Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Temos que acreditar que amanhã será melhor que hoje, fazendo cada um, uma corrente positiva
  • BRENDA STOFELL
    A Adaptação em meio ao caos da crise econômica causada pela pandemia do coronavírus
/ 30 ANOS DE PRISÃO

Tamanho do texto A- A+
11.01.2020 | 10h12
Gerente de SP é condenado por estuprar e matar jovem de MT
Vítima foi executada com golpes de taco de beisebol; para juiz, crime foi cometido com "brutalidade incomum"
Reprodução
Débora Soriano de Melo (detalhe) foi estuprada e assassinada no bar onde Willy Liger trabalhava
BIANCA FUJIMORI
DA REDAÇÃO

A Justiça de São Paulo condenou, na quinta-feira (9), o gerente de bar Willy Gorayeb Liger a 30 anos de prisão pelo feminicídio qualificado e estupro da cacerense Débora Soriano de Melo, de 23 anos.

O crime ocorreu em um bar no Bairro Mooca, zona leste de São Paulo, em dezembro de 2016.

Conforme a Folha de São Paulo, Liger vai cumprir pena inicialmente em regime fechado e sem direito de apelar em liberdade.

O Conselho de Sentença, formado por quatro homens e três mulheres, entendeu que o réu matou a vítima para tentar escapar da punição pelo estupro que havia cometido momentos antes.

[Crime] foi cometido pelo acusado com brutalidade incomum, incompatível com o mais elementar sentimento de piedade humana

Ao proferir a sentença, o juiz Luis Gustavo Esteves Ferreira, da Primeira Vara do Júri da Capital, afirmou que o crime "foi cometido pelo acusado com brutalidade incomum, incompatível com o mais elementar sentimento de piedade humana".

No entanto, a defesa de Willy afirmou que irá buscar redução da pena.

O crime

Na madrugada de 14 de dezembro de 2016, Willy e dois amigos conheceram a vítima e outra jovem em uma boate no Centro da cidade.

Em seguida, o grupo foi até o bar da Mooca, que pertencia ao primo do criminoso, onde Willy trabalhava como gerente.

Após parte do grupo ir embora, Willy e Débora ficaram sozinhos no estabelecimento, momento em que o réu abusou sexualmente da jovem.

Depois do estupro, que deixou a vítima com diversas lesões e sangrando, o criminoso matou a cacerense com golpes de taco de beisebol.

O corpo foi encontrado pela Polícia após o proprietário do bar acionar as autoridades. Ele disse que recebeu uma ligação do primo dizendo que precisava se livrar do corpo.

Oito dias depois ele foi preso na Bahia e alegou não se lembrar do estupro, mas confessou o assassinato.

Leia mais:

Mato-grossense é assassinada em SP; polícia caça suspeito


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2020 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet