Artigos
  • MAURO VIVEIROS
    O delator estará sempre em melhores condições morais que os delatados, que costumam negar crimes contra evidências
  • VICTOR MAIZMAN
    Expediente traz insegurança jurídica, uma vez que sua edição gera efeitos, mesmo sendo provisória

Tamanho do texto A- A+
19.05.2017 | 09h25
Lista de grampos
Números iguais são atribuídos a dois alvos
DA REDAÇÃO

Dois números de telefone que tiveram seus sigilos quebrados por meio do esquema chamado de “barriga de aluguel” apareceram duas vezes na mesma lista apresentada ao juiz da Comarca de Cáceres, Jorge Alexandre Martins Ferreira, que autorizou as interceptações.

Pertencentes a Carlinhos e Gisele Bergamasco – o primeiro já está falecido e era ex-servidor da Assembleia Legislativa e o segunda é de uma funcionária da Casa Militar de Mato Grosso –, os números são apontados como sendo de três investigados diferentes.

No topo da lista, os telefones de Carlinhos e Gisele são atribuídos a suposta esposa de um sargento da Polícia Militar investigado por envolvimento em um esquema de tráfico de drogas. No final dela, aparecerem de novo, desta vez, atribuídos a possíveis “seguranças/capangas” da fazenda onde o crime de tráfico ocorreria.

Presidente da Associação Mato-grossense dos Magistrados, o juiz José Arimatéa afirmou ser quase impossível para os juízes identificarem possíveis irregularidades nestas listas. Segundo ele, só um “verdadeiro juiz detetive” conseguiria.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Agosto de 2017
11.08.17 09h25 » Lava Jato & Cia
11.08.17 09h22 » Punição à vista
09.08.17 17h31 » Rolo do VLT
09.08.17 10h16 » Pedido de soltura
09.08.17 10h13 » Desvio de R$ 3 milhões
09.08.17 10h11 » Primavera do Leste
09.08.17 10h09 » Defesa de Paulo
07.08.17 15h21 » Delação "Monstruosa"
07.08.17 15h06 » "Carimbador"
07.08.17 11h14 » Prisão de Paulo



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet