Artigos
  • IRAJÁ LACERDA
    É uma condição para proprietários não possuem recursos para cultivar ou empreender a terra
  • ITALLO LEITE
    Não importa o tamanho das críticas, sempre será maior a coragem da Ampara
  • FÁBIO DE OLIVEIRA
    O município sofre com a falta de estrutura e condições para receber os turistas
/ "TOTAL INDIGNIDADE"

Tamanho do texto A- A+
15.03.2019 | 16h41
TJ determina expulsão de soldado condenado por matar colega
Ele tinha recebido condenação definitiva pelo assassinato, que aconteceu em outubro de 2010
Arquivo MidiaJur
O desembargador Sebastião Barbosa de Farias
DA REDAÇÃO

Um policial militar foi condenado à perda da graduação de praça e à exclusão da corporação por matar um colega de farda no Município de Colniza (1.065 km a noroeste de Cuiabá).

O soldado Wagner Alves Evangelista já havia sido condenado a 15 anos de prisão pelos crimes de homicídio qualificado, abandono de posto e falsidade ideológica, em ação transitada em julgado em 2015. O soldado foi julgado pelo assassinato do colega Fernando Márcio da Silva.

O caso chegou ao Pleno do Tribunal de Justiça de Mato Grosso por meio da Petição n. 137389/2015, proposta pelo Ministério Público Estadual. Os desembargadores do TJMT julgaram a ação procedente por unanimidade, reconhecendo a indignidade do policial para o exercício do cargo.

Para os magistrados, o PM apresentou conduta que não se coaduna, não se alinha e mostra-se totalmente incompatível com o cargo desempenhado, caracterizando ofensa ao decoro da classe e à honra militar.

“Tem-se que a representação para perda da graduação de praça merece julgamento de procedência, eis que os fatos delituosos narrados, que deram origem à denúncia e, por consequência, à condenação do requerido, são de gravidade incontestável e afrontam a instituição da Polícia Militar de forma violenta, demonstrando a total indignidade do requerido para o exercício do cargo de Soldado da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso”, assinalou o relator do processo, desembargador Sebastião Barbosa Farias.

De acordo com o processo criminal que também tramitou no TJMT, os indícios apontam que o homicídio tenha se dado porque o denunciando era extremamente agressivo, ciumento e explosivo e, no dia do fato, teria flagrado a vítima olhando fotografia de sua companheira no computador da sede do Comando da Polícia Militar de Colniza, onde os dois estavam de plantão.

Além disso, o policial teria abandado o serviço, sem ordem superior, para se encontrar com outra mulher e retornou cerca de meia hora depois, a pé.

Consta dos autos que a vítima era muito amiga do companheiro dessa mulher com que o PM havia se encontrado, e teria tomado conhecimento desse encontro.

Já no quartel, o PM encontrou com a vítima na sala de rádio e, sem demonstrar sua real intenção, posicionou-se por trás da vítima e desferiu quatro tiros na cabeça.

Já no hospital, o denunciando solicitou a dois colegas militares que declarassem que estavam juntos realizando rondas no momento do crime, criando um álibi, para que ele não fosse incriminado pelo fato.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet