Artigos
  • VILSON NERY
    Li as propostas dos três candidatos, e separei as palavras “agricultura” e agronegócio” em seu contexto no plano de governo, para dar qualidade à minha pretensão
  • JOÃO PAULO OLIVEIRA
    No processo eleitoral atual há uma enorme preocupação com relação a informações falsas que são passadas no que tange a uma série de situações e candidatos

Tamanho do texto A- A+
30.05.2018 | 10h59
Propina no Detran
Mensaleiro indicou Henry a dono da EIG, diz empresário em delação
DA REDAÇÃO
Henrique Pizzolato

O mensaleiro Henrique Pizzolato, citado na Bereré. Foto: Joel Rodrigues

Em sua delação, o empresário José Ferreira Neto, sócio da EIG Mercados, contou que foi o mensaleiro Henrique Pizzolato, ex-diretor do Banco do Brasil, quem fez a "ponte" entre ele e o então deputado federal Pedro Henry, em 2007.

A reunião com Pedro Henry visava conseguir que a EIG, que na época se chamada FDL, firmasse contrato com o Detran-MT. O contrato, segundo José Neto, acabou sendo firmado em 2009 mediante compromisso de pagamentos periódicos de propina, tendo Henry como um dos maiores beneficiários.

O esquema é investigado na Operação Bereré e teria causado prejuízo de R$ 30 milhões aos cofres públicos. Pizzolato deixou a cadeia no final do ano passado.

"O interrogado José Ferreira Gonçalves Neto, sócio da empresa FDL - Serviços, atualmente EIG Mercados, também ouvido no inquérito, afirmou que no ano de 2017, por indicação de Henrique Pizzolato, procurou o investigado Pedro Henry Neto, com quem teve uma reunião em Brasília/DF, para pedir-lhe auxílio para o fim de que pudesse conseguir que sua empresa fosse contratada pelo Estado de Mato Grosso pela prestação de serviços", diz trecho da investigação.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet