Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
MPE / SUSPEITO

Tamanho do texto A- A+
05.12.2017 | 18h15
Promotor recorre ao STJ e pede nova prisão de pastor
Paulo Roberto Alves é suspeito de ter feito sexo com uma garota de 11 anos em Cuiabá
MidiaNews
Promotor de justiça Marcos Regenold Fernandes (no detalhe)
CÍNTIA BORGES
DA REDAÇÃO

O Ministério Público Estadual recorreu ao Superior Tribunal de Justiça contra a decisão que determinou a liberdade do pastor Paulo Roberto Alves, acusado de estuprar uma menina de 11 anos e outra de 16, em Cuiabá.

O recurso especial, do dia 27 de novembro, é assinado pelo promotor Marcos Regenold Fernandes, coordenado do Nare (Núcleo de Apoio para Recursos do MPE).

Na decisão que deu liberdade ao pastor, no dia 11 de outubro, a Terceira Câmara Criminal do TJ substitui a detenção por medidas cautelares alternativas, pois entendeu, entre outros pontos, que o acusado não tem qualquer antecedente criminal.

As medidas impostas pelo TJ foram: comparecimento periódico em juízo; proibição de manter contato com pessoas envolvidas no caso; proibição de ausentar-se da Comarca quando a permanência for necessária para a investigação e o recolhimento à noite.

O promotor argumenta que, mesmo não possuindo antecedentes, o pastor ainda apresenta perigo devido a seu poder de argumentação e influência.  

“Ora, é inegável que, nessa condição, o Recorrido tem enorme poder de persuasão e de influência sobre os fiéis, chegando a ser considerado, pelos menos providos de intelecção, como enviado divino, circunstância que lhe favorece à prática de delitos sexuais, desumindo-se disso, a sua evidente periculosidade ao convívio social”, diz trecho do recurso.

Regenold ainda explica que há precedentes no STJ que autorizam a prisão preventiva em situações semelhantes à do pastor.

O promotor aponta ainda que o retorno à prisão faz-se necessária para resguardar a ordem pública. 

“Se há provas suficientes de que o Sr. Paulo Roberto Alves estaria praticando crimes de estupro de vulnerável (artigo 217-A do Código Penal) e favorecimento da prostituição ou de outra forma de exploração sexual de criança ou adolescente (artigo 218-B do Código Penal), é dever do Estado, no caso o Poder Judiciário, intervir nessa realidade, apartando esse indivíduos que desprezam totalmente as regras que regem a vida em sociedade”. 

O caso

O pastor foi preso em flagrante no dia 12 de abril e estava detido no Centro de Custódia da Capital (CCC), desde então.

PASTOR

O pastor Paulo Roberto Alves, 52 anos, foi solto no dia 18 de outubro 

De acordo com o boletim de ocorrência, o pastor foi visto por uma viatura da PM deixando duas garotas - de 11 e 16 anos - próximo a um matagal, na Avenida das Torres, na Capital.

Desconfiados, os policiais passaram a fazer o acompanhamento do carro em que o suspeito estava. Porém, ao perceber a viatura, ele fugiu em alta velocidade.

Com isso, os PMs foram até o ponto de ônibus onde as meninas foram deixadas e encontraram as duas ainda no local.

Eles questionaram as garotas, que contaram uma história e, em seguida, os policiais decidiram acompanhar as duas até o bairro onde moram.

Os pais das meninas não estavam em casa. Depois de muito insistir, as duas acabaram confessando que conheciam o suspeito há alguns dias e que, na quarta-feira (12), teriam saído para manter relações sexuais com ele, em troca de dinheiro.

A adolescente de 16 anos contou que o pastor teria ligado enquanto ela ainda estava na escola, pedindo para encontrá-la, e insistido para que levasse sua sobrinha - de 11 anos -, pois pagaria às duas a quantia de R$ 200.

A menina ainda relatou que o pastor ligou novamente assim que as deixou no ponto de ônibus, pedindo para que não contassem à polícia sobre o encontro, e que pagaria mais R$ 200 pelo silêncio de ambas.

O pastor foi preso em sua casa e encaminhado para a Central de Flagrantes de Cuiabá, onde as meninas o reconheceram como autor do crime.

No mesmo dia, ele passou por uma audiência de custódia no Fórum da Capital e teve a prisão em flagrante convertida para preventiva.

Leia mais sobre o assunto:

TJ concede liberdade a pastor acusado de estuprar adolescentes

Juiz mantém prisão de pastor acusado de abusar de duas menores 

Juiz decreta prisão preventiva de pastor acusado de estupro 


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
05.12.17 14h45 » CNMP não vê irregularidades e arquiva reclamação contra Zaque
04.12.17 16h48 » Gaeco detalha suspeitas contra novos investigados na Convescote
01.12.17 08h21 » MPE notifica Taques a contratar médicos psiquiatras para a Politec
Novembro de 2017
30.11.17 09h50 » Servidor do TCE e ex-secretário da AL são alvos do Gaeco
30.11.17 09h00 » Gaeco realiza 4ª fase e mira servidores e advogado
29.11.17 09h43 » Receita Federal pede ao Gaeco provas contra grupo de Silval
28.11.17 08h04 » MPE investiga comida estragada e falta de remédio em presídio
27.11.17 15h23 » “Líder” teria obrigado ex-procurador doente a passar R$ 166 mil
27.11.17 15h18 » MPE aciona 224 pessoas e empresas por ocupação ilegal de áreas
26.11.17 08h00 » MPE investiga Detran por contaminação de lençol d'água



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet