Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
Últimas Notícias / CASO MÉDICA

Tamanho do texto A- A+
12.06.2018 | 09h57
Peritos alegam fraude em laudo paralelo e fazem denúncia ao MPE
Análise disse que carro de médica estava a mais de 95 km/h no momento do acidente
Alair Ribeiro/MídiaNews
O presidente do Sindpeco, Antônio Magalhães
CÍNTIA BORGES
DA REDAÇÃO

O Sindicato dos Peritos Oficiais Criminais de Mato Grosso (Sindpeco) irá protocolar uma representação criminal contra a empresa Forense Lab, responsável pelo laudo independente sobre o atropelamento do verdureiro Francisco Lúcio Maia, ocorrido em abril.

Segundo a entidade, o documento paralelo  que apontou que a médica Letícia Bortolini conduzia seu carro a mais de 95 km/h quando atropelou e matou o verdureiro  tem trechos inteiros copiados de perícia anterior, realizada pela Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec). A denúncia será encaminhada ao Ministério Público Estadual.

“Não temos como acreditar minimamente no laudo final, uma vez que é uma cópia de dados realizados por um outro parecer técnico feito em 2014. [...] As cópias do estudo foram integrais. Há trechos inteiros do laudo feito há quatro anos. É impossível dois casos terem medidas, ângulos iguais”, disse o presidente do Sindipeco, Antônio Magalhães.

Alair Ribeiro/MidiaNews

Coletiva Sindicato Politec

Vice-presidente do Sindpeco, Alisson Trindade

O estudo alternativo foi solicitado pelo delegado Christian Cabral, da Delegacia Especializada de Delitos de Trânsito (Deletran), após laudos emitidos pela Politec sugerirem que a velocidade do veículo poderia ser de 30 km/h.

Os peritos negaram que essa afirmação fosse conclusiva e classificaram como “errôneos” os questionamentos do delegado.

O suposto plágio foi detectado quando um perito da Politec teve acesso ao laudo e, ao examiná-lo, teve a certeza de que o trabalho havia sido realizado por ele em 2014, no caso do atropelamento de um promotor no interior do Estado.

“A análise dessa perícia foi realizada em cima de imagens, como a feita em 2014 pelo perito oficial. Nessa confecção de laudo, o perito divide o trecho em quadros e os analisa. Os quadros, os números dos quadros não iguais. Qual a probabilidade de dois vídeos diferentes terem a mesma quantidade de quadros?”, indaga Magalhães.

O responsável técnico pelo estudo da Forense Lab é o perito afastado Thyago Jorge Machado. De acordo com o sindicato, a realização de estudos criminais particulares por peritos é proibida pela legislação. 

“Não é a primeira vez que esse colega faz isso. Já tem ao menos três processos na corregedoria contra ele”, disse o perito Jaime Trevisan.

Caso acatada a denúncia, o Ministério Público deve investigar como o servidor teve acesso ao estudo realizado em 2014, mesmo estando afastando. Ele pode até ser exonerado do cargo.  

"Delegado cometeu um crime"

Conforme os peritos, o delegado cometeu crime quando pediu laudo a uma empresa privada, antes mesmo da análise das imagens do atropelamento pela Politec ser encaminhada à delegacia.

“Pelas regras do Código de Processo Penal, ele não poderia ter feito esse pedido”, disse vice-diretor do sindicato, Alisson Trindade.

Veja imagem comparativa apresentada pelo sindicato:


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
17.10.18 16h10 » Advogado é filmado agredindo colega de profissão em MT
17.10.18 09h50 » Ex-presidente Lula é condenado a pagar multa em processo
17.10.18 09h45 » Cabo da PM confessa que foi a boate e pede para não ser preso
17.10.18 09h27 » Ainda sobre o Fethab
17.10.18 09h25 » Motivações da Justiça
16.10.18 15h04 » TCE suspende pregão de R$ 8,5 milhões da Prefeitura de Cuiabá
16.10.18 15h01 » Consórcio pede que Justiça proíba eventos na Arena Pantanal
16.10.18 14h57 » Gaeco: delegado e policiais usavam sacolas para asfixiar vítimas
16.10.18 14h42 » Loja manda deficiente auditivo desbloquear cartão por telefone
16.10.18 14h33 » Juiz proíbe Arcanjo de dormir nos finais de semana em fazenda



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet