Artigos
  • VINÍCIUS SEGATTO
    Você já se questionou por qual razão ele existe, qual a sua verdadeira aplicabilidade ou, até mesmo, qual é ou será o seu destino?
Artigos / USSIEL TAVARES

Tamanho do texto A- A+
12.06.2018 | 14h58
Brasil, o país das investigações kafkianas
É preciso que se reveja a atuação no sentido de se encerrar apurações quando nenhuma prova é encontrada
USSIEL TAVARES

Quase 100 anos depois de lançado, o livro O Processo, escrito pelo tcheco Franz Kafka, segue muito atual. A obra mostra um bancário que acorda certo dia e, sem motivo algum, descobre que é alvo de um processo por um crime do qual não faz ideia e, o que é pior, não é revelado por seus acusadores.

A contemporaneidade do personagem Josef K., o bancário retratado na obra de Kafka, fica clara quando nos deparamos com o alto número de inquéritos instaurados pelos órgãos competentes e que não são arquivados quando os responsáveis por tais investigações não encontram o menor indício de autoria e materialidade dos atos apurados.

O efeito de tais práticas é devastador para qualquer investigado. Isso fica potencializado quando a apuração, por qualquer motivo, ganha as manchetes dos meios de comunicação.

Antes mesmo de se constatar a existência de elementos mínimos para um processo, as pessoas que têm seus nomes ligados às apurações ganham o rótulo de condenadas.

Antes mesmo de se constatar a existência de elementos mínimos para um processo, as pessoas que têm seus nomes ligados às apurações ganham o rótulo de condenadas

Vejamos, por exemplo, o caso do deputado federal Nilson Leitão (PSDB). Ele era investigado desde 2001, ou seja, há 17 longos anos, por supostas irregularidades que, de acordo com o que afirmou o Ministério Público à época, teriam ocorrido quando o parlamentar era prefeito de Sinop.

Ao longo de mais de 6 mil dias, investigadores, promotores e procuradores reviraram a vida do deputado e nada encontraram.

Ao invés de concluírem que não havia prova, que não havia nenhum indício sequer, todos os responsáveis pela apuração optaram por manter o procedimento aberto, ao invés de reconhecerem o princípio da presunção da inocência de Nilson Leitão e solicitarem o arquivamento.

O fim deste processo “kafkiano” foi decretado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, apenas no início deste ano.

Imagine como foram todos estes dias para o político, pessoa pública, que periodicamente coloca seu nome à aprovação do eleitor de Mato Grosso, convivendo com a desconfiança gerada pelo estardalhaço com que o fato foi anunciado.

Tenho certeza de que ele, assim como tantas outras pessoas, se sentiu como Josef K., que ao longo da obra transitou por ruas, vielas e becos da burocracia estatal, sem o direito a ser declarado inocente, como foi agora.

Que não se confunda esta crítica com a prerrogativa dos órgãos legalmente constituídos para investigar quem quer que seja. Isso não se discute, ninguém está acima da lei. Mas é preciso que se reveja a atuação no sentido de se encerrar apurações quando nenhuma prova é encontrada para que a triste sina de Josef K., que ao final, não sabe nem pelo que se declara inocente, não se multiplique mais.

USSIEL TAVARES é advogado.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2018
11.12.18 08h32 » Fundos e mais fundos
11.12.18 08h29 » Reforma Tributária: “Só ouço falar...”
11.12.18 08h26 » Combate ao Crime Organizado
10.12.18 16h24 » O destino do Direito Penal
10.12.18 16h18 » Tempos de ética e de caráter
06.12.18 16h28 » Estado: indutor do desenvolvimento
06.12.18 16h27 » Expectativas
04.12.18 11h30 » Tempos de plantar!
04.12.18 11h26 » A taxa sobre a taxa
03.12.18 14h51 » Fim dos privilégios



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet