade de gravações feitas por delator


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Maio de 2017
22.05.17 14h23 » TJ não reverte quebra de sigilo fiscal e telefônico de advogado
22.05.17 14h13 » Agente alega que emprestou dinheiro para delator; TJ nega soltura
22.05.17 09h33 » TJ-MT nega indenização a compositor cuiabano
22.05.17 08h51 » Juiz nega pedido para alvo do Gaeco viajar com dupla sertaneja
20.05.17 11h09 » Tribunal de Justiça instala Vara Criminal em Nova Mutum
18.05.17 08h50 » Grampos ilegais podem anular ação contra traficantes, diz TJ
17.05.17 17h55 » Leia as decisões que autorizaram “barriga de aluguel”
17.05.17 17h50 » Nadaf explica divisão de propina de R$ 3,5 milhões
17.05.17 14h21 » Juíza mantém prisão de Silval, João Emanuel e mais cinco
17.05.17 14h16 » "É quase impossível detectar fraudes nos pedidos", diz Amam



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet