Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Os herdeiros devem saber que não receberão de forma gratuita os bens deixados por quem partiu dessa para melhor
  • XÊNIA ARTMANN GUERRA
    “Evoluímos” para a repulsiva situação de uma advogada ser presa e algemada dentro de um fórum no exercício da profissão
  • JEAN CARVALHO
    Atribuo, sob a minha ótica, a responsabilidade da dificuldade passada pelo Poder Judiciário ao próprio Judiciário
/ RECURSO DE PREFEITA

Tamanho do texto A- A+
21.06.2018 | 14h39
TRE foi coerente ao revogar cassação de Lucimar, diz advogado
Para Ronimárcio Naves, a decisão é uma “verdadeira expressão de respeito à população de Várzea Grande”
Alair Ribeiro/MidiaNews
O advogado Ronimárcio Naves, que faz a defesa da prefeita Lucimar
DA REDAÇÃO

A decisão do Tribunal Regional Eleitoral que revogou a cassação da prefeita Lucimar Campos (DEM) de Várzea Grande e do vice de Anderson Hazama (PRTB), foi considerada pelo advogado de defesa, Ronimárcio Naves, como uma “verdadeira expressão de respeito à população de Várzea Grande”, que não alia a gestão da prefeita à ineficiência da gestão anterior.

O mandato da prefeita e do vice havia sido cassado em 1ainstância pelo juiz Carlos José Rondon Luz da 20ª Zona Eleitoral, em junho do ano passado e se baseou na suspeita de gastos ilícitos com publicidade.

A decisão de terça-feira (19), reverteu a cassação da prefeita por quatro votos a três, acatando o recurso da defesa dos réus. Foram favoráveis a revogação os juízes Antônio Peleja (relator do recurso), Jackson Coutinho, Ricardo Almeida e o desembargador Pedro Sakamoto e votaram para a manutenção da cassação a juíza Vanessa Gasques, juiz Luís Bortolussi e o desembargador Márcio Vidal.

“Entendemos que os três votos contrários partiram de premissas equivocadas. Primeiramente, a aplicação de um dispositivo objetivo em condição normal a uma situação anormal, como se fossem únicas as gestões de Lucimar e de Wallace Guimarães [ex-prefeito de Várzea Grande pelo PMDB, cassado em 2015]. E segundamente, o entendimento de que os gastos de publicidade institucional exclusivamente fora do limite pode resultar em cassação, visto que a jurisprudência é sedimentada no sentido de que, para se ter cassação, deve-se provar o uso de publicidade para fins de promoção pessoal”, explica Ronimarcio.

O que queremos evitar é justamente que Lucimar fique atrelada a uma gestão anterior pífia, ineficaz, fraudulenta, e ilegal

Lucimar Campos assumiu o cargo em maio de 2015 após a cassação o então prefeito Wallace Guimarães (PMDB) por irregularidades na campanha eleitoral de 2012. Ela tinha disputado a eleição contra Wallace e sido derrotada. À época, a Justiça determinou que o segundo colocado no pleito ocupasse a vaga.

Segundo o advogado, não houve, por parte do Ministério Público Eleitoral, nenhuma ação contra a prefeita Lucimar objetivando a cassação do seu mandato. As ações foram propostas pelo ex-deputado estadual e coronel aposentado da Polícia Militar, Pery Taborelli e Allan da Top Gaz (PV), derrotados pela prefeita nas eleições de 2016.

“A principal tese de defesa é a ausência de gravidade da conduta. Ou seja, além de os gastos serem justificados pela necessidade de campanhas de prevenção, vacinação e pagamento de impostos, como IPTU em 2016, que não vinham acontecendo até então, a prática da condenação de cassação é desproporcional ao ato praticado, às justificativas apresentadas e principalmente, ao número de votos obtidos pela prefeita durante as eleições de 2016, mais de 80%”, afirma.

Segundo Naves, houve entendimento do Pleno de não haver influência eleitoral que tenha gerado circunstância de pessoalidade. “A punição objetiva da lei é a aplicação de multa. Para acontecer a cassação, deve haver a identificação da prática de conduta vedada junto a outra acusação de abuso de poder político econômico. No caso da Lucimar, em maio de 2015 houve uma cisão de gestão, tanto que as prestações de contas do município até 5 de maio de 2015 está sob responsabilidade do Wallace. De 5 a 7 de maio a responsabilidade é de Jânio Calistro (PSD) e somente a partir de 7 de maio de 2015 a responsabilidade é de Lucimar. O que queremos evitar é justamente que Lucimar fique atrelada a uma gestão anterior pífia, ineficaz, fraudulenta, e ilegal”, argumenta.

Apesar de reformar a decisão, a Justiça Eleitoral manteve a multa aplicada contra a prefeita e o secretário de Comunicação de Várzea Grande, Marcos Lemos, no valor de R$ 60 mil. “Da mesma forma que entendemos que não há motivo para cassação, também não há para aplicação de multas. Desta forma, devemos recorrer ao TSE, defendendo a improcedência total da ação”, finaliza Ronimárcio Naves.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet