Artigos
  • RENATO NERY
    Não é sem motivo que se tornou um grande jornalista. Não sei se ele perseguia as notícias ou se estas o perseguiam
  • LEOMAR DARONCHO
    A “Reforma” não toca na questão do aperfeiçoamento e das possibilidades da efetiva atuação sindical
T. Superiores / US$ 28 MILHÕES

Tamanho do texto A- A+
20.04.2017 | 15h31
STJ homologa sentença da Justiça irlandesa contra a Vasp
Condenação se deve a descumprimento de contrato com empresa da Irlanda
Reprodução
Vasp alegou que teve sua falência decretada em 2008
DA ASSESSORIA

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) homologou sentença da Justiça da Irlanda que condenou a Viação Aérea São Paulo (Vasp) ao pagamento de mais de US$ 28 milhões por descumprimento de contrato com empresa aérea do país europeu. A decisão foi unânime.

O pedido de homologação foi apresentado pela empresa Aercap Ireland Limited, beneficiária de sentença proferida em ação de indenização contra a Vasp na Irlanda, após descumprimento de obrigações firmadas pela companhia brasileira em oito contratos de arrendamento de aeronaves da empresa irlandesa.

Segundo a Aercap, a ação foi proposta na Irlanda em cumprimento à cláusula de eleição de foro estabelecida nos contratos, e não cabe mais recurso da sentença condenatória.

Competência

Contra o pedido de homologação, a Vasp alegou que teve sua falência decretada em 2008, cabendo, desde então, ao juízo da Vara de Falências de São Paulo o julgamento das ações em desfavor da companhia no exterior.

Em relação à competência do juízo universal da falência, o ministro relator, Og Fernandes, esclareceu que, conforme prevê o artigo 6º da Lei 11.101/05, as ações que tenham por objeto quantia ilíquida terão prosseguimento no juízo em que estiverem tramitando.

“Ora, se assim ocorre para os casos ajuizados perante a Justiça brasileira, nenhum óbice haverá para aquelas demandas interpostas na jurisdição estrangeira”, apontou o ministro.

Jurisdição alternativa

No voto, que foi acompanhado de forma unânime pela Corte Especial, o relator também afastou a alegação da competência da vara de falências ao destacar que os contratos firmados pelas companhias aéreas previam que eventuais discussões judiciais seriam submetidas ou à Justiça da Irlanda ou à Justiça de São Paulo, alternativamente.

“Assim sendo, a Justiça da Irlanda detinha, igualmente, jurisdição sobre o caso e, tendo sido acionada, pôde exercer plenamente sua competência para decidir a demanda”, concluiu o ministro relator ao deferir o pedido de homologação da sentença irlandesa.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Novembro de 2011
20.11.11 19h30 » MPT-MT assina Carta para reprimir terceirização na Copa de 2014
20.11.11 18h00 » STJ anuncia projeto para dar mais efetividade ao julgamento
20.11.11 16h17 » Quebrado sigilo fiscal e bancário do ex-ministro dos Esportes
20.11.11 14h56 » STJ avalia limites na relação entre pais e filhos
20.11.11 13h32 » E-mails contundentes da chefia não caracterizam assédio moral
20.11.11 13h27 » Empregados da Dataprev não vão encerrar greve
19.11.11 10h36 » STJ autoriza quebra de sigilo de ex-ministro e governador
17.11.11 10h05 » Denúncia anônima é legítima para iniciar investigação
16.11.11 16h43 » Professor é indenizado por postagem indevida
11.11.11 10h17 » STJ limita reclamações contra decisões da Justiça especial



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet