Artigos
  • IRAJÁ LACERDA
    É uma condição para proprietários não possuem recursos para cultivar ou empreender a terra
  • ITALLO LEITE
    Não importa o tamanho das críticas, sempre será maior a coragem da Ampara
  • FÁBIO DE OLIVEIRA
    O município sofre com a falta de estrutura e condições para receber os turistas
/ R$ 2,5 BILHÕES

Tamanho do texto A- A+
15.03.2019 | 17h02
Alexandre de Moraes suspende acordo entre Petrobras e Lava Jato
"Trata-se de medida precária implementada por órgão incompetente", diz ministro do STF
Carlos Moura/SCO/STF
O ministro Alexandre de Moraes, do STF
ROSANNE D'AGOSTINO
DO G1

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu nesta sexta-feira (15) a homologação e a eficácia do acordo firmado entre a força-tarefa do Ministério Público do Paraná e a Petrobras, que permitiria a criação de uma fundação para gerir até R$ 2,5 bilhões de acerto feito pela estatal com autoridades americanas.

A decisão foi tomada a partir de pedido feito pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, na última segunda-feira (12). Dodge pediu a anulação de todo o acordo firmado pela Petrobras, com participação da força-tarefa da Lava Jato. A criação do fundo foi suspensa por 90 dias.

A força-tarefa já havia pedido para suspender a parte mais polêmica do acordo, a que prevê a criação de entidade para administrar uma parte dos recursos.

Segundo a liminar (decisão temporária) concedida pelo ministro, os valores depositados pela Petrobras deverão ser bloqueados e mantidos em uma conta designada pela Justiça.

Na decisão, o ministro Alexandre de Moraes afirma que o acordo com autoridades norte-americana não houve "condicionamento relacionado à constituição de uma pessoa jurídica de direito privado ou afetação desse montante a atividades específicas".

"Em princípio, parece ter ocorrido ilegal desvirtuamento na execução do acordo realizado entre a Petrobras e o Department of Justice (DoJ)/Securities and Exchange Commision (SEC)", diz o ministro.

Pedido da PGR

Segundo a procuradora-geral, os procuradores do Paraná não tinham poderes para atuar no caso. Ela requereu a anulação do acordo com a força-tarefa, "sem prejuízo de que a Petrobras adote outras medidas" para cumprimento do acordo que fez com autoridades norte-americanas.

O acordo entre a petroleira e os Estados Unidos foi firmado em setembro do ano passado para o encerramento de investigações decorrentes das irregularidades investigadas pela Operação Lava Jato.

O Ministério Público Federal no Paraná planejava criar um fundo privado para gerir recursos recuperados na Operação Lava Jato. O projeto previa a constituição de uma fundação de direito privado para destinar parte dos recursos a iniciativas sociais, em áreas como saúde, educação e meio ambiente.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet