Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Seja certa ou errada a decisão tomada, doravante o árbitro não decide mais sozinho
  • FÁBIO DE OLIVEIRA
    O Brasil vive um momento semelhante ao vivido pela Argentina quando escolheu Macri
  • GONÇALO ANTUNES DE BARROS
    Esperar pela receita de como viver melhor é sentimento utópico
/ R$ 25 MIL

Tamanho do texto A- A+
11.09.2019 | 15h50
Condomínio indenizará mulher que teve parte do dedo amputado em elevador
Por unanimidade, a Primeira Câmara de Direito Privado desproveu o apelo
TJMT
O desembargador João Ferreira Filho (detalhe)
DA REDAÇÃO

Uma mulher que teve parte do dedo amputado pelo elevador de um edifício residencial de Cuiabá será indenizada em R$ 15 mil por danos estéticos e R$ 10 mil por danos morais, conforme decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

Por unanimidade, a Primeira Câmara de Direito Privado desproveu o apelo que buscava retirar a responsabilidade do condomínio pelo acidente e manteve o valor da indenização.

A autora prestou serviços de manicure no condomínio e quando estava chegando ao local para atender uma cliente a porta do elevador se fechou de forma abrupta e com força suficiente para amputar de forma traumática a ponta do dedo médio.
 
O caso aportou ao Judiciário para decidir quem teve responsabilidade pelo incidente, envolvendo o condomínio, a empresa de manutenção, a seguradora e a mulher vitimada.
 
Na análise do desembargador João Ferreira Filho, relator do processo no TJMT, ficou demonstrado que houve quebra da mola na porta do elevador instalado no edifício e é dever do mesmo zelar pelos usuários do equipamento em suas dependências.
 
“Com efeito, não se espera que o usuário do elevador esteja sujeito a esse tipo de acidente, que aponta para a quebra da mola da porta de acesso. Demais, no que tange ao condomínio demandado, é patente o dever de zelo pela saúde e integridade física dos condôminos, usuários do elevador, mediante a fiscalização da manutenção eficiente no tocante”, considerou o magistrado no voto.
 
A seguradora também solicitou a reforma da sentença argumentando que a apólice contratada não previa cobertura para eventuais condenações do segurado por danos morais e a alegação foi acatada pelo órgão julgador.
 
Acesse AQUI o acórdão da Apelação 0024483-37.2013.8.11.0041.

Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet