Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
MPE / BEBÊ INDÍGENA

Tamanho do texto A- A+
12.06.2018 | 10h03
MPE denuncia bisavó por tentativa de homicídio duplamente qualificado
Recém-nascida foi enterrada viva pela índia em MT e ficou debaixo da terra por quase seis horas
Alair Ribeiro/MidiaNews
Fachada do Ministério Público Estadual de Mato Grosso
DA REDAÇÃO
O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da Promotoria de Justiça de Canarana, ofereceu denúncia nesta segunda-feira (11) contra Kutsamin Kamayura por tentativa de homicídio duplamente qualificado.
 
Ela é bisavó da bebê indígena Analu Paluni Kamayura Trumai, enterrada viva por quase seis horas. De acordo com o Ministério Público, ao enterrar a recém-nascida ela tentou matá-la asfixiada e com impossibilidade de defesa.

As investigações apontaram que o crime ocorreu na tarde do dia 05 de junho, na residência da acusada, em Nova Canarana, logo após auxiliar no parto da neta Maialla Paluni Kamayura Trumai, de 15 anos. Depois de cortar o cordão umbilical, a bisavó enrolou a vítima em um pano e a enterrou no quintal, numa cova de aproximadamente 50 cm.

De acordo com o promotor de Justiça, Carlos Rubens de Freitas Oliveira Filho, a família não aceitava a gravidez de Maialla pelo fato dela ser mãe solteira. Testemunhas relataram ao Ministério Público que a conduta criminosa foi premeditada e orquestrada semanas antes ao nascimento da criança. A cova foi aberta pela manhã, no dia do parto.

“Após o nascimento de Analu, no período da tarde, colocaram em prática o plano criminoso. Ninguém da família pediu qualquer tipo de auxílio ou ajuda à Casa de Saúde Indígena, apesar de Maialla, após o parto, apresentar hemorragia e precisar ser atendida”, traz trecho da denúncia.

A recém-nascida foi resgatada por policiais militares e civis após uma denúncia anônima.  Analu Paluni foi transferida para a Santa Casa de Misericórdia em Cuiabá, onde permanece internada na UTI.

Kutsamin Kamayura cumpre a prisão preventiva na Funai em Gaúcha do Norte.

Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
18.10.18 15h03 » Prado diz que MPE pode ser parceiro estratégico da gestão Mendes
17.10.18 17h33 » MPE vê “trama de mentiras” e pede prisão de PM réu por grampos
16.10.18 14h57 » Gaeco: delegado e policiais usavam sacolas para asfixiar vítimas
16.10.18 14h42 » Loja manda deficiente auditivo desbloquear cartão por telefone
16.10.18 11h19 » Gaeco prende delegado e investigadores por suspeita de tortura
15.10.18 17h55 » MPE vê inconsistência em monitoramento; juiz pede explicação
10.10.18 16h10 » Casa noturna diz que cabo frequentou o local em horário proibido
05.10.18 15h53 » MPE vai usar drones contra a compra de votos e boca de urna
05.10.18 15h25 » MPE: Zaqueu criou Núcleo de Inteligência para "satisfação pessoal"
04.10.18 17h21 » MPE diz que cabo não deve ter atenuante de pena por confissão



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet