Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"

Tamanho do texto A- A+
16.05.2018 | 08h58
Políticos na mira
Doleiro de megatraficante faz delação premiada
DA REDAÇÃO
Luiz Carlos da Rocha

Luiz Carlos da Rocha (detalhe), que usava os serviços do doleiro, foi preso no ano passado

O doleiro Carlos Alexandre Souza Rocha, o “Ceará”,  que atuava para o megatraficante de Mato Grosso Luiz Carlos da Rocha, o “Cabeça Branca”, já fechou acordo de delação premiada.

Em seu acordo, Rocha disse ter feito repasses para políticos como os senadores Aécio Neves (PSDB), Renan Calheiros (MDB), Fernando Collor de Melo (PTC) e Randolfe Rodrigues (Rede).

A PF suspeita que o dinheiro lavado para o megatraficante, preso em Sorriso (MT) em 2017, tenha sido usado para pagar propina a políticos de vários Estados, ainda que estes políticos não soubessem a origem dos recursos.

"O criminoso que vai receber propina não vai perguntar: 'Isso é do tráfico de drogas?'. O dinheiro sujo não tem origem nem dono, usa-se para fazer o que precisa ser feito no mundo do crime", afirmou o delegado da PF Roberto Biasoli, que investiga o caso.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet