Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Os herdeiros devem saber que não receberão de forma gratuita os bens deixados por quem partiu dessa para melhor
  • XÊNIA ARTMANN GUERRA
    “Evoluímos” para a repulsiva situação de uma advogada ser presa e algemada dentro de um fórum no exercício da profissão
  • JEAN CARVALHO
    Atribuo, sob a minha ótica, a responsabilidade da dificuldade passada pelo Poder Judiciário ao próprio Judiciário
Últimas Notícias / RAIO-X

Tamanho do texto A- A+
12.10.2017 | 13h35
Vereador quer explicação sobre as 460 exonerações na Câmara de Cuiabá
Gilberto Figueiredo requer à Mesa transparência sobre decisão que causou polêmica no Legislativo
Alair Ribeiro/MidiaNews
O vereador Gilberto Figueiredo quer transparência sobre as 460 exonerações na Câmara de Cuiabá
DA REDAÇÃO

O vereador Gilberto Figueiredo (PSB) entrou com um requerimento, junto à Mesa Diretora da Câmara Municipal de Cuiabá, solicitando um relatório detalhado sobre a folha de pagamento do Legislativo.

Com o documento - conhecido como Lotacionograma -, o parlamentar quer saber quem são, a data de admissão e onde estavam lotados os 640 servidores da Câmara, que foram exonerados na terça-feira (10).

Os funcionários foram exonerados, segundo o presidente do Legislativo, Justino Malheiros (PV), pelo fato de o Poder não ter recebido a suplementação de R$ 6,7 milhões da Prefeitura Municipal. A medida do prefeito Emanuel Pinheiro (PMDB) foi barra pela Justiça.

Gilberto Figueiredo argumentou que seu interesse, ao pedir um lotacionograma, é dar transparência às ações administrativas do Legislativo Municipal, "em face do interesse público".

O vereador lamentou as exonerações, principalmente dos oito servidores que estavam lotados em seu gabinete. Para ele, é preciso investigar a atuação e a necessidade de cada trabalhador, para o desenvolvimento das ações legislativas.

Segundo ele, a transparência sobre a folha de pagamento da Câmara é fundamental para se esclarecer a real necessidade da suplementação orçamentária.

“É triste que tenhamos chegado a esta situação. Afinal, esta Casa precisa dos servidores para continuar a desempenhar seu papel de fiscalizador dos atos administrativos e de legislador o Município de Cuiabá”, afirmou.

Entenda a polêmica

Segundo o presidente da Câmara, Justino Malheiros (PV), as 460 exonerações ocorreram porque não há viabilidade para manter a folha de pagamentos dos servidores comissionados, considerando que não foi efetivado o repasse pelo prefeito de Cuiabá.

Em uma nota e durante entrevista, nesta semana, Malheiros afirmou que, caso não tomasse a medida, poderia ocorrer em ato de improbidade administrativa.

No último dia 5, o vereador Felipe Wellaton (PV) ajuizou ação civil popular pedindo anulação do decreto assinado pelo prefeito Emanuel Pinheiro, em relação à suplementação de R$ 6,7 milhões para a Câmara Municipal.

A Mesa da Câmara defende que o montante é necessário para que o Legislativo garanta a folha de pagamento dos servidores até dezembro deste ano e o primeiro bimestre de 2018, quando passa a valer o orçamento para aquele ano.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Setembro de 2018
24.09.18 18h06 » Presidente do TJ arquiva investigação criminal contra Botelho
24.09.18 17h56 » Justiça manda construtora pagar R$ 384 mil a empreiteira em MT
24.09.18 15h56 » Juiz condena à prisão ex-chefe de gabinete de Riva e contadores
24.09.18 15h44 » Taques perde tempo na TV e rádio e MM ganha direito de resposta
24.09.18 15h32 » MPE: esquema gerou mais de R$ 140 milhões em dano ambiental
24.09.18 10h20 » Caso Valéria
24.09.18 10h19 » Direito de arrependimento do consumidor
24.09.18 10h16 » Juiz leigo é a bola da vez
24.09.18 10h15 » Uma boa leitura
24.09.18 09h57 » TST mantém condenação de empresa que duvidou de gravidez



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet