Artigos
Enquetes

Você acha que a Lava Jato corre o risco de ser inviabilizada pela lentidão da Justiça?

  • Sim
  • Não
Terça, 04 de abril de 2017, 17h43

Tamanho do texto A- A+
J. Estadual / JÚRI POPULAR
"Sandro Louco” será o 1º julgado por videoconferência
Decisão judicial considerou a alta periculosidade do réu, além dos custos de deslocamento do PR
Reprodução
Sandro "Louco", acusado de ser o líder do Comando Vermelho em MT
VINICIUS MENDES
DA REDAÇÃO

O latrocida Sandro da Silva Rabelo, de 50 anos, conhecido como "Sandro Louco”, vai a júri popular no dia 27 de junho, por meio de videoconferência. A medida foi necessária porque ele é considerado de alta periculosidade, além de economizar recursos públicos.

O réu já soma 15 condenações que acumulam mais de 200 anos.

A decisão é da juíza Mônica Catarina Perri Siqueira, que atua na 1ª Vara Criminal de Cuiabá. Este será o primeiro júri popular realizado por videoconferência em Mato Grosso.

A juíza escolheu esta forma de julgamento também pelo alto custo para trazer o réu à Capital. No momento, Sandro está preso na Penitenciária de Segurança Máxima de Catanduvas (PR).

“(...) Seu recambiamento até esta capital, a fim de participar do julgamento (…) exigirá inúmeras providências envolvendo um grande aparato policial e dispêndio financeiro por parte do Estado de Mato Grosso”, diz trecho da decisão.

Sandro será julgado pelo assassinato de Pedro Raimundo de Oliveira, dentro da Penitenciária Central do Estado. O crime aconteceu no dia 2 de janeiro de 2015, conforme acusação do Ministério Público Estadual.

“Ressalta-se que o modo brutal e covarde como os réus produziram a morte da vítima, revela periculosidade não só pela forma violenta e desprezível, mas também pelo fato de ele [a vítima] estar desarmado e indefeso”, afirma a juíza em sua decisão.

Ele também é acusado de ser o líder do Comando Vermelho em Mato Grosso e de ter envolvimento com o traficante Fernandinho Beira-Mar (do PCC).

“[Sandro Louco] poderá colocar em risco a segurança nos presídios desta cidade, principal razão da sua transferência para a Penitenciária de Segurança Máxima de Catanduvas/PR” diz a decisão.

Beira-Mar também já foi julgado por videoconferência em 2016.

Ele cumpre pena na Penitenciária Federal de Porto Velho (RO) e o julgamento foi realizado no Rio de Janeiro.

Histórico de fugas

Sandro “Louco” foi preso pela primeira vez no ano 2000, após assaltar um banco em Várzea Grande, mas conseguiu fugir no mesmo ano.

Ele saiu da cadeia pela porta da frente e ainda levou as armas dos policiais que faziam a guarda do local.

Ao ser recapturado e encaminhado para o Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC), escapou novamente.

A nova prisão aconteceu apenas em fevereiro de 2002, quando o levaram para a PCE.

Em 2003 foi transferido para o Presídio Major Eldo Sá Corrêa (Mata Grande), em Rondonópolis (212 km ao sul de Cuiabá), e novamente conseguiu fugir.

A última prisão ocorreu no ano de 2005.

Ele ficou cerca de 6 meses em uma unidade prisional de São Paulo.

Ao voltar para Mato Grosso, foi levado para Água Boa (730 km ao leste da Capital), onde liderou a rebelião em que cometeu o assassinato pelo qual será julgado.

Ele foi transferido para a unidade de segurança máxima em Catanduvas (PR) no início do ano de 2007.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Abril de 2017
22.04.17 17h32 » Juíza nega novamente liberdade a ex-assessor de Silval
22.04.17 17h27 » Juíza nega desbloqueio de imóvel de empresa citada
22.04.17 09h26 » TJ-MT barra chance de juiz recorrer ao STJ e STF
21.04.17 11h59 » Estado terá que indenizar suplente de deputado em R$ 10 mil
20.04.17 17h26 » Delegada confirma que prefeita é investigada no TJ
20.04.17 15h00 » Laboratório é condenado por erro em exame clínico
20.04.17 14h29 » Vídeos são "carta na manga" de Silval em delação
19.04.17 11h26 » Juiz mantém nula estabilidade de ex-secretário da AL
19.04.17 11h13 » Juíza atende defesa e proíbe imagens de Cursi em audiências
19.04.17 10h47 » TJ-MT mantém cobrança de ICMS sobre tarifas de energia



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet