Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    De todo modo, é certo afirmar que não há hierarquia entre as aludidas secretarias
  • RODRIGO MUDROVITSCH
    A reforma regulatória parece visar corrigir insuficiências do modelo atual
Últimas Notícias / INTERVENÇÃO FEDERAL

Tamanho do texto A- A+
13.02.2018 | 11h43
PGE diz que pedido é “incabível” e que MT ainda não foi citado
Justiça de Mato Grosso alegou desrespeito a decisão; presidente do STF pediu explicações
Alair Ribeiro/MidiaNews
A procuradora-geral do Estado, Gabriela Novis Neves: intervenção é incabível
DOUGLAS TRIELLI
DA REDAÇÃO

A procuradora-geral do Estado, Gabriela Novis Neves, classificou como “incabível” uma eventual intervenção federal em Mato Grosso por conta de um descumprimento de decisão judicial por parte do governador Pedro Taques (PSDB).

O Estado havia sido condenado ao pagamento de honorários advocatícios no valor de R$ 1 mil, em uma ação judicial, e não apresentou embargos nem pagou a quantia.

Em nota, divulgada nesta terça-feira (13), Novis Neves disse que, conforme Constituição Federal, há a possibilidade de a Justiça Federal, autora do pedido de intervenção, requisitar o sequestro de verba pública para cumprimento da obrigação.

“O Estado de Mato Grosso entende incabível o pedido de intervenção, na medida em que a Constituição Federal e a Lei dos Juizados Especiais Federais permitem que o Poder Judiciário utilize meio coercitivo próprio para o caso descrito, qual seja, o sequestro de verbas públicas para impor o cumprimento da obrigação”, disse.

Segundo ela, o Estado ainda não foi citado e que assim que isso ocorrer irá cumprir com o pagamento. Ela chamou a quantia de “ínfima”.

A procuradora-geral afirmou que o não-pagamento indica um equívoco do Estado.

É um processo físico e o Estado ainda não foi citado. A PGE prestará informações e juntará o comprovante de pagamento

“É um processo físico e o Estado ainda não foi citado. A PGE prestará informações e juntará o comprovante de pagamento, o que torna sem objeto o pedido de intervenção, já que não haverá descumprimento de decisão judicial. O não cumprimento de pagamento de ínfima quantia a título de honorários advocatícios indica um simples equívoco e não um descumprimento contumaz”, afirmou.

“A despeito de o Estado de Mato Grosso não ter sido, até a presente data, notificado a respeito do pedido de intervenção, o próprio STF tem entendimento consolidado de que tal ato extremo somente se justifica diante de descumprimento voluntário e intencional de decisão judicial, o que não se mostra presente no caso”, completou.

Entenda o caso

A Justiça Federal de Mato Grosso protocolou uma representação no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo intervenção federal no Estado, sob a alegação de descumprimento de decisão judicial por parte do governador.

A representação está sob análise da presidente do STF, ministra Cármen Lúcia. 

O Estado havia sido condenado ao pagamento de honorários advocatícios no valor de R$ 1 mil, em uma ação judicial, e não apresentou embargos nem pagou a quantia.

Consta na representação que, em maio do ano passado, foi encaminhado um ofício ao governador, requisitando o pagamento de pouco mais de R$ 1,6 mil à parte que havia ganhado a ação.

O montante deveria ser pago num prazo de 60 dias. "O prazo para pagamento decorreu em 17/07/2017 sem cumprimento pela parte executada", diz trecho da representação.

Ainda na representação, a Justiça Federal pontuou serem “graves as consequências que existem para o governador e para o Estado, em caso de descumprimento de ordem judicial, sem justificativa”.

Além do governador, foi determinada a notificação do presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (PSB), dando conta de que, em caso de descumprimento, será pedida a intervenção no Estado.

A Justiça Federal pediu ainda que o Ministério Público Federal (MPF) e Estadual (MPE) sejam comunicados sobre o crime de responsabilidade supostamente praticado pelo governador.

Leia mais sobre o assunto:

Justiça Federal pede intervenção em MT por desrespeito a decisão


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Maio de 2012
07.05.12 14h06 » Ministros do STF e STJ não são investigados, diz Gurgel
07.05.12 13h32 » Efeito demissão
07.05.12 11h37 » STJ não homologa sentença alemã sobre guarda
07.05.12 11h01 » Nova lei do agravo não dispensa cópias obrigatórias em recurso
07.05.12 10h06 » Audiência pública da Lei Seca tem início nesta segunda-feira
07.05.12 09h35 » Dezenove juízes participam de concurso de promoção
07.05.12 09h14 » Disputa na OAB
07.05.12 08h37 » Justiça Federal libera procuradores de cumprir ponto
07.05.12 08h24 » MPF propõe acordo de desmatamento zero na Amazônia
07.05.12 08h20 » Plenário pode votar PEC do Trabalho Escravo na terça-feira



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet