Artigos
  • GUSTAVO GUILHERME ARRAIS
    Com o julgamento da ADI 3572 e do RE 759.244, como fica o passivo do Funrural?
  • GONÇALO ANTUNES DE BARROS
    Em configurações cada vez mais velozes, a vida está sendo reprogramada
  • DANIELE FUKUI
    Discussão sobre a inconstitucionalidade e ilegalidade do Fethab no STF
/ BENEFÍCIO FOI CASSADO

Tamanho do texto A- A+
11.01.2020 | 10h40
STJ retoma aposentadoria do ex-presidente da Petrobras
CGU havia suspendido o pagamento após processo aberto por causa da compra de Pasadena
Reprodução
José Sérgio Gabrielli
THIAGO RESENDE
DA FOLHAPRESS

O presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), ministro João Otávio de Noronha, restabeleceu o pagamento da aposentadoria do ex-presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli. A decisão foi em caráter liminar (provisória).


A aposentadoria havia sido cassada em dezembro pela CGU (Controladoria Geral da União) -informação revelada pelo jornal Folha de S.Paulo.

Gabrielli foi presidente da estatal de 2005 a início de 2012 durante os governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, e também trabalhou como professor da UFBA (Universidade Federal da Bahia).

A sanção foi aplicada após processo administrativo da CGU, aberto diante de denúncias de irregularidades na compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos.

A operação, que, segundo investigações, gerou prejuízo à Petrobras, ocorreu durante a gestão de Gabrielli no comando da estatal, cujo Conselho de Administração era chefiado por Dilma.

Contra a decisão da CGU de cassar a aposentadoria, a defesa de Gabrielli alegou que ele estava licenciado do cargo de professor e que nenhum fato investigado tem relação com sua atuação docente.

O presidente do STJ concordou com o argumento.

"Não parece razoável a supressão da aposentadoria no cargo de professor em razão de falta ocorrida durante atividade funcional que não tenha relação com o vínculo previdenciário formado com a administração pública", escreveu Noronha na decisão liminar.

O ministro apontou ainda preocupação com a vida financeira de Gabrielli, que, diante da decisão do órgão de controle, deixa de ter uma renda mensal.

Assim, o ministro determinou, em caráter liminar, a suspensão do ato da CGU. Isso reestabelece o pagamento da aposentadoria a Gabrielli até que o STJ conclua o julgamento do caso.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2020 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet