Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    O Judiciário dará solução imediata ao cidadão ou à pessoa jurídica, quando houver ameaça à violação de direito
  • EDUARDO MAHON
    Há nomes que merecem permanecer na memória da Cultura de Mato Grosso; já outros...
MPE / INDENIZAÇÃO

Tamanho do texto A- A+
14.11.2017 | 08h29
Advogado é condenado por se apropriar de R$ 190,3 mil de idosos
Fabiano Giampetro Morales teria retido valores de clientes sem dar explicações aos clientes
MidiaNews
Condenação a advogado atendeu pedido do Ministério Público Estadual
DA REDAÇÃO
A Justiça julgou procedente ação proposta pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso e condenou o advogado Fabiano Giampietro Morales ao pagamento de indenização,  a título de danos materiais e morais, a 10 idosos no Município de São José dos Quatro Marcos. O valor será calculado na fase de execução de sentença.

A sentença, à qual cabe recurso, foi proferida na ação em que o advogado é acusado de ter se apropriado indevidamente de verbas de natureza previdenciária que pertenciam a seus clientes.
 
De acordo com o Ministério Público, a defesa do advogado alegou que ele teria sido contratado pelos idosos para ajuizar as ações e receber 30% dos valores referentes às parcelas retroativas dos benefícios previdenciários, o que na prática não aconteceu.

“Contudo o que se observou é que o advogado apropriou-se integralmente de todos os valores atrasados dos benefícios previdenciários de seus clientes causando a eles prejuízo que se somado chega a  R$ 190.306, isso se já descontado o valor que o advogado teria direito a receber", afirmou a promotora de Justiça Carina Sfredo Dalmolin.

Segundo a promotora, todos os idosos declararam que tentaram por diversas vezes entrar em contato com o advogado para receber o que lhes era de direito, porém, nunca o encontravam no escritório, tampouco conseguiam contatá-lo via telefone.
 
Alguns ainda relataram que quando conseguiram falar com o profissional ele fez promessas de repasse imediato do montante devido, contudo as promessas nunca se concretizaram.

A promotora explica que ao ser contactado pela Promotoria de Justiça o advogado não demonstrou interesse em solucionar o problema, fato que levou o MP a ingressar com a ação.
 
Ela destaca que “a Constituição da República apregoa ao Ministério Público competência para proteger os interesses difusos e coletivos, porquanto a instituição ministerial reveste-se dos atributos necessários para perseguir a adequada tutela jurisdicional. Ademais, o Estatuto do Idoso autoriza que o Ministério Público ajuíze ação civil visando defender direito individual indisponível do idoso, sobretudo por ter restado demonstrada nos autos a precariedade da situação dos idosos e a violação aos seus direitos fundamentais”.

Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2011
04.12.11 08h41 » Deficiências orçamentárias não são impasses, diz Ferra
02.12.11 14h41 » Prado se ausentará e conselho não votará arquivamento
01.12.11 18h06 » Fórum de Interlocução discute combate à corrupção
Novembro de 2011
27.11.11 17h37 » Sede do Conselho do MP custará R$ 73 milhões
27.11.11 11h04 » Ministério Público quer fechar supermercado Comper
25.11.11 17h04 » MPE obtém liminar que exonera parentes de prefeito e vereador
21.11.11 22h28 » Prado defende competência do MPE para investigar senador
21.11.11 19h15 » MPE-MT denuncia 6 pessoas por sequestro e assassinato
19.11.11 18h26 » "O Ministério Público não é o salvador da pátria"
11.11.11 10h47 » Após uso ilegal, governo de MT "toma" maquinários



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet