Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Quando o valor do dólar aumenta frente o real, a Petrobras majora o preço dos combustíveis junto às refinarias
  • ROSANA LEITE DE BARROS
    A Câmara aprovou legislação estabelecendo medidas de combate à discriminação contra transgêneros
  • VINÍCIUS SEGATTO
    O ato de licitar refere-se à oferta de algum bem ou serviço à coletividade, para que se atinja o valor mais adequado e plausível, mediante lances
  • EMANUEL BEZERRA JUNIOR
    Será que o momento atual é o mesmo de 1996, quando a Lei Kandir foi criada? Será que o modelo interessa?
/ CHEFE DA CASA CIVIL

Tamanho do texto A- A+
11.10.2018 | 16h46
PGR pede abertura de nova investigação sobre Eliseu Padilha
Chefe da Casa Civil é suspeito de interferir no Incra em caso de desapropriação de fazenda
Bernardo Caram/G1
O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha
LUIZ FELIPE BARBIÉRI
DO G1

A Procuradoria Geral da República (PGR) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de um novo inquérito para investigar o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha (MDB).

O pedido de inquérito decorre de representações feitas por um procurador da República no Mato Grosso do Sul e por parlamentares.

As representações se baseiam em uma reportagem jornalística, segundo a qual o ministro interferiu para que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) aceitasse pagar - pela desapropriação de uma fazenda destinada ao assentamento de 114 famílias – o preço apresentado pelos proprietários do imóvel.

O valor superava em mais de 200% o valor apurado na avaliação de peritos do Incra, segundo as representações.

O pedido foi protocolado na Corte na segunda-feira (8). O relator é o ministro Luiz Fux. Cabe a ele autorizar ou não a abertura das investigações.

Em nota, a defesa de Padilha afirmou que o ministro não tem nenhuma relação com os fatos descritos pelo Ministério Público e que está à disposição do Judiciário para prestar esclarecimentos.

Outros inquéritos

O ministro é alvo de outros inquéritos no Supremo. Em um deles, figura como investigado ao lado do presidente Michel Temer.

Neste caso, o MPF apura fatos relacionados a um jantar no Palácio do Jaburu em maio de 2014 em que, segundo delatores, Temer acertou o repasse ilícito de R$ 10 milhões da Odebrecht ao MDB.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet