Artigos
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    O habeas corpus protocolado em favor do ex-presidente Lula começou juridicamente errado
Artigos / VICTOR MAIZMAN

Tamanho do texto A- A+
13.04.2018 | 10h30
A pátria de toga
Nunca antes o brasileiro acompanhou tão de perto os lances do Supremo Tribunal Federal
VICTOR MAIZMAN

Nelson Rodrigues no auge da sua ironia escreveu “A pátria de chuteiras”, uma coletânea de crônicas sobre a paixão brasileira pelo futebol. No primeiro livro, o aludido escritor mostrava como o Brasil superou o complexo de vira-lata alimentado pela derrota na copa de 1950, com as brilhantes vitórias nas Copas de 1958, 1962 e 1970.

As crônicas de "A pátria de chuteiras" se estendem até 1978, quando o Brasil voltou a conhecer a derrota e, para desgosto de Nelson, readquiriu o 'complexo de vira-lata'.

Pois bem, em ano de Copa do Mundo, é comum todos saberem o nome dos onze jogadores que representaram o futebol penta campeão.

Todavia, na última semana na oportunidade do julgamento do pedido de habeas corpus impetrado à favor de Luís Inácio, a TV JUSTIÇA teve uma audiência invejável.

Nas ruas, através dos aparelhos celulares, nos bares, nas casas, no trabalho, enfim, todos apostando como aquele ou aquela Ministra iria votar sobre o caso em questão

Nas ruas, através dos aparelhos celulares, nos bares, nas casas, no trabalho, enfim, todos apostando como aquele ou aquela Ministra iria votar sobre o caso em questão.

Independente de quem estava torcendo para quem, o fato é que para cada voto dado era um misto de comemoração ou frustração, ou seja, todos sabem o nome de cada um dos Ministros da Suprema Corte, mais do que os onze jogadores que certamente irão representar a seleção brasileira na Copa que acontecerá daqui dois meses.

O certo é que com o avanço tecnológico e principalmente cultural, o brasileiro começou a entender como funciona o julgamento perante um Tribunal.

Aliás, é importante dizer que todas as sessões do Pleno do STF são transmitidas ao vivo e trazem julgamentos de questões relevantes para toda a sociedade, dentre elas as questões de ordem tributária, que em sua grande maioria, tem o condão de atingir todos os contribuintes.

Nesse contexto, a publicidade dos julgamentos dos Tribunais, principalmente do STF, é um avanço democrático que faz com que a população tenha acesso ao entendimento de cada um dos julgadores.

Trata-se da garantia constitucional da publicidade dos atos emanados dos Poderes da República.

Assim, podemos dizer, parafraseando Nelson Rodrigues, que o Brasil é também uma Pátria de Togas.

VICTOR MAIZMAN é advogado e consultor jurídico.

 


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Janeiro de 2012
25.01.12 16h19 » Controle da Magistratura
25.01.12 09h07 » Reconciliação
24.01.12 20h42 » La trata
24.01.12 17h03 » Tradição protetiva
22.01.12 10h26 » Retrospectiva da Ordem
21.01.12 08h19 » "Zona cinzenta" da Justiça
20.01.12 16h59 » O juiz e o holofote
20.01.12 09h37 » O CNJ, o Coaf e os reclamantes
19.01.12 11h30 » Alteração artigo 6º do CLT
18.01.12 15h31 » Justiça tardia não é justiça!



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet