Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Quem exige tributo deve apontar o seu exato valor, com critérios objetivos
  • GISELE NASCIMENTO
    É assustador o tanto de mulheres que têm sido assassinadas em Mato Grosso nos últimos tempos
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    Não agir com igualdade perante todos significa um torpedo contra a própria noção de justiça
J. Estadual / “NEGUINHA SAFADA”

Tamanho do texto A- A+
14.11.2017 | 08h46
Conciliadora diz ter sido vítima de injúria racial de advogado
Thayanne Justina de Jesus registrou ocorrência contra Leandro Oliveira; ele nega as ofensas
TJMT
Polêmica ocorreu durante audiência no Fórum de Novo São Joaquim
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

A conciliadora Thayanne Justina de Jesus, que atua no Fórum de Novo São Joaquim (480 km de Cuiabá), acusou o advogado Leandro Dolzan de Oliveira de ter cometido os crimes de desacato e de injúria racial contra ela.

A acusação foi relatada em um boletim de ocorrência registrado nesta segunda-feira (13), lavrado pelo delegado Adilson Gonçalves de Macedo.

Ela contou ao delegado que havia agendado uma audiência de conciliação para as 8h desta segunda. Contudo, apenas a parte que moveu a ação compareceu no ato “e como de praxe, aguardou dez minutos para o comparecimento da outra parte”.

Decorrido o prazo, Thayanne Jesus disse que fez a audiência sem a parte contrária.

“Ao final da audiência, o advogado Leandro Dolzan de Oliveira ali se fez presente e passou a questionar o horário, sendo ao mesmo exposto que o tempo de dez minutos havia sido ultrapassado, assim, a audiência foi realizada sem a sua presença”, afirmou.

Foi quando ele [autor da ação] disse que quando eu dei as costas, o Dr. Leandro disse o seguinte: ‘Neguinha safada’

De acordo com a conciliadora, o advogado Leandro Oliveira ficou revoltado com a situação e questionou a parte autora para que fosse realizada outra audiência, mas o autor do processo não aceitou a sugestão.

Thayanne disse que também explicou para a parte autora que, caso quisesse, poderia ser realizada uma nova audiência com a presença das duas partes.

“Porém, no dado momento em que eu falava com a parte autora, o advogado Leandro disse o seguinte: ‘O que tá falando advogadinha, você não pode falar nada não, doutorinha. Você é apenas uma conciliadora!’”, afirmou.

A conciliadora relatou que, após ouvir tais comentários do advogado, virou as costas e saiu para fazer as outras audiências agendadas para aquela manhã.

Todavia, conforme Thayanne, cinco minutos depois o advogado do autor do processo chegou e perguntou ao cliente o que havia ocorrido.

“Foi quando ele [autor da ação] disse que quando eu dei as costas, o Dr. Leandro disse o seguinte: ‘Neguinha safada’”.

Após tomar conhecimento da situação, Thayanne disse que outras testemunhas a procuraram e confirmaram que, de fato, o advogado havia feito tal comentário.

A conciliadora ainda ressaltou que não foi a primeira vez que Leandro Oliveira a ofendeu.

“Ressalvo que em outras ocasiões o advogado Leandro já havia me ofendido com outras palavras, inclusive sendo interpelado pela assessora do juiz e pelo policial militar que presta serviço no Fórum. Afirmo querer representar criminalmente em desfavor do advogado Leandro Dolzan de Oliveira face aos crimes de injúria racial e desacato”.

"Manobra"

Ao MidiaNews, Leandro Oliveira negou que tenha feito comentários racistas ou desacatado a conciliadora. Ele alegou que está sendo alvo de uma "retaliação" por criticar supostas irregularidades praticadas pelos servidores que atuam no Fórum.

"É uma manobra. Foi uma retalização de uma luta que eu tenho contra servidores que querem trabalhar uma vez no mês. E ela foi lá dizendo que eu estava com prática racista. Em hipótese alguma eu a xinguei. Eu tenho parentes da cor dela, minha filha adotada é da cor dela. Nada do que ela disse condiz com a realidade", afirmou ele.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Abril de 2018
17.04.18 15h42 » Juiz manda Comper pagar R$ 142 mil por vender produtos vencidos
17.04.18 15h12 » Justiça remete ação penal contra 29 policiais para a Vara Militar
17.04.18 14h38 » Servidores podem ser presos por não analisar recursos de Mauro
17.04.18 08h12 » Desembargador do TJ defere habeas corpus e revoga prisão de médica
16.04.18 17h03 » TJ oficializa juiz Jorge Tadeu na Vara Contra o Crime Organizado
16.04.18 16h51 » Juiz aguarda parecer do MPE para decidir sobre prisão domiciliar
16.04.18 15h32 » Justiça manda bloquear R$ 6 milhões da Prefeitura de Chapada
15.04.18 17h02 » Juíza nega fiança e liberdade a médica que atropelou e matou homem
15.04.18 14h15 » Juíza condena servidor por desviar dinheiro de combustível
14.04.18 11h19 » Investigada em esquema no Detran coordena CPI dos Fundos



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet