Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
J. Estadual / SUSPEITAS DE FRAUDE

Tamanho do texto A- A+
04.04.2017 | 18h03
TJ decide sobre auditoria nas contas de usinas
Juntas, as duas devem R$ 275,5 milhões para a Previdência Social
Reprodução
Foto da Usina Pantanal, que foi adquirida pela Usina Porto Seguro
DA REDAÇÃO

A Quinta Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT) volta a julgar nesta quarta-feira (05.04) o agravo de instrumento que tenta barrar o pedido de investigação nas contas da Usina Porto Seguro, suspeita de ter praticado fraudes na operação que transferiu para ela todos os ativos da Usina Jaciara S/A e Usina Pantanal de Açúcar e Álcool Ltda.

O desembargador relator, Carlos Alberto Alves da Rocha, já apresentou parecer favorável à investigação. Já o primeiro vogal, desembargador Dirceu dos Santos, votou pelo provimento do agravo, descartando o pedido de auditoria nas contas das usinas. Nesta sessão, a desembargadora Cleuci Terezinha Chagas vai apresentar seu voto de desempate.

A auditoria nas contas foi determinada pelo juiz Valter Fabrício Simioni da Silva, da 2ª Vara Cível de Jaciara, e pode trazer para dentro da recuperação judicial não apenas os ativos que foram arrematados, mas, também, outros ativos da Usina Porto Seguro e até mesmo de seus sócios, os advogados Micael Heber Mateus e Michael Hebert Matheus.

Em levantamento disponibilizado recentemente pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, a Usina Pantanal deve R$ 119,6 milhões enquanto a Usina Jaciara é devedora de R$ 80,5 milhões. Os direitos trabalhistas e da União Federal foram retirados por conta da transferência dos ativos das usinas que estão em recuperação judicial.

Os bens das usinas Jaciara e Pantanal foram adquiridos pela empresa Porto Seguro, no valor de R$ 200 milhões, parcelados em doze prestações anuais e com a reversão dos recursos em favor dos credores, ficando excluídos da lista os credores trabalhistas e os débitos previdenciários. De acordo com o advogado Cleuber Alioni, que representa os sócios fundadores das Usinas Jaciara e Pantanal, esse valor da aquisição nunca foi pago.

Os documentos juntados no processo mostram que, antes mesmo da realização das audiências entre os credores e a oficialização da negociação, os sócios das usinas Jaciara e Pantanal já teriam formalizado, em janeiro de 2014, um secreto documento de alienação de todos os seus ativos patrimoniais à empresa Atrium S. A. – Incorporadora e Construtora, ligada aos advogados e administradores da Porto Seguro. O magistrado apontou um suposto “conluio fraudulento” no contrato de compra e venda dos ativos das empresas em recuperação.

A negociação com a Atrium teria ocorrido sem qualquer autorização judicial ou dos credores das usinas em recuperação. Por conta das alegações, o magistrado determinou o bloqueio cautelar dos bens das usinas que a Porto Seguro arrematou no leilão fraudado. “Disseram que todos os débitos seriam quitados mediante a disponibilização do patrimônio das empresas e também das pessoas físicas, mas, os ativos estavam sendo alienados sem o pagamento dos débitos”, afirmou Alioni.

A decisão foi mantida pelo Tribunal de Justiça do Estado do Mato Grosso. A Polícia Federal em Rondonópolis instaurou inquérito para apurar prováveis crimes contra os interesses da União.

Julgamento

Na mesma sessão, vai a julgamento os embargos de declaração no agravo de instrumento julgado no ano passado em que a Usina Porto Seguro visava afastar o bloqueio dos bens transferidos das Usinas Jaciara e Pantanal. O desembargador Dirceu dos Santos votou pelo provimento dos embargos, novamente em contradição com o voto do relator, desembargador Carlos Alberto, que rejeitou o recurso. Caberá à desembargadora Cleuci Terezinha Chagas proferir o voto que definirá o julgamento.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
12.12.17 16h02 » Escritório cobra R$ 151,8 mil de deputado, que nega ter dívida
12.12.17 14h18 » Decolar é condenada por "encurtar" férias de turista de MT
12.12.17 10h40 » Juíza manda ação contra agente do Gaeco para Vara Militar
11.12.17 17h24 » TJ-MT lança projeto para plantar 300 mil árvores em Cuiabá
11.12.17 15h41 » Defaz lista 20 empresas "laranjas" em esquema que sonegou R$ 140 mi
11.12.17 14h06 » Justiça extingue ação contra suspeita de ameaçar e difamar juíza
11.12.17 10h23 » MT espera receber R$ 150 mi de empresas delatadas por Silval
10.12.17 08h00 » Juiz libera mãe de menores mantidos em cárcere
09.12.17 15h00 » Juíza nega absolvição a agente do Gaeco preso na Convescote
08.12.17 15h03 » Confira os plantonistas do feriado e fim de semana



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet