Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
/ REAJUSTE AMEAÇADO

Tamanho do texto A- A+
16.05.2018 | 09h02
Governo diz que irá recorrer para assegurar pagamento de RGA
Em nota, secretário da Casa Civil pede tranquilidade a servidores; duas parcelas já foram pagas
DA REDAÇÃO

O Governo do Estado anunciou que irá recorrer da decisão do Tribunal de Contas (TCE-MT) que barrou o pagamento da próxima parcela do Reajuste Geral Anual (RGA) aos servidores estaduais.

Em nota, o secretário Júlio Modesto (Casa Civil) disse que os servidores não terão prejuízos, uma vez que já foram pagas as duas primeiras parcelas do reajuste: 2,19% em novembro de 2017 e 2,19% em abril de 2018.

"A decisão [do TCE] incidiria sobre a última parcela, que deverá ser paga em setembro deste ano. Conforme a decisão, o Estado tem 15 dias para se manifestar", diz a nota, em um trecho. 

Queremos tranquilizar o servidor, pois as parcelas que já estão pagas foram incorporadas ao salário

O secretário pediu para o servidor "se tranquilizar". Segundo ele, até setembro haverá "tempo para mostrar ao TCE" as justificativas técnicas da concessão.

“Queremos tranquilizar o servidor, pois as parcelas que já estão pagas foram incorporadas ao salário. A próxima parcela é em setembro, então teremos tempo para mostrar ao TCE as medidas que apoiaram a nossa decisão de conceder o reajuste das perdas inflacionárias ao servidor”, disse Modesto. 

O reajuste é calculado com base na inflação anual e, em 2017, ficou em 6,58%. Em 2015, o reajuste aos servidores por perdas inflacionárias foi de 6,23% e, em 2016, chegou a 11,28%.

"Já em 2018 o reajuste será 4,19%, também com o pagamento parcelado em duas vezes, sendo 2% na folha de outubro e 2,19% na de dezembro deste ano", apontou o governo.

A nota afirma ainda que, "mesmo com uma crise financeira no país", o governo "honrou todos os acordos de aumentos salarias aprovados em 2014 e também garantiu o pagamento do RGA em sua integralidade de 2015 a 2018".

Leia mais sobre o assunto:

Conselheiro determina suspensão de RGA a servidores do Estado


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet