Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
J. Estadual / “NEGUINHA SAFADA”

Tamanho do texto A- A+
14.11.2017 | 08h46
Conciliadora diz ter sido vítima de injúria racial de advogado
Thayanne Justina de Jesus registrou ocorrência contra Leandro Oliveira; ele nega as ofensas
TJMT
Polêmica ocorreu durante audiência no Fórum de Novo São Joaquim
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

A conciliadora Thayanne Justina de Jesus, que atua no Fórum de Novo São Joaquim (480 km de Cuiabá), acusou o advogado Leandro Dolzan de Oliveira de ter cometido os crimes de desacato e de injúria racial contra ela.

A acusação foi relatada em um boletim de ocorrência registrado nesta segunda-feira (13), lavrado pelo delegado Adilson Gonçalves de Macedo.

Ela contou ao delegado que havia agendado uma audiência de conciliação para as 8h desta segunda. Contudo, apenas a parte que moveu a ação compareceu no ato “e como de praxe, aguardou dez minutos para o comparecimento da outra parte”.

Decorrido o prazo, Thayanne Jesus disse que fez a audiência sem a parte contrária.

“Ao final da audiência, o advogado Leandro Dolzan de Oliveira ali se fez presente e passou a questionar o horário, sendo ao mesmo exposto que o tempo de dez minutos havia sido ultrapassado, assim, a audiência foi realizada sem a sua presença”, afirmou.

Foi quando ele [autor da ação] disse que quando eu dei as costas, o Dr. Leandro disse o seguinte: ‘Neguinha safada’

De acordo com a conciliadora, o advogado Leandro Oliveira ficou revoltado com a situação e questionou a parte autora para que fosse realizada outra audiência, mas o autor do processo não aceitou a sugestão.

Thayanne disse que também explicou para a parte autora que, caso quisesse, poderia ser realizada uma nova audiência com a presença das duas partes.

“Porém, no dado momento em que eu falava com a parte autora, o advogado Leandro disse o seguinte: ‘O que tá falando advogadinha, você não pode falar nada não, doutorinha. Você é apenas uma conciliadora!’”, afirmou.

A conciliadora relatou que, após ouvir tais comentários do advogado, virou as costas e saiu para fazer as outras audiências agendadas para aquela manhã.

Todavia, conforme Thayanne, cinco minutos depois o advogado do autor do processo chegou e perguntou ao cliente o que havia ocorrido.

“Foi quando ele [autor da ação] disse que quando eu dei as costas, o Dr. Leandro disse o seguinte: ‘Neguinha safada’”.

Após tomar conhecimento da situação, Thayanne disse que outras testemunhas a procuraram e confirmaram que, de fato, o advogado havia feito tal comentário.

A conciliadora ainda ressaltou que não foi a primeira vez que Leandro Oliveira a ofendeu.

“Ressalvo que em outras ocasiões o advogado Leandro já havia me ofendido com outras palavras, inclusive sendo interpelado pela assessora do juiz e pelo policial militar que presta serviço no Fórum. Afirmo querer representar criminalmente em desfavor do advogado Leandro Dolzan de Oliveira face aos crimes de injúria racial e desacato”.

"Manobra"

Ao MidiaNews, Leandro Oliveira negou que tenha feito comentários racistas ou desacatado a conciliadora. Ele alegou que está sendo alvo de uma "retaliação" por criticar supostas irregularidades praticadas pelos servidores que atuam no Fórum.

"É uma manobra. Foi uma retalização de uma luta que eu tenho contra servidores que querem trabalhar uma vez no mês. E ela foi lá dizendo que eu estava com prática racista. Em hipótese alguma eu a xinguei. Eu tenho parentes da cor dela, minha filha adotada é da cor dela. Nada do que ela disse condiz com a realidade", afirmou ele.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
15.10.18 15h57 » Juíza não vê provas e nega afastar secretário de Saúde de Cuiabá
15.10.18 15h38 » Assassinos de dentista pegam mais de 100 anos de prisão
15.10.18 15h03 » Acusado de matar esposa e enteada a golpes de martelo vai a júri
13.10.18 11h49 » Corregedor-geral eleito garante continuidade do trabalho
13.10.18 11h25 » Justiça absolve ex-secretário e servidor da Assembleia
11.10.18 18h01 » Presidente do TJ pede vistas e julgamento contra juiz é adiado
11.10.18 17h55 » “Reduzir, de forma nenhuma; já estamos colaborando com o Estado"
11.10.18 17h36 » Servidor que matou namorada é condenado, mas não vai preso
10.10.18 16h31 » Médica é condenada por laudo errado sobre estupro de criança
10.10.18 16h26 » Candidato único, Carlos Rocha será eleito presidente do TJ



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet